Meio Bit » Games » Conseguirá a EA combater o racismo na série FIFA?

Conseguirá a EA combater o racismo na série FIFA?

Após site denunciar o ambiente tóxico que é o modo Pro Clubs do FIFA 21, EA diz que lançará ferramenta para combater jogadores que propagam o racismo

27 semanas atrás

Quem costuma jogar online sabe o quanto esse ambiente pode ser tóxico. São pessoas xingando umas às outras, fazendo ameaças e/ou proferindo as mais absurdas ideias, o que obviamente prejudica muito a diversão dos demais e torna um inferno a vida daqueles que precisam manter o ecossistema das suas criações o mais limpo possível. Tal problema tende a atingir todos os jogos, mas o título que acaba de ganhar as manchetes por estar sendo utilizado para disseminar o racismo é o FIFA 21.

FIFA 21 - No room for racism

Crédito: Divulgação/EA Sports

Embora o modo mais popular do jogo da Electronic Arts seja o FUT (FIFA Ultimate Team), desta vez as atenções se voltaram para o Pro Clubs. Nele os jogadores precisam criar atletas virtuais que os representarão em campo, com as partidas colocando 22 pessoas para participar. O problema estaria na liberdade que o jogo nos dá, com alguns fazendo com que o narrador chame suas criações de termos ofensivos como negro (usando o sobrenome de alguns jogadores reais) ou Khune (usando o goleiro sul-africano do Kaizer Chiefs F.C., Itumeleng Khune), todos presentes em uma lista.

As ofensas também podem ser vistas nos nomes dados às equipes que disputarão tal modo e até mesmo em caricaturas feitas com os rostos dos jogadores virtuais. O que torna o caso ainda pior é o fato de que situações como estas têm sido vistas desde 2008, quando o FIFA 09 recebeu a primeira versão do Pro Clubs e desde então a EA tem recebido várias denúncias de racismo.

Sabendo da existência do problema, o site Eurogamer decidiu realizar uma investigação e o que eles encontraram sobre o caso é um show de horrores. De clubes nomeados em homenagem a grupos de extrema direita — como a The English Defence League — a atletas virtuais com meras variações de nomes de famosos assassinos em massa, pedófilos e racistas, os relatos sobre o Pro Clubs são suficientes para deixar muitas pessoas indignadas.

De acordo com um jogador que encara o modo regularmente e que pediu para não ser identificado por medo de como seria tratado pela comunidade do FIFA, esta é uma prática comum e que existe desde que ele foi criado, mas que ultimamente tem se mostrado mais frequente. Ele afirma que durante uma sessão de 90 minutos no Pro Clubs no final de fevereiro, encontrou um time com cinco jogadoras com nomes ofensivos, além de quatro equipes com nomes racistas.

Hoje a forma de realizar uma denúncia no FIFA 21 é algo um tanto burocrática, mas ao ser procurada pelo autor do artigo, a EA revelou que uma nova ferramenta deverá começar a ser utilizada em breve e a esperança é que isso facilite o processo e consequentemente ajude a reduzir o número de casos.

Seguindo a nossa Cartilha de Jogo Positivo, as nossas equipes estão focadas em melhorar as ferramentas in-game de denúncia e moderação, junto com a habilidade dos jogadores comunicarem qualquer conteúdo ofensivo em ea.com/report. Isso ajuda a garantir que quando as pessoas não jogam dentro das regras, haverá canais de fácil acesso para comunicar jogadores problemáticos ou conteúdo inapropriado.

Nós levamos a sério todas as denúncias e agimos regularmente contra as nossas descobertas. Desde o lançamento do FIFA 21, banimos mais de 9.000 contas e emitimos mais de 25.000 avisos ou suspensões como resultado de conteúdo inapropriado ou ofensivo. Estamos comprometidos com o avanço contínuo de nossas ferramentas e soluções para enfrentar novos desafios, incluindo monitoramento mais inteligente e tecnologia de mitigação que será lançada nos próximos meses."

Talvez seja o meu pessimismo falando mais alto aqui, mas confesso que não consigo ver como a EA conseguirá nos livrar deste problema tão sério. Por mais que a empresa se esforce para combater essas pessoas, elas sempre encontrarão uma maneira de destilar seu ódio, seja contra outras raças, orientações sexuais ou religiões — o que é importante salientar, não é exclusividade do FIFA, de outro jogo criado por eles ou por qualquer outra empresa.

No entanto, considero emblemático ver que um simulador de futebol costuma ser utilizado por um bando de imbecis como plataforma para que possam expor seu ódio. Este é um esporte onde muitas pessoas acham que tudo é permitido, que qualquer ofensa pode ser deferida pois está dentro de um contexto e que ao se esconderem atrás das cores do seu clube de coração, passam automaticamente a ter o direito de cometer os mais variados crimes.

Se pensarmos bem, tanto o futebol quanto os jogos online não passam de um microcosmo da sociedade em que vivemos, com as pessoas tendo a falsa ilusão de que ambos são terra de ninguém. Portanto, quando unimos esses dois vespeiros, infelizmente não há como esperar algo muito melhor do que uma chuva de intolerância, violência e estupidez.

Eu só posso desejar sorte ao pessoal da EA e a todos que se arriscam pelas porções online de seus jogos. Quanto a mim? Prefiro manter minha sanidade e por isso continuarei por aqui tentando levar algum pequeno clube aleatório à elite do seu país ou disputando partidas apenas contra amigos.

Fonte: GamesIndustry

relacionados


Comentários