Meio Bit » Games » Quando Shigeru Miyamoto levou o inimigo para casa

Quando Shigeru Miyamoto levou o inimigo para casa

Sabe aquela eterna briga sobre quem era melhor, Sega ou Nintendo? Pois na casa de Shigeru Miyamoto ela aparentemente nunca aconteceu

43 semanas atrás

Durante boa parte das décadas de 80 e 90 vivemos um período que ficou conhecido como “A Guerra dos Consoles”. Mas enquanto Sega e Nintendo duelavam pela preferência dos consumidores e muitos jogadores defendiam suas preferência com unhas e dentes, na casa de Shigeru Miyamoto o clima era muito mais amenos, com os filhos do game designer aproveitando alguns jogos criados pela sua então grande inimiga.

Mario & Sonic at the Olympic Games Tokyo 2020 (Crédito: Reprodução/Youtube/Nintendo)

A revelação foi feita pelo criador do Mario durante uma entrevista à revista The New Yorker, quando Miyamoto falava sobre as dificuldades que os pais estão enfrentando em relação a, durante o longo período de isolamento social pelo qual estamos passando, não permitirem que seus filhos passem tempo demais jogando videogame. Ele disse:

As crianças sentem que não podem parar de jogar porque os jogos são tão divertidos — isso é algo que posso entender e simpatizar. É importante que os pais joguem os games, para entender porque as crianças não podem parar antes de chegar ao próximo ponto de salvamento, por exemplo. Em termos dos meus próprios filhos, tive a sorte de que eles sempre tiveram uma boa relação com os videogames. Eu nunca tive que restringir o acesso a eles ou tirar-lhes os games.

É importante notar que, na nossa casa, todos os videogames pertenciam a mim, e as crianças entendiam que estavam pegando essas coisas emprestadas. Se eles não pudessem seguir as regras, então havia o entendimento de que eu simplesmente poderia retirar a máquina deles [risos]. Quando estava um bom clima lá fora, eu sempre os encorajava a brincar lá fora. Eles jogaram muitos jogos da Sega, a propósito.

Então, aos risos Shigeru Miyamoto afirmou que nunca sentiu ciúmes por os filhos gostarem dos jogos feitos por uma empresa rival, já que isso o motivava a continuar melhorando e assim as crianças acabavam preferindo suas criações. Ele também revelou que dois dos títulos preferidos pelos seus filhos eram o Out Run e o Space Harrier.

Por fim, Shigsy ainda falou que enquanto jogava Captain Toad: Treasure Tracker com o seu neto, conseguiu perceber o quão imersa uma criança pode ficar em um jogo. Para ele, criar títulos que encorajem uma relação entre pais e filhos é algo que sempre esteve presente na sua ideia de design e que ao ajudar o neto a navegar por aquele ambiente 3D, ele conseguiu imaginar aqueles estágios tomando forma dentro da cabeça de uma criança de cinco anos, o que poderá ajudá-lo a se desenvolver.

Captain Toad: Treasure Tracker (Crédito: Divulgação/Nintendo)

Aposentadoria, Miyamotodependência e um bico como guia turístico

Hoje com 68 anos, Shigeru Miyamoto disse recentemente que por enquanto não tem planos para se aposentar. Contudo, ao falar com a The New Yorker, o game designer revelou que devido a política de desenvolvimento da Nintendo, criar a harmonia entre hardware e software é algo que exige uma década, mas que a geração mais nova que está comandando a empresa já conseguiu entender este princípio.

E como, segundo ele, essa passagem do espírito da empresa foi bem-sucedida, hoje o game designer não está mais preocupado com o futuro da BigN. Além disso, a chegada de novos competidores ao mercado fez com que a Nintendo pensasse mais profundamente naquilo que os consolidou como a empresa que conhecemos e essa liberdade tem lhe permitido aproveitar a alegria de querer criar e se dedicar a coisas bem diferentes.

Eu continuo perseguindo meus interesses. A Nintendo tem expandido para novas áreas de design, como o parque [da Universal Studios, em Osaka] em que tenho trabalhado. Quando você pensa nisso, o design de um parque temático é similar ao design de um videogame, embora seja totalmente focado no lado do hardware. Em certo sentido, sou um amador novamente, mas conforme essas atrações se tornam mais interativas, é onde a nossa experiência será bem utilizada. Esta mistura da nossa experiência com novos contextos pode ser um dos empreendimentos mais interessantes para os meus anos restantes.

[…] Agora estou focando na necessidade de continuar encontrando novas experiências. Isso sempre foi o que me interessou e me entusiasmou sobre este meio: não aperfeiçoar o antigo, mas descobrir o novo.

Pois Miyamoto parece realmente empolgado com o o parque que está prestes a inaugurar e uma demonstração disso pode ser vista no vídeo abaixo. Nele acompanharemos o game designer fazendo um tour pelo Super Nintendo World, mas tome cuidado! Após assistir essa breve demonstração, é muito provável que desperte em você uma súbita vontade de conhecer o lugar que tem tudo para se transformar num dos pontos mais visitados por aqueles que cresceram amando os videogames, independentemente de em qual lado daquela guerra eles estavam.

relacionados


Comentários