Meio Bit » Games » FIFA 21, um jovem assassinado e uma bela campanha de conscientização

FIFA 21, um jovem assassinado e uma bela campanha de conscientização

Para alertar as pessoas sobre os crimes com facas, a EA adicionará ao FIFA 21 um rapaz que foi assassinado há 15 anos, enquanto tentava separar uma briga

10 semanas atrás

Algo que se tornou relativamente comum na série FIFA é a remoção das versões virtuais de atletas que faleceram. Seja em nome da imersão, em respeito à pessoa ou mesmo para não ser acusada de estar se beneficiando da situação, isso aconteceu após Emiliano Sala ter sido vítima de um acidente de avião ou da morte de Santiago Garcia. Contudo, esta semana a EA Sport tomou o caminho inverso.

Kiyan Prince - FIFA 21

Kiyan Prince no FIFA 21 (Crédito: Divulgação/EA Sports)

Mas antes de chegar a novidade anunciada pelo estúdio, precisamos voltar um pouco no tempo para contar a história de um garoto inglês chamado Kiyan Prince, que como qualquer pessoa na sua idade, tinha planos grandiosos para o futuro. Jogando nas categorias de base do Queen’s Park Rangers, ele tinha o sonho de se tornar um atleta profissional e de acordo com o seu pai, o ex-lutador de boxe Mark Prince, o moleque era muito dedicado e talentoso, tendo potencial para se tornar um jogador profissional.

Tudo mudou em 2006, quando com apenas 15 anos, Kiyan decidiu separar uma briga na escola e foi esfaqueado por Hannad Hasan. O golpe no peito foi fatal e a partir daquele momento, a vida do seu pai passou a ser dedicada a combater crimes cometidos com armas brancas e a cultura de gangues. Ele fundou a Kiyan Prince Foundation e graças ao seu esforço, hoje na Inglaterra apenas pessoas com mais de 18 anos podem comprar uma faca legalmente.

Uma década e meia depois, valendo-se da técnica de deep fake, da habilidade dos ilustradores de uma empresa de efeitos especiais chamada Framestore, do conhecimento de cientistas da University of Bradford e da colaboração da família, quem disputar a próxima temporada no FIFA 21 e escolher o QPR terá a oportunidade de controlar uma versão virtual de Kiyan Prince, que no jogo estará com 30 anos. Mark disse esperar que, ao permitir que seu filho jogue a Premier League, acabe inspirando outras pessoas a não desistirem de seus sonhos.

Eu desmoronei quando vi o personagem do Kiyan no jogo pela primeira vez. Através desta campanha, minha esperança é de que o mundo finalmente tenha um vislumbre do incrível potencial do Kiyan. Quisemos homenagear seu talento e com sorte, poderemos inspirar outras crianças a honrarem seus talentos também.

Quero que o meu filho seja lembrado não pela tragédia da sua morte, mas pelo triunfo das suas conquistas. A vida do Kiyan foi incrível, sempre abençoada, sempre trabalhando duro e sendo dedicado, por isso outros jovens deveriam conhecer este jovem rapaz. Ele merece estar no jogo.

Já para o diretor de futebol do Queen’s Park Rangers, Les Ferdinand,a inclusão de Kyian no jogo da EA pode significar uma mensagem muito importante para as pessoas mais novas. Segundo ele, “se uma pessoa jogar o FIFA 21, puder olhar para isso e abaixar uma faca, este é o importante legado que buscamos. A maioria desses caras, desta geração, joga FIFA, eles verão o Kyian e se isso puder mudar apenas uma mentalidade, então será benéfico.

Alguns podem interpretar essas declarações como um certo exagero, mas ao pensar na maneira como muitas pessoas encaram os jogadores de futebol como modelos, isso me faz acreditar que tanto os atletas quanto os clubes possuem uma responsabilidade social muito maior do que realmente é posta em prática. É óbvio que não será por causa desta ação que acabará a violência entre jovens, mas isso não quer dizer que o pai de Kiyan, o QPR e a EA Sports não mereçam elogios pela iniciativa.

Enquanto isso, Mark Prince seguirá na sua missão de tentar conscientizar os jovens, realizando palestras onde conta a história do seu filho e explicando como atitudes inconsequentes podem afetar a vida de muita gente. Felizmente agora ele terá um novo capítulo para adicionar às suas apresentações, um que só foi possível graças à capacidade que os videogames possuem de servir para muito mais do que apenas uma simples forma de entretenimento.

Fonte: Video Games Chronicles

Leia mais sobre: , .

relacionados


Comentários