Meio Bit » Games » O que não teremos no Mass Effect Legendary Edition

O que não teremos no Mass Effect Legendary Edition

Apesar de contar com algumas melhorias muito bem-vindas, o Mass Effect Legendary Edition deixará de lado várias coisas, incluindo multiplayer e um DLC

37 semanas atrás

Para a alegria dos fãs da série Mass Effect, a BioWare divulgou maiores detalhes sobre a Legendary Edition, versão que trará para o PC, PlayStation 4 e Xbox One (além dos sucessores destes consoles, via retrocompatibilidade) a trilogia que marcou a sétima geração. Porém, apesar da coletânea contar com diversas melhorias que já são esperadas neste tipo de relançamentos, haverá algumas ausências que serão sentidas por muita gente.

Mass Effect Legendary Edition

Crédito: Divulgação/BioWare

Mas antes de falarmos sobre o que ficará de fora no Mass Effect Legendary Edition, vale fazer um resumo sobre as vantagens de encarar as novas versões de tais jogos. Para começar, eles estarão disponíveis em 4K, com suporte a HDR e rodando a 60 FPS — desde que você jogue no PC, PlayStation 4 Pro, PS5, Xbox One X ou Xbox Series X|S.

A BioWare também utilizou inteligência artificial para aumentar em no mínimo quatro vezes a resolução das texturas, sendo que tanto no Mass Effect quanto no Mass Effect 2 será possível ver retoques manuais em quase todos os personagens, armas e armaduras. Também podemos esperar melhores efeitos de fumaça, iluminação, anti-aliasing, profundidade de campo, oclusão de ambiente e bloom em todos os capítulos.

Além disso, o Mass Effect Legendary Edition trará 40 conteúdos adicionais que foram lançados ao longo dos anos, o que inclui diversos conjuntos de armas, roupas, armaduras e é claro, muitas histórias que ajudam a incrementar o fantástico universo da série. Para quem gosta de ter muito o que fazer, esta coletânea será suficiente para nos manter entretidos por mais de uma centena de horas, mas apesar dela contar com quase todos os DLCs criados para a trilogia, haverá um que não retornará e assim chegamos ao foco deste artigo:

O DLC Pinnacle Station

Tendo sido o segundo DLC lançado para o primeiro Mass Effect, ele adicionava uma estação de treinamento ao jogo e nela podíamos participar de 13 cenários de batalha. Ainda disponível para PC e Xbox 360, este conteúdo foi desenvolvido externamente, pela Demiurge Studios e infelizmente os responsáveis pela sua criação perderam o código fonte. Embora tenha havido uma tentativa de recuperar alguns backups que existiam, os dados estavam inutilizáveis e por isso seria necessário criá-lo do zero.

Um primeiro Mass Effect tão datado

Provavelmente a mudança mais significativa presente em todo o Mass Effect Legendary Edition, o fato é que se você acha que o primeiro jogo não envelheceu muito bem, saiba que a BioWare tratou de adequá-lo a um estilo mais próximo do que tivemos nas duas continuações. Isso significa um sistema de mira mais suave; a possibilidade de nos movermos para os lados enquanto a mira permanece travada no inimigo; um botão dedicado para golpes físicos; o fim da restrição de armas baseadas em classes; e uma melhor inteligência artificial para o sistema de cobertura, tanto para os nossos companheiros, quanto para os inimigos.

A desenvolvedora também prometeu mudanças para o sistema de inventário, além de uma interface mais limpa e um esquema de controles que se assemelha ao do Mass Effect 2. Outra boa notícia é que a inteligência artificial dos nossos companheiros deverá reagir melhor aos comandos que lhes dermos, sendo que os inimigos usarão estratégias mais variadas durante os combates.

Segundo a BioWare, as melhorias ainda passarão por um Mako mais fácil de guiar; batalhas mais interessantes contra chefes; um sistema de auto-save mais consistente; e um aperfeiçoado sistema de espera para a utilização de itens de cura. Ou seja, eles dedicaram um bom esforço para fazer com que no Mass Effect Legendary Edition a experiência ao encararmos os três capítulos seja mais uniforme.

Crédito: Divulgação/BioWare

Multiplayer

Uma das novidades presentes no Mass Effect 3 foi um modo multiplayer onde até quatro pessoas precisavam encarar hordas de inimigos. Sendo um dos grandes responsáveis pelo sucesso do jogo, ele também nos ajudava a elevar a “prontidão” da galáxia, um sistema em que o jogador usava para preparar a campanha para o seu final.

Porém, a equipe responsável pelo relançamento logo percebeu que seria necessário muito trabalho para incluir o modo no Mass Effect Legendary Edition e quem falou um pouco sobre a decisão de retirar o multiplayer foi o diretor do projeto, Mac Walters:

Acho que as pessoas subestimam o que é fazer este jogo, porque — a cada passo — nos é dado uma agonizante escolha de ‘é nesta coisa que queremos gastar nosso tempo e realmente tentar melhorá-la’ e ‘para onde isso nos levará?’

Sinto fortemente que escolhemos as coisas pelas quais a maioria dos nossos fãs são mais apaixonados. Em relação ao multiplayer, foi simplesmente muito difícil. Fazer com que todos os sistemas online funcionassem seria outra grande tarefa, mas ao mesmo tempo há várias outras logísticas envolvidas. A economia é construída completamente diferente. A questão surgiu como, ‘nós prestaremos suporte após o lançamento? E quanto as pessoas que ainda jogam o multiplayer hoje em dia? Tentaremos encontrar uma maneira de oferecer partidas entre o PS3 e o PS4?’

Sendo assim, todo o sistema de “prontidão” teve que ser rebalanceado e a ideia da BioWare é permitir que caso a pessoa inicie uma campanha no primeiro jogo, até chegar ao final do terceiro ela tenha influência suficiente para conseguir o melhor final da trilogia. Já para aqueles que preferirem jogar apenas a partir do Mass Effect 3, também será possível ter o melhor desfecho, mas para isso será preciso realizar todas as tarefas propostas pela história.

Longos “passeios” de elevador

Quem jogou o primeiro Mass Effect deve ter várias lembranças de momentos fantásticos passados dentro daquele universo, mas convenhamos, nem tudo era assim... tão agradável. Uma das partes mais chatas do jogo era quando precisávamos nos locomover entre as áreas da Citadel, já que enquanto elas eram carregadas, precisávamos esperar um bom tempo dentro de elevadores.

A BioWare tentou amenizar o problema incluindo alguns diálogos entre os membros do nosso grupo e embora alguns deles fossem bem interessantes e até engraçados, muitas vezes só queríamos poder seguir o nosso caminho sem tanta demora. A boa notícia é que esta remasterização contará com as disfarçadas telas de carregamento sendo muito mais rápidas, não passando de poucos segundos.

Contudo, o estúdio não queria desperdiçar as conversas, então a solução foi permitir que o jogador escolha entre continuar no elevador para ouvir os diálogos até o fim, ou simplesmente pular a cena assim que o carregamento tiver terminado. É claro que tudo dependerá do dispositivo onde o jogo estiver armazenado, portanto quem instalar o jogo num SSD no PC ou encará-lo num PS5 ou Xbox Series S|X terá vantagem.

Localização (?)

É verdade que, exceto pelo Mass Effect: Andromeda, a série nunca recebeu localização para o nosso idioma, mas quando a BioWare anunciou que estava trabalhando em um relançamento, muitos brasileiros passaram a torcer para que esta situação mudasse. Embora ainda não tenhamos uma posição oficial por parte da Electronic Arts quanto a isso, infelizmente há um forte indício de que não será desta vez que poderemos experimentar a saga do Comandante Sheppard em português.

Ao darmos uma olhada na página do jogo no Steam ou no Origin, na área de idiomas de ambas as lojas é possível notar a ausência da nossa língua e a menos que tenha havido algum erro na hora da publicação ou que a editora mude de ideia até o lançamento do Mass Effect Legendary Edition (14/5), é muito provável que seremos novamente esquecidos. Lamentável!

O jogo propriamente dito (eu explico)

Uma ótima notícia para aqueles que gostam de adquirir edições de colecionador é que esta remasterização contará com uma, e que ela é muito interessante. Pelo preço de US$ 150, quem adquirir esta belezinha levará um pino giratório com os ícones de moralidade; uma carta de aceitação ao N7; duas pinturas; um belíssimo capacete em tamanho real e uma caixa de metal para guardar "o disco do jogo".

O problema é que por mais bacana que esta edição seja, ela simplesmente não virá com o jogo. Sim, mesmo com um steelbook que ficaria lindo na prateleira de qualquer um, é triste saber que ainda teremos que adquirir a coletânea separadamente.

Tudo bem, eu posso entender que hoje em dia muitos prefiram versões digitais dos games, mas se você está vendendo uma edição para colecionadores, acho que no mínimo ela deveria vir com um código para download do game.

Crédito: Divulgação/BioWare

relacionados


Comentários