Meio Bit » Software » Cifra do "Assassino do Zodíaco" é desvendada após 51 anos

Cifra do "Assassino do Zodíaco" é desvendada após 51 anos

Grupo de criptógrafos independentes conseguiram decodificar o código "340" do "Assassino do Zodíaco", que permanecia indecifrável desde 1969

16/12/2020 às 12:01

Um mistério de mais de meio século chegou ao fim, ou ao menos parte dele: a última mensagem cifrada do "Assassino do Zodíaco", um serial killer que aterrorizou o norte da Califórnia entre o fim dos anos 1960 e o início dos anos 1970, enviada à polícia em 1969, foi decodificada por um grupo de criptógrafos independentes, após inúmeros especialistas ao longo das décadas não conseguirem.

No entanto, a identidade de "Zodíaco", bem como seu paradeiro ou destino final, permanecem desconhecidos. E não, ele não é o Ted Cruz.

Detalhe de cartaz de procurado do "assassino do Zodíaco", com retratos falados baseados nas descrições de testemunhas (Crédito: San Francisco Police Department/Getty Images)

Detalhe de cartaz de procurado do "assassino do Zodíaco", com retratos falados baseados nas descrições de testemunhas (Crédito: San Francisco Police Department/Getty Images)

O “Assassino do Zodíaco" é o pseudônimo de um assassino serial ao qual são atribuídas 5 mortes confirmadas, com duas pessoas tendo sobrevivido a seus ataques. Há informes de que o número de vítimas pode ter sido muito maior, entre 28 e 30 pessoas. O criminoso afirmou ter cometido 37 homicídios.

"Zodíaco" tinha um método de atacar jovens casais em seus carros, pegando-os desprevenidos, com tiros de Luger ou 9 mm, ou com golpes de faca. Entre 1968 e 1969, anos em que os ataques conhecidos ocorreram, o criminoso enviou cartas clamando a autoria dos ataques, e entre elas, cifras ou criptogramas, mensagens codificadas usando letras e símbolos.

Embora a maioria delas tenha sido decifrada ainda na época, o mesmo não se aplicou à cifra conhecida como Z-340 ou apenas "340", uma carta com (wait for it...) 340 caracteres.

Criptograma conhecido como "340", enviado pelo "assassino do Zodíaco" à polícia de San Francisco (Crédito: San Francisco Police Department/zodiackillerfacts.com)

Criptograma conhecido como "340", enviado pelo "assassino do Zodíaco" à polícia de San Francisco (Crédito: San Francisco Police Department/zodiackillerfacts.com)

Enviada em novembro de 1969 à polícia, a "340" permaneceu um mistério por 51 anos. Diversos especialistas e criptógrafos tentaram encontrar um padrão na carta, de modo a desvendar sua mensagem, sem sucesso.

As coisas começaram a mudar quando Sam Blake, um especialista em Matemática Aplicada radicado na Austrália, apresentou 650 mil ordens de leitura possíveis para a "340", ao considerar que a carta usa uma cifra de transposição.

Diferente de uma cifra rearranjada por uma folha de código, onde é preciso uma chave (como no caso da Enigma), uma cifra de transposição pega uma frase ou texto e rearranja as posições das letras, usando uma estrutura pré-determinada.

Digamos que eu queria escrever "bônus de Natal do Meio Bit" usando uma cifra de transposição. Um dos métodos é usar uma matriz, e em uma de 5 colunas, teríamos isto:

B O N U S

D E N A T

A L D O M

E I O B I

T

Agora, transcrevendo a mensagem como uma string contínua, mas lendo de uma coluna para outra, de cima para baixo, temos:

BDAETOELINNDOUAOBSTMI

Se eu quiser complicar, posso adicionar mais letras aleatórias no fim ou no início da matriz, para criar uma sentença com um monte de caracteres inúteis, que não fazem parte da mensagem.

No geral, uma cifra de transposição é simples de quebrar, se você souber qual foi o método de transposição que o autor usou. Ele pode ser tanto em colunas quanto em zigue-zague (rail fence), entre outros. O fato de "Zodíaco" ter usado o método combinando com símbolos complicou ainda mais as coisas.

