Meio Bit » Games » Epic Games e a guerra milionária com o Steam

Epic Games e a guerra milionária com o Steam

Para tentar conquistar um pedaço do mercado do Steam, só em 2020 a Epic Games gastou mais de US$ 400 milhões para ter jogos exclusivos na sua loja

28 semanas atrás

Não se faz uma guerra sem uma boa dose de polêmicas e muito, mas muito dinheiro e quando a Epic Games decidiu bater de frente com o maior serviço de distribuição digital de games do planeta, a empresa sabia que precisaria recorrer às duas coisas. As controvérsias em relação a estratégia da empresa sempre foram bem conhecidas, mas só agora temos uma melhor noção de quanto eles tem investido para tentar fazer a loja crescer.

Epic Games

Crédito: Reprodução/Epic Games

De acordo com uma reportagem publicada pelo site PCGamer, na sua ânsia por conquistar títulos exclusivos para a loja, só em 2020 a Epic Games teria comprometido cerca de US$ 444 milhões em “garantias mínimas”. O valor seria a soma da quantia a que cada editora tem direito ao manter seus jogos por um ano apenas na loja, garantindo assim que eles lucrem mesmo se as vendas não forem muito boas.

Estes valores são acertados individualmente e raramente divulgados, mas no caso do Control sabemos quanto custou à Epic Games Store (EGS) ter a sua exclusividade: US$ 10,45 milhões(!). Deste montante, 55% (ou US$ 5,75 milhões) ficaram com a desenvolvedora, a Remedy Entertainment; enquanto o restante foi para os cofres da editora, a 505 Games.

Voltando aos gastos realizados pela Epic, o valor estaria muito longe de ser recuperado, pois mesmo com a informação de que US$ 700 milhões foram arrecadados pela loja em 2020, apenas US$ 265 milhões deles vieram de compras feitas pelos usuários em jogos publicados por terceiros. Assim, estima-se que pelo menos US$ 330 milhões do valor gasto com exclusividades não serão recuperados e se a previsão estiver correta, até o final deste ano eles terão perdido pouco menos de US$ 600 milhões, com a loja passando a dar lucro apenas em 2027.

Tais números foram obtidos graças à batalha judicial que está sendo travada entre a Epic Games e a Apple, com as projeções fazendo parte da estratégia de defesa da companhia de Cupertino. Segundo os advogados, a tentativa da Epic de se desvincular da App Store fará com que eles percam toda a segurança financeira oferecida pelo ecossistema iOS, dinheiro este que tem ajudado a financiar a aposta na EGS.

A afirmação por parte da Apple faz algum sentido, afinal foi graças ao sucesso do Fortnite que a Epic Games conseguiu fazer um belo caixa. Porém, de acordo com a companhia sediada na Carolina do Norte, a maior parte da receita oriunda do battle royale é gerada em outras plataformas, então a sua ausência nos dispositivos iOS não seria tão sentida.

A EGS ainda não é lucrativa na escala e estágio de desenvolvimento atual porque aumentou seus custos com marketing e aquisição de usuários para ganhar participação de mercado,” diz a defesa da Epic, citando o CEO da empresa, Tim Sweeney.

O executivo também fez questão de tornar pública esta despreocupação por parte da Epic Games. Ao responder uma mensagem publicada pelo site IGN, ele confirmou os dados divulgados pela Apple e disse que eles “provaram ser um sucesso fantástico em alcançar os jogadores com ótimos jogos e um fantástico investimento no crescimento dos negócios!

Segundo o gráfico divulgado por Sweeney, a EGS ultrapassou a marca de 160 milhões de usuários, sendo 56 milhões ativos mensalmente. Parte disso certamente está relacionado aos 103 jogos dados pela loja, o que no total significaria US$ 2,407. Ao todo, mais de 749 milhões de cópias desses títulos foram reivindicadas.

Crédito: Reprodução/Tim Sweeney

Ou seja, se na maioria das empresas uma perda deste tamanho seria considerada uma catástrofe, no caso da Epic Games as centenas de milhões gastas para garantir exclusividades temporários tem sido visto como um mero investimento. É claro que essa tranquilidade demonstrada pela empresa está escorada numa máquina de fazer dinheiro chamada Fortnite e como o sucesso do jogo não dá o menor sinal de arrefecimento, eles ainda deverão poder queimar alguns milhões de dólares por um bom tempo.

Além disso, estamos falando de uma gigante com valor estimado acima de US$ 17 bilhões, mas sabemos muito bem que esta torneira não poderá ficar aberta para sempre. Mesmo com uma postura agressiva e com a previsão interna de que a loja passará a dar lucro já em 2023, não tenho dúvida de que muita gente nos escritórios da Epic Games deve estar morrendo de medo de esta investida no mercado de distribuição digital não dar certo.

relacionados


Comentários