Meio Bit » Mobile » O mundo estaria pronto para um iPhone sem portas?

O mundo estaria pronto para um iPhone sem portas?

Especialistas voltam a afirmar que um iPhone sem nenhum tipo de porta está a caminho, mas celulares assim seriam práticos?

33 semanas atrás

A discussão sobre celulares sem portas voltou à baila recentemente. Em 2020, uma patente assegurada pela Apple descrevia um modelo de iPhone completamente blindado, que abriria mão de qualquer tipo de porta ou botões físicos. Os rumores e palpites apontam para a linha iPhone 13, que será revelada em 2021, mas não há nenhum dado concreto que aponte com certeza para isso.

Próximos iPhones podem não ter porta alguma (Crédito: Divulgação/Apple) / iphone

Próximos iPhones podem não ter porta alguma (Crédito: Divulgação/Apple)

Os primeiros chutes em torno de um iPhone sem bordas datam de 2019, quando o analista especializado na Apple e palpiteiro profissional Ming-Chi Kuo afirmou que a companhia faria a migração neste ano, inicialmente apenas no modelo de ponta, o iPhone 13 Pro Max. Outros, no entanto, afirmaram que a mudança será aplicada na linha inteira.

As previsões ganharam certo respaldo quando a maçã assegurou uma patente em 2020, detalhando os pormenores do dito celular blindado. Este iPhone teria um revestimento de vidro de ponta a ponta, e se livraria de qualquer tipo de entrada ou saída física, como a porta Lightning, alto falantes e furos para microfones. Cogita-se que a tela seria responsável tanto para transmitir quanto para captar sons, usando a tecnologia de transmissores e receptores piezoelétricos que a LG já empregou em seus celulares de ponta.

Os botões físicos também seriam removidos e substituídos por controles em tela, que se estenderiam para as bordas a mostrariam informações contextuais, similar aos celulares de ponta da Samsung, que curiosamente não focam tanto em displays curvos. A ausência da porta Lightning, por sua vez, faria com que o iPhone 13 dependesse completamente de carregamento por indução, além de ser capaz de enviar arquivos e fotos apenas via Wi-Fi ou AirDrop, no caso de iPads, Macs e outros dispositivos da Apple.

O uso de acessórios com o iPhone ficaria restrito a dispositivos Bluetooth, como os fones da linha AirPods, e os itens que viriam na caixa se limitariam apenas ao celular, já que o cabo USB/Lighting não teria mais utilidade e o carregador por indução seria obviamente vendido à parte, como os de parede já o são hoje. Por fim, o aparelho usaria exclusivamente o chip virtual eSIM para conexão de dados, que segundo informes, será 5G.

Desnecessário dizer que um movimento positivo da Apple em abraçar um modelo completamente sem portas seria replicado pelos principais fabricantes de celulares Android, num primeiro momento os modelos premium, como a linha Samsung Galaxy S. No entanto, a primeira empresa que tentou apostar neste design foi a chinesa Meizu com o Zero. Apresentado em janeiro de 2019, ele não traria nenhuma porta ou botão, e usaria sensores capacitivos nas laterais para os controles de volume.

O Meizu Zero não teria porta alguma (Crédito: Divulgação/Meizu) / iphone

O Meizu Zero não teria porta alguma (Crédito: Divulgação/Meizu)

O plano não deu muito certo: após um financiamento coletivo desastroso, o CEO da Meizu usou a carta do "foi brinks", alegando que o anúncio do Zero foi uma trapalhada do departamento de marketing da companhia. Ainda assim, há algumas vantagens, como uma completa blindagem contra poeira e água, viabilizando seu uso debaixo d'água por longos períodos.

Claro que há alguns problemas, sendo o principal a "morte" do iPhone. Quando um dispositivo da Apple sofre uma falha catastrófica e trava, é possível forçar a reinicialização conectando-o fisicamente a um PC ou Mac, ou apertando uma combinação específica dos botões físicos. Sem nada disso, qualquer defeito do tipo significaria uma visita à Apple Store ou assistência autorizada mais próxima, e dependendo do caso, pagar muito pelo reparo, se o bug for considerado mau uso (provavelmente seria).

A Apple, claro, está ciente deste problema e estuda soluções, que envolvem modos de recuperação pela internet ou via Bluetooth, com um Mac ou PC envianddo arquivos necessários ao gadget problemático, mas é importante lembrar que estes são tão rumores quanto a existência do iPhone sem portas em si.

Outro problema é a velocidade de carregamento sem fio. Por mais que Cupertino possua uma patente para um método mais veloz, ele ainda será menos eficiente e mais lento do que o tradicional via cabo. Quanto a isso não há muito o que fazer, ainda mais se todos os fabricantes imitarem o suposto futuro iPhone blindado.

O mais provável é que a Apple esteja considerando a sério um celular sem portas como a próxima inovação do setor de telefonia móvel, que carece de novidades realmente significantes a alguns anos. Porém, não dá para afirmar com certeza que veremos este design já em 2021, ou se ele será reservado ou não apenas ao modelo mais caro da linha.

A única certeza é que a concorrência irá apontar dedos e tirar o sarro da maçã num primeiro momento, para na sequência copiar o design e fazer igual. Vide o que aconteceu com a retirada dos carregadores das caixas dos celulares.

Fonte: Phone Arena

Leia mais sobre: , , .

relacionados


Comentários