Meio Bit » Software » Ubuntu 20.10 e Raspberry Pi 4: quase lá — Review

Ubuntu 20.10 e Raspberry Pi 4: quase lá — Review

Canonical lança versão do Ubuntu para o desktop com suporte ao Raspberry Pi 4, mas experiência final possui vários caveats

46 semanas atrás

O Ubuntu 20.10 "Groovy Gorilla", a mais nova versão da distribuição Linux da Canonical, é o primeiro com suporte oficial para o Raspberry Pi na versão para desktop. Anteriormente, a empresa havia lançado a versão Server do 20.04 LTS "Focal Fossa", e antes dele, a comunidade se encarregava de portar o sistema por conta própria.

Papel de parede do Ubuntu 20.10 "Groovy Gorilla" para o Raspberry Pi 4 (Crédito: Canonical)

Papel de parede do Ubuntu 20.10 "Groovy Gorilla" para o Raspberry Pi 4 (Crédito: Canonical)

O Ubuntu 20.10 é oficialmente compatível apenas com as versões de 4 e 8 GB do Raspberry Pi 4, o que limita seu uso com os modelos de preços mais elevados do computador de placa única, mas por um acaso, eu tenho um modelo de 4 GB disponível. Logo, resolvi testar o Ubuntu real oficial no bichinho.

Então, o Raspberry Pi 4 já se qualifica como um verdadeiro desktop para o usuário final? Descubra a seguir.

Instalando o Ubuntu

O processo não é nada diferente de instalar qualquer outra distro compatível com o Raspberry Pi, seja o Raspbian Raspberry Pi OS ou versões customizadas pela comunidade para diversos fins. Você vai precisar de:

Raspberry Pi 4 (Crédito: Ronaldo Gogoni/Meio Bit)

Raspberry Pi 4 (Crédito: Ronaldo Gogoni/Meio Bit)

  • Um Raspberry Pi 4 com 4 ou 8 GB de RAM.
  • Um cartão microSD com no mínimo 16 GB de espaço (use um de boa qualidade);
  • A imagem do Ubuntu 20.10 "Groovy Gorilla", disponível no site da Canonical.
    Clique no botão "64-bit" ao lado de "Ubuntu Desktop 20.10" para baixar a ISO correta;
  • O Etcher, o programa que irá gravar a ISO do Ubuntu no cartão;
  • Teclado, mouse e monitor.

O procedimento de instalação é o mesmo usado para o EmulationStation, mas há algumas diferenças. O que você vai instalar é o "Live Update", e uma vez que você ligar o Raspberry Pi 4, o sistema rodará o processo padrão de instalação do Ubuntu antes de começar.

Todo o processo é feito direto no cartão, e após um novo reboot, o Ubuntu 20.10 estará rodando normalmente. Ou quase isso.

Testando o Ubuntu no Raspberry Pi

Ubuntu 20.10 no Raspberry Pi 4 (Imagem: Reprodução/Canonical)

Ubuntu 20.10 no Raspberry Pi 4 (Imagem: Reprodução/Canonical)

O pequeno SBC dá conta de uma operação de uso normal a moderado de um sistema operacional, para usuários finais que estão aprendendo a usar o Linux, ou se interessando por programação, os alvos preferenciais da Raspberry Pi Foundation. Para estes, o Ubuntu atende a boa parte das necessidades.

Há uma série de programas compatíveis direto da Central de Programas, do editor de imagens GIMP ao cliente para desktop do Telegram, e desde o primeiro boot já há uma boa seleção de apps, como Firefox, Rhythmbox (música), Thunderbird (e-mail) e a suíte LibreOffice. Tudo o mais pode ser instalado também via Terminal, sem nenhum segredo.

As demais novidades do Ubuntu 20.10 "Groovy Gorilla" estão todas disponíveis para a versão dedicada ao micro-PC, como kernel Linux 5.8, Gnome 3.38, compartilhamento de Wi-Fi via QR Code e mais.

Compatibilidade OK, já performance...

É preciso levar em conta as limitações óbvias do Raspberry Pi 4. Seu processador é o BCM2711B0 da Broadcom, um quad-core Cortex-A72 com clock de 1,5 GHz, que suporta overclock até 2 GHz, mas é bom evitar forçar o clock se você não possuir um kit de resfriamento ativo.

Outro ponto essencial é fornecer os 15 W necessários para o SBC funcionar corretamente, com tensão de 5V e corrente de 3 A. Qualquer valor abaixo disso e o PCzinho vai lerdar bonito.

Com Google Chrome, GIMP, VLC e Terminal abertos (Crédito: Reprodução/Canonical)

Com Google Chrome, GIMP e VLC abertos (Crédito: Reprodução/Canonical)

Isso posto, sejamos claro quanto à performance: o Ubuntu 20.10 "Groovy Gorilla" é bem mais lerdo do que o Raspberry Pi OS, por ser consideravelmente mais pesado e trazer mais recursos. Operações simples, como abrir o navegador ou o player de música fazem o SBC parar, pensar e olhar para o dia que já vem, e isso é bem constante.

Para um usuário avançado, ou para quem depende de um PC para trabalhar remotamente, a combinação entre o hardware acessível e a distro da Canonical é menos do que o ideal, mas é possível usá-los. Eu só não recomendo-os como uma primeira opção, e sim mais como uma emergência, quando não houver outras alternativas disponíveis.

Apesar dos pesares, é possível sim ser produtivo. Mesmo algumas forçadas de barra, como abrir o Chrome com algumas abas, o VLC com um vídeo em Full HD e editar imagens no GIMP não fizeram o SBC suar, com a temperatura ficando entre 34º C e 36º C, levando em conta que meu kit possui dissipadores de alumínio e ventoinha.

Conclusão

O Ubuntu 20.10 "Groovy Gorilla" vai rodar em seu Raspberry Pi 4 de 4 ou 8 GB de RAM, mas não espere por uma performance de ponta. Operações cotidianas levam mais tempo do que o normal, e assim, a combinação não é indicada para produtividade. Você vai conseguir trabalhar, mas vai levar mais tempo.

Da mesma forma, não tente rodar coisas mais elaboradas como jogos, e a bem da verdade, o Ubuntu sequer permitiu instalar o Steam dado uma série de erros e ausência de pacotes, que poderiam chegar posteriormente.

Eu vejo o Ubuntu rodando no Raspberry Pi 4 como uma curiosidade para usuários avançados, true hackers e fuçadores em geral, ou para quem está habituado à distro da Canonical e tem acesso ao SBC, seja o tradicional ou o novíssimo Raspberry Pi 400, que é o modelo de 4 GB de RAM com um teclado integrado.

De certa forma, o novo PCzinho de US$ 70 é uma homenagem aos computadores domésticos que concorreram com o IBM-PC nos anos 1980, voltados para o usuário final e vendidos como uma opção a consoles de videogame da época, como os honoráveis Commodore 64 e ZX Spectrum.

Seja qual for o seu hardware compatível, o Ubuntu 20.10 ainda é uma distro um pouco pesada, mas deverá se tornar melhor gerenciável com o tempo, seja através da Canonical, ou da comunidade com os tradicionais forks e adaptações. Mesmo assim, um usuário tradicional do SO não deverá ter maiores problemas.

Para quem está usando o Raspberry Pi 4 para aprender a programar ou quer ter mais intimidade com o hardware, o Raspberry Pi OS já é uma boa pedida.

Nota: este texto foi completamente editado via Raspberry Pi 4, rodando Ubuntu 20.10 "Groovy Gorilla".

relacionados


Comentários