Meio Bit » Internet » Governo da Nigéria vai prender quem furar banimento do Twitter

Governo da Nigéria vai prender quem furar banimento do Twitter

Nigéria baniu Twitter após rede social deletar tweet do presidente Buhari; quem for pego usando o app poderá ser preso e processado

07/06/2021 às 10:15

Dois dias após o Twitter deletar uma postagem do presidente da Nigéria Muhammadu Buhari, no que foi entendido como uma ameaça de uma nova guerra civil contra separatistas da região sul do país, o governo suspendeu as atividades locais do app. Quem for pego tuitando poderá ser preso e processado.

Segundo o Ministério da Informação nigeriano, o Twitter tem "padrões duplos" e a operação do app "suporta atividades capazes de comprometer a existência corporativa" do país.

Twitter no iPhone (Crédito: Ronaldo Gogoni/Meio Bit)

Twitter no iPhone (Crédito: Ronaldo Gogoni/Meio Bit)

A ordem de processar e prender cidadãos que forem flagrados usando o Twitter partiu do ministro da Justiça Abubakar Malami, que também é o procurador-geral da Nigéria. O bloqueio da rede social foi aplicado na última sexta-feira (4), dois dias depois que a plataforma  apagou um tweet do presidente Buhari, em resposta a manifestações de cunho separatista por parte de membros do grupo étnico ibo (ou igbo), que se concentram na região sul da Nigéria.

A mensagem fazia menção indireta a um dos capítulos mais trágicos da história da África, a Guerra do Biafra, ou Guerra Civil da Nigéria. Entre julho de 1967 e janeiro de 1970, o país travou um conflito contra a região majoritariamente povoada por igbos (o 3º maior grupo étnico do país, que responde por 15,2% da população, dados de 2020) que havia declarado independência, como a República do Biafra. De modo a sufocar a rebelião, as tropas nigerianas impuseram um bloqueio continental e costeiro à região, onde nada podia entrar, nem suprimentos de emergência.

O conflito acabou com a supressão dos separatistas e o fim da República do Biafra. Entre 500 mil e 2 milhões de igbos morreram de fome e inanição, como consequência do bloqueio nigeriano, o que é considerado uma das maiores catástrofes humanitárias do século XX.

Corta para 2021: a região do Biafra ainda abriga movimentos de cunho separatista, algo que Buhari não pretende tolerar. No Twitter, o presidente publicou uma mensagem que muita gente entendeu como uma ameaça, a possibilidade de repetir o que aconteceu a mais de 50 anos:

O tweet deletado de Buhari (Crédito: Reprodução/Twitter)

O tweet deletado de Buhari (Crédito: Reprodução/Twitter)

"Muitos dos que estão se comportando mal hoje são jovens demais para terem noção da destruição e perda de vidas durante a Guerra Civil da Nigéria. Aqueles que passaram 30 meses nos campos, e que lutaram na guerra, irão tratar estes (os possíveis separatistas) na língua que eles (os que lutaram do lado nigeriano) entendem."

O texto é uma referência ao passado militar de Buhari, que serviu como major de brigada nigeriano durante a guerra civil. Para opositores do governo, o presidente deixou claro que qualquer nova tentativa de separar a região do Biafra da Nigéria será tratada como um  ato de guerra, sob a ameaça de repetir novamente todo o horror da primeira guerra civil.

A cúpula do Twitter também não gostou do tom de Buhari e exterminou a postagem, classificando-a como uma infração no que tange a conteúdo abusivo e propagação de ódio. Na sexta-feira, a rede social foi banida pelo governo, embora não haja a afirmação oficial de que foi uma resposta à deleção do tweet do presidente (todo mundo sabe que foi, de qualquer forma).

O bloqueio da rede social foi anunciado através do Twitter (ah, a ironia...), pela conta do Ministério da Informação e Cultura da Nigéria, apenas dois dias após o tweet de Nuhari ter sido apagado. Dois dias antes, durante uma conferência, o ministro Lai Mohammed havia criticado o Twitter, dizendo que a rede social praticava o "dois pesos, duas medidas" e questionou a real intenção da plataforma em operar no país, levantando a possibilidade de que a empresa de Jack Dorsey seria pró-Biafra.

Entre 500 mil e 2 milhões de civis igbos da região do Biafra morreram de fome e inanição durante a Guerra Civil da Nigéria (Crédito: Romano Cagnoni/Hulton Archive/Getty Images)

Entre 500 mil e 2 milhões de civis igbos da região do Biafra morreram de fome e inanição durante a Guerra Civil da Nigéria (Crédito: Romano Cagnoni/Hulton Archive/Getty Images)

A ordem de desabilitar o Twitter na Nigéria foi repassada para as operadoras de internet e telefonia locais, que são obrigadas a cumprir a solicitação. Já no sábado (5), o Ministério da Justiça endossou a aplicação da lei federal que proíbe o uso da rede social em território nacional, assim, quem tentar tuitar usando VPNs ou outros meios poderá ir em cana e processado.

Segundo o Dr. Umar Jibrilu Gwandu, porta-voz do ministério, a lei será aplicada tanto para civis quanto para empresas, e que "nenhuma liberdade (no caso, de expressão) é absoluta", como forma de justificar o banimento.

Em nota, o Twitter manifestou estar "profundamente preocupado" com o bloqueio de seus serviços na Nigéria, e que uma internet livre é "um direito humano essencial" na sociedade moderna. A empresa está buscando formas de voltar ao ar na região, mas não esclareceu se o fará de forma legal, dialogando com o governo nigeriano, ou se usará meios alternativos para tal fim.

Fonte: CNN

Leia mais sobre: , .

relacionados


Comentários