Meio Bit » Games » Xbox Series e a aposta em um novo console

Xbox Series e a aposta em um novo console

O Xbox Series X/S e o PS5 estão chegando e por isso surge a eterna dúvida: vale a pena pagar tão caro para adquirir um console tão pouco testado?

07/10/2020 às 11:46

A nona geração de consoles está preste a ter início e a pergunta que muitos estão se fazendo no momento é: será que devo investir uma pequena fortuna no Xbox Series X/S ou PlayStation 5, ou o melhor é esperar alguns meses (talvez anos) até que eles se tornem mais acessíveis? Pois algumas informações divulgadas nos últimos dias reforçam a ideia de que aqueles que tiverem paciência poderão ser beneficiados.

Projeto do Xbox Series X

Crédito: Divulgação / Microsoft

No caso do novo console da Microsoft, bastou uma semana para que os jornalistas e influenciadores que já estão testando o Xbox Series X começassem a relatar algo que, se não é um problema neste primeiro momento, ao menos acende um sinal de alerta naqueles que pretendem adquirir o videogame. Isso porque, mesmo com o belo trabalho de engenharia feito pelo pessoal da Redmond, a quantidade de calor gerado pelo aparelho tem assustado os usuários.

Uma das pessoas que relatou o problema foi Ken Bogard, do canal Jeux Video. Segundo ele, a alta temperatura do Xbox Series X foi registrada enquanto ele utilizava o console para rodar jogos retrocompatíveis ou acredite, mesmo apenas navegando pela dashboard. Ele disse:

O Series X é quente, tipo, realmente quente! Ele não faz barulho, mas caramba, é quente! O console emite calor loucamente. É quase como uma lareira, você pode aquecer o seu apartamento com ele.

Mas mesmo se desconsiderarmos um possível exagero, a opinião segue na mesma linha do que disse Jeff Bakalar, do Giant Bomb, em sua análise inicial do videogame. Durante os testes o sujeito notou que mesmo com o Xbox Series X em modo stand-by é possível notar que ele emite calor, sendo que numa transmissão ao vivo Bakalar chegou a demonstrar ter queimado a mão ao tocar no cartão de expansão.

Contudo, há alguns detalhes que merecem ser observados. O primeiro é que tais consoles estão sendo tratados como hardware pré-lançamento. Ou seja, pode ser que a versão vendida para o consumidor tenha passado por algum tipo de revisão, mas com a chegada às lojas estando tão próxima, tenho dúvida se isso será possível.

Outro ponto que merece atenção é o fato de que esse pessoal só tem utilizado o Xbox Series X para testar o tempo de carregamento e títulos das gerações anteriores. Agora imagine o aparelho rodando jogos da próxima geração, onde a máquina será mais exigida e adicione a este cenários as temperaturas infernais tão comuns a algumas regiões de um país tropical como o nosso.

O que serve para amenizar um pouco a preocupação são as declarações de que o cooler de 130 mm presente no Series X é bastante silencioso, mais até do que aquele presente no Xbox One X. Além disso, a Microsoft garante que todo o projeto de construção do novo videogame foi pensado em mantê-lo resfriado, o que inclusive fez com que sua placa-mãe fosse dividida em duas partes.

Crédito: Divulgação / Microsoft

E quem está interessado em adquirir um Xbox Series X/S também poderá ficar decepcionado com uma declaração feita por Phil Spencer durante uma entrevista. Ao contrário do que a Microsoft pregou quando os primeiros detalhes do então Project Scarlett foram revelados, hoje o chefe da divisão de games da empresa não parece tão otimista em relação termos jogos em 8K.

Penso que o 8K é uma tecnologia aspiracional. Os recursos de exibição dos dispositivos ainda não estão por aí. Acho que estamos a anos de o 8K ser — se é que um dia será — padrão nos videogames.

De acordo com a chefe de engenharia do Xbox, Liz Hamren, algo que ajuda a reforçar a opinião de Spencer são os dados coletados por sua equipe, que apontam que a quantidade de pessoas que possuem uma TV 4K é muito menor do que a maioria das editoras imaginam. Além disso, a Nintendo é um exemplo de que mesmo sem ter alcançado nem a resolução 4K, o Switch e seus jogos continuam vendendo muito bem.

Por outro lado, o executivo disse acreditar que algo muito mais acessível seria oferecer jogos com uma taxa de 120 Hz, já que esta é uma tecnologia que “absolutamente está aí para as pessoas usarem.” No entanto, não sei se isso é algo tão acessível assim, pois imagino que a quantidade de jogadores de console que possuem uma TV capaz de alcançar tal número não deva ser muito grande.

De qualquer forma, essa troca de 8K por 120 Hz é algo que não deverá acontecer apenas no Xbox Series X. Recentemente o chefe da Polyphony Digital saiu em defesa da resolução 4K, dizendo que ela é suficiente e que no caso da sua série Gran Turismo, ele está mais interessado em alcançar 120 fps ou até mesmo o dobro disso.

Por fim, a dúvida sobre investirmos pesado em um novo console não é exclusividade daqueles que estão de olho no Xbox Series X/S. No caso do PlayStation 5, um recurso que não estará disponível no lançamento é a tecnologia Tempest 3D AudioTech para TV. Embora a novidade esteja mantida para os fones de ouvido compatíveis, na televisão só teremos acesso ao Surround Virtual numa data ainda não confirmada.

Mas mesmo com o recurso tendo sido apenas adiado, sua ausência deverá ser sentida por quem gosta de uma boa qualidade sonora e principalmente, por quem estava ansioso para conhecer algo que poderá tornar a experiência nos jogos muito mais imersiva, conforme explicou o produtor executivo do Resident Evil Village, Jun Takeuchi:

O áudio é um elemento chave para melhorar a experiência da próxima geração do PS5. É quase como se o sistema Tempest 3D AudioTech tivesse sido criado especificamente para jogos de terror. Antigamente, para obter um bom áudio de ambiente, os jogadores tinham que investir muito tempo e dinheiro. Agora, basta colocar uma headset, que podem obter uma experiência 3D completa.

Fonte: Video Games Chronicle e Wired.

Leia mais sobre: , .

relacionados


Comentários