Meio Bit » Games » Os 10 robôs mais inesquecíveis dos games

Os 10 robôs mais inesquecíveis dos games

Eles foram criados para nos servir, mas nem sempre isso foi cumprido. Aqui lembramos como um robô pode fazer a história de um jogo se tornar ainda melhor

18 semanas atrás

No mundo do faz de conta, a utilização de robôs é algo que costuma facilitar muito o ato de conquistar as pessoas. Nós sempre fomos fascinados pela ideia de seres criados pelo homem e seja utilizado-os para o bem, seja como vilões, os roteiristas sabem que adicionar um robô ao enredo de um jogo pode tornar a história muito mais interessante e por isso tornou-se comum vermos títulos que se se arriscam por esta área da ficção científica.

jogo de robô

Crédito: Divulgação/Capcom

Alguns podem contar com uma aparência mais bonitinha, outros são dignos de aterrorizar com seus visuais imponentes, mas o ponto em comum entre eles é a uma avançada inteligência artificial que, na maioria das vezes, faz com que esses autômatos ajam como seres vivos conscientes. Existe algo tão fascinante quanto assustador na ideia de seres cuja inteligência pode rivalizar (ou até superar) com a nossa e nos games este é um conceito que nos deu personagens muito legais.

Pensando nisso, nesta lista você encontrará uma seleção de robôs que considero entre os mais marcantes dos games, personagens que muitas vezes roubaram a cena e que vez ou outra até conseguiram se tornar mais interessantes que os protagonistas. Portanto, vamos a eles e aproveite os comentários para citar algum outro robô de um jogo que você goste.

BD-1 (Star Wars Jedi: Fallen Order)

Quando comecei a jogar o Jedi: Fallen Order e tive o primeiro contato com o BD-1, confesso que a impressão não foi das melhores. Tudo bem, ele pareceu engraçadinho, mas desconfiei que lá vinha algum roteirista querendo forçar a inclusão de um novo R2-D2, mas como eu estava errado. Ali estava um droid repleto de personalidade e que se tornaria uma fantástica companhia enquanto guiamos Cal Kestis em sua aventura.

Algo que ajuda a tornar este robô tão legal é como ele nos auxiliará durante o jogo, com as habilidades e ferramentas que adquire contribuindo muito para fazer com que o título se mostrasse um ótimo metroidvania.

Crédito: Divulgação/EA

Claptrap (Borderlands)

Para algumas pessoas o falante Claptrap pode ser bastante irritante, mas até elas concordarão que se há uma maneira de classificar este robô, é justamente como inesquecível. Destaque para o DLC Claptastic Voyage, que foi lançado para o Borderlands: The Pre-Sequel e que nos coloca para fazer uma viagem simulada pela mente deste tão entusiasmado robozinho.

Crédito: Divulgação/Gearbox

Clank (Ratchet & Clank)

Apesar do Ratchet ser o protagonista da série, não há a menor dúvida de que ela não teria a mesma graça se não existisse o seu companheiro de metal. Inteligente, engraçado e muito útil, Clank é o tipo de personagem que não está ali apenas para ocupar espaço, com o vínculo formado entre o robô e o lombax sendo um dos mais bacanas já vistos em um jogo.

Crédito: Divulgação/Insomniac Games

Wheatley (Portal 2)

Brilhantemente dublado pelo comediante Stephen Merchant, Wheatley é um robô esférico que nos acompanhará durante um bom tempo no jogo da Valve e que será responsável por tornar a aventura muito mais divertida. Mas além dos comentários ácidos feitos enquanto tentamos solucionar os quebra-cabeças do Portal 2, ele ainda será o centro de uma grande reviravolta no enredo, fazendo dele peça fundamental para a história.

A princípio eu tinha pensado em colocar a GlaDOS na lista, como ela está mais para uma inteligência artificial, acho que a escolha do Wheatley se encaixa melhor.

