Meio Bit » Engenharia » Bomba Tallboy explode na Polônia com 75 anos de atraso

Bomba Tallboy explode na Polônia com 75 anos de atraso

Tallboy é o nome de uma bomba gigantesca usada na Segunda Guerra Mundial. Agora uma explodiu na Polônia mas entre mortos e feridos salvaram-se todos.

15/10/2020 às 18:39

A Tallboy foi uma resposta inglesa a um problema sério criado pelos alemães. Por algum motivo os chucrutes não gostavam de ser bombardeados, e pra evitar isso criaram a maior indústria de concreto de todos os tempos. As bombas convencionais nem arranham estruturas como a Cúpula, que abrigava uma fábrica de mísseis V2.

A Cúpula. 55 mil toneladas e concreto armado, 5.5 metros de espessura, 71 metros de diâmetro. (Crédito: Mem'Histo)

Logo os nazistas tinham estruturas de concreto pra todo lado, para explodi-las os aliados precisavam de bombas impraticavelmente grandes, até que Barnes Wallis, um engenheiro genial e relativamente insano propôs a ideia de uma “bomba-terremoto”.

O conceito era simples: ondas de choque se movem muito mais rápido em sólidos do que no ar. Uma explosão subterrânea do lado de um alvo teria conseqüências desastrosas pro Inimigo, mas como enterrar uma bomba? Até poderiam amarrar uns dois estagiários com pás antes de lançá-la do avião, mas pás não crescem em árvores, seria desperdício de recursos.

Bombinhas sortidas. A Tallboy é a lá do fundo, maiorzinha. (Crédito: Domínio público)

Wallis concebeu uma solução genialmente simples: Lançar a bomba de grande altitude deixá-la atingir grande velocidade, e essa energia enterraria a bomba vários metros no solo.

A Tallboy foi projetada para isso. Com 5,4 toneladas de peso, dessas 2,4 toneladas só de explosivos, ela era lançada de um bombardeiro Lancaster a 5,5 Km de altitude. Quando chegava no chão a bomba estava a 1210 Km/h. Com essa velocidade ela penetrava 5 metros de concreto, antes de explodir.

A explosão era cortesia de três detonadores que acionados com o impacto, iniciavam um mecanismo de atraso que detonaria a bomba alguns segundos, minutos ou mesmo meia-hora após ela ter penetrado (ui!) no alvo.

Lancaster sendo carregado com uma Tallboy (Crédito: Domínio público)

O resultado era uma cratera de 30 metros de diâmetro e 24 metros de profundidade, com estruturas e alicerces abalados em toda a região.

A Tallboy foi usada com sucesso em vários ataques, inclusive entre 13 e 16 de Abril de 1945 no canal de  Kaiserfahrt, Polônia, quando bombardeiros ingleses mais ou menos afundaram o cruzador alemão Lützow. Mais ou menos porque ele estava no porto, afundou no raso e continuou combatendo.

Os ataques foram feitos com bombas Tallboy, mas nem todas explodiram, como foi descoberto recentemente. Alguém achou uma bomba no fundo do canal e isso é um problema. O jeito foi tirar no palitinho, escolher uma equipe e formular um plano para desarmar a danada.

A estratégia escolhida foi... queimar o explosivo. Isso mesmo. Muitos explosivos são perfeitamente seguros se queimados a céu (ou água) aberto. O problema é uma queima em ambiente confinado, é a diferença entre um rastilho e um barril de pólvora. Como podemos ver neste vídeo deste russo doido (perdoe o pleonasmo) desarmando granadas e queimando o explosivo.

A bomba foi encontrada com o nariz pra cima, o que pode indicar o motivo de não ter explodido, os detonadores teriam sido destruídos no impacto. Explodir a bomba agora foi considerado perigoso demais, por causa da proximidade com uma ponte, então o Plano B era abrir a bomba e iniciar uma queima controlada das 2.4 toneladas de Torpex.

Algo deu errado, mas como polonês só é burro nas piadas, eles fizeram tudo remotamente, e quando a Tallboy estourou, ninguém se feriu, exceto os peixes, claro.

O vídeo é algo épico:

[ATUALIZAÇÃO]

A Internet é incrível. Alguém no Reddit achou o vídeo do ataque, aos 10s dá inclusive para ver a bomba caindo e não explodindo.

Leia mais sobre: , , , .

relacionados


Comentários