O material provido por Blake permitiu ter uma base para começar a plotar uma solução, e com base nisso, o webdesigner do estado da Virginia David Oranchak, junto com o programador belga Jarl Van Eycke, este responsável pelo software AZdecrypt, usaram este programa e o ZKDecrypto, empregado por Oranchak, para quebrar a cifra "340".

As primeiras frases identificadas pelos softwares foram "I HOPE YOU ARE", "TRYING TO CATCH ME" e "GAS CHAMBER", esta última tendo chamado a atenção para a possibilidade de que o método usado era correto. Finalmente, a cifra fora toda desvendada.

Segue a íntegra do texto criptografo, no original em inglês, em maiúsculas e sem pontuação:

"I HOPE YOU ARE HAVING LOTS OF FUN IN TRYING TO CATCH ME THAT WASN’T ME ON THE TV SHOW WHICH BRINGS UP A POINT ABOUT ME I AM NOT AFRAID OF THE GAS CHAMBER BECAUSE IT WILL SEND ME TO PARADICE ALL THE SOONER BECAUSE I NOW HAVE ENOUGH SLAVES TO WORK FOR ME WHERE EVERYONE ELSE HAS NOTHING WHEN THEY REACH PARADICE SO THEY ARE AFRAID OF DEATH I AM NOT AFRAID BECAUSE I KNOW THAT MY NEW LIFE WILL BE AN EASY ONE IN PARADICE DEATH"

Traduzindo para o português brasileiro, fica assim:

"ESPERO QUE ESTEJAM SE DIVERTINDO AO TENTAR ME PEGAR NÃO ERA EU NO PROGRAMA DE TV ISSO LEVANTA UM PONTO SOBRE MIM NÃO TENHO MEDO DA CÂMARA DE GÁS PORQUE VOU PARA O PARAÍSO EM BREVE PORQUE AGORA TENHO ESCRAVOS SUFICIENTES PARA TRABALHAREM PARA MIM ONDE TODOS OS OUTROS NÃO TÊM NADA QUANDO ALCANÇAM O PARAÍSO ENTÃO ELES TÊM MEDO DA MORTE NÃO TENHO MEDO PORQUE SEI QUE MINHA NOVA VIDA SERÁ FÁCIL NO PARAÍSO MORTE"

A carta possui algumas passagens relevantes. Primeiro, a grafia errada "paradice" já havia surgido em cartas anteriores que "Zodíaco" enviou à polícia. Segundo, a menção ao programa de TV e à câmara de gás é uma referência a uma suposta ligação que ele teria feito, um mês antes, para um programa de auditório da emissora KGO-TV, em que disse que "precisava de ajuda" porque "estava doente", e que tinha medo de ser executado. Terceiro, a menção a reunir escravos que o serviriam no pós vida também já havia aparecido em outras cifras.

Oranchak afirma estar trabalhando para quebrar a cifra da "340" desde 2006, mas mesmo com o material fornecido por Blake, encontrar a sequência correta de leitura da mensagem, o que ele chama de "achar o palheiro correto antes de procurar a agulha", já foi difícil.

Em nota, o FBI se reservou no direito de não tecer comentários; oficialmente a investigação do caso "Zodíaco" continua aberta, embora tenha sido marcada como "inativa" em 2004 pelo departamento de polícia de San Francisco, mas retomada em 2007. O Departamento de Justiça da Califórnia, por sua vez, mantém o caso aberto desde 1969.

A carta em si não diz nada sobre a identidade de "Zodíaco", mas dá a entender de que ele já estava pondo planos em ação para tirar a própria vida, antes que pudesse ser pego pela polícia. Os "escravos" que ele mencionou mais de uma vez seriam suas vítimas.

Ainda que a "340" não adicione nada de novo às investigações sobre quem é/foi "Zodíaco", o que aconteceu com ele e se houveram outras vítimas além das reconhecidas, é importante reconhecer que um código que atormentou a polícia por 5 décadas finalmente foi quebrado.

Crédito: Ars Technica

Leia mais sobre: , , .

relacionados


Comentários