Crédito: Divulgação/Valve

Dog (Half-Life 2)

Muitas vezes os robôs que vemos nos jogos são seres humanóides com um temperamento psicótico, mas no caso do Half-Life 2, os roteiristas da Valve optaram por seguir um caminho diferente. Em determinado ponto da aventura encontraremos Dog, uma máquina que acompanha Alyx e que apesar de fisicamente não se parecer com um cachorro, é extremamente leal à moça e até um pouco brincalhão.

Crédito: Divulgação/Valve

Metal Sonic (Sonic CD)

Depois de falhar seguidas vezes na sua tentativa de derrotar o Sonic, Dr. Robotnik decidiu aproveitar as qualidades do ouriço e criar uma arma que fosse capaz de repetir seus movimentos e até mesmo superar algumas das suas qualidades. O resultado foi um robô que não se tornou apenas um dos maiores vilões do jogo Sonic CD, mas de toda a série, com ele chegando a se rebelar contra o seu criador para atingir o objetivo de superar sua contraparte.

jogo de robô

Crédito: Reprodução/Jonathan Truong/ArtStation

Mega Man

Possivelmente o personagem mais icônico desta lista, o robô azul criado por Akira Kitamura estrelou seu primeiro jogo em 1987 e desde então apareceu em mais de 50 títulos. Originalmente ele deveria ser apenas um assistente do Dr. Light e do Dr. Wily, mas quando este passou a utilizar seu conhecimento para fazer o mal, a máquina foi convertida para combate e saiu em missões para defender o planeta Terra.

Com o tempo a história da franquia foi se tornando mais complexa, mas o que viria a se tornar a marca registrada da série foi mesmo a principal característica do Mega Man, que é a possibilidade de absorver os poderes de outros robôs.

Legion (Mass Effect)

Projetados pelos quarians como uma rede de inteligência artificial e com o único objetivo de lhes servir, com o tempo os geths ganharam consciência e passaram a questionar sua existência. Preocupados com o rumo que aquilo estava tomando, os criadores tentaram exterminar os robôs, o que resultou numa enorme guerra e na fuga dos quarians.

Mas se no primeiro jogo da trilogia Mass Effect as máquinas são vistas mais como vilões, no segundo esta impressão muda após encontrarmos o Geth Platform 2A93, também conhecido como Legion, que passará a fazer parte da nossa equipe. Esta foi uma jogada de mestre dos roteiristas da BioWare, que além de terem criado um personagem fantástico, ainda nos fizeram pensar nos riscos envolvidos na criação de vidas artificiais.

jogo de robô

Crédito: Divulgação/BioWare

Robo (Chrono Trigger)

Poucos jogos possuem uma seleção de personagens tão fascinantes quanto o Chrono Trigger e entre eles, é claro que não poderia faltar um robô. Conhecido como Prometheus, ou simplesmente Robo, a primeira coisa que chama a nossa atenção é sua aparência steampunk, mas conforme a história se desenrola, logo percebemos se tratar de muito mais do que apenas um rostinho bonito, com a ingenuidade daquele robô sendo um dos pontos altos do jogo.

jogo de robô

Crédito: Reprodução/Square

KOS-MOS (Xenosaga)

Criado pela Vector Industries com o objetivo de combater uma entidade que ameaça a galáxia, KOS-MOS (de Kosmos Obey Strategical Multiple Operation System) é um androide com aparência feminina que apareceu no Xenosaga Episode I: Der Wille zur Macht e se tornou um dos personagens mais adorados da série. Alguns poderão dizer que a admiração por este robô se deve a sua aparência, mas a verdade é que tanto a sua personalidade quanto sua força certamente contribuíram para que ele conquistasse tantos fãs.

Crédito: Reprodução/MissNysha/DevianArt

Bônus: Jehuty (Zone of the Enders)

Aqui vou quebrar um pouco as regras, afinal a Jehuty não é exatamente um robô, mas sim uma máquina de guerra conhecida como Orbital Frame e que precisa ser pilotada por seres humanos. O que me levou a fazer esta inclusão na lista vai desde a aparência muito legal deste desta super arma, até a maneira como a sua inteligência artificial — A.D.A. — se comporta, eventualmente fazendo comentários filosóficos com aqueles que estão no comando.

Crédito: Divulgação/Konami

relacionados


Comentários