Meio Bit » Games » A nova era (?) dos jogos de plataforma cinematográficos

A nova era (?) dos jogos de plataforma cinematográficos

Com títulos como Replaced e Somerville, E3 2021 mostra que o mercado está abrindo espaço para os jogos de plataforma com temáticas mais maduras

14/06/2021 às 11:27

Recentemente, comecei a jogar um game chamado The Eternal Castle [REMASTERED] e conforme avançava por esta pseudorecriação*, uma certeza se intensificava na minha mente: o mundo precisa de mais jogos de plataforma cinematográficos! Títulos com uma jogabilidade 2D que seguissem o estilo de clássicos como Another World, Prince of Persia e Flashback, com seus mundos fantásticos e histórias mais maduras sendo contadas. No entanto, nunca entendi porque eles são tão raros.

Somerville - Jogos de plataforma cinematográficos

Somerville (Crédito: Divulgação/Jumpship)

Então, enquanto assistia a apresentação da Microsoft na edição deste ano da E3, fiquei bastante surpreso ao perceber que entre tantas produções de muito maior porte, dois jogos de plataforma cinematográficos foram mostrados pela fabricante do Xbox Series S|X. O primeiro deles está sendo desenvolvido pela Sad Cat Studios e atende pelo nome Replaced, com o seu enredo mostrando uma realidade alternativa nos anos 80, quatro décadas após o primeiro teste atômico realizado pelos Estados Unidos não ter dado muito certo.

Com uma pegada retrofuturista inspirada em filmes como Blade Runner 2049, Alien - O 8º Passageiro e Upgrade: Atualização, no jogo uma companhia tem explorado o comércio de órgãos humanos, mas conforme o número de “doadores” sofre uma queda, o número de pessoas desaparecidas começa a aumentar. No meio do caos que está se formando seremos R.E.A.C.H., uma inteligência artificial que acabou sendo aprisionada em um corpo humano contra a sua vontade

O enredo parece interessante, mas o que realmente se destaca em Replaced é a sua belíssima direção artística, com os efeitos de iluminação sobre os gráficos pixelados passando uma primeira impressão muito boa. Confira:

Depois foi a vez de sermos apresentados ao Somerville, jogo que está sendo desenvolvido pelo novo estúdio de Dino Patti, mais conhecido como o co-criador do Limbo e Inside. Para quem conhece os jogos de plataforma cinematográficos da Playdead, a influência deles nesta nova criação é evidente e por isso torna-se quase impossível não criarmos uma grande expectativa.

Sem que maiores detalhes sobre o seu enredo tenham sido revelados, o que sabemos por enquanto é que Somerville nos colocará em um cenário rural “no início de uma catástrofe e fundamentado nas repercussões íntimas de um conflito em larga escala, onde os jogadores navegarão através de perigosos terrenos enquanto revelam os mistérios dos visitantes da Terra.

Ao assistir o trailer que foi divulgado pelo pessoal da Jump Ship, o título me fez lembrar tanto do Inside quanto do filme A Chegada, o que parece um bom sinal. O único problema é que no jogo infelizmente não teremos a Amy Adams.

Ainda falando sobre jogos de plataforma cinematográficos, se pudermos ser um pouco flexíveis em relação aos critérios que fazem com que um título possa ser classificado assim, eu ainda citaria outros dois projetos muito interessantes que deram as caras na E3 2021, com o primeiro deles sendo o Far: Changing Tides. Continuação do excelente Far: Lone Sails, se ele seguir os passos do antecessor, será um jogo mais voltado para o enredo, sem apresentar um grande desafio (o que não acho que seja um demérito).

Mas desta vez, ao invés de pilotarmos uma mistura de locomotiva com barco, estaremos no comando de uma embarcação em um pós-apocalíptico planeta alagado. De acordo com o designer chefe Don Schmocker, a intenção dos profissionais do estúdio suíço Okomotive era contar uma história diferente, mas que fosse complementar ao primeiro jogo, fazendo com que ela parecesse familiar àqueles que experimentaram o Far: Lone Sails.

O outro anúncio que chamou minha atenção foi o Silt. Desenvolvido pela Spiral Circus, eu até acho que talvez ele nem possa ser chamado de jogo de plataforma, afinal seremos um mergulhador que precisa fugir dos horrores que habitam o fundo do mar. Ainda assim, é fácil olhar para o trailer do jogo e lembrar do Limbo, então acho que podemos colocá-lo no mesmo pacote.

E assim como naquele jogo em que controlamos o menino por um mundo preto-e-branco, tudo indica que em Silt também morreremos inúmeras vezes durante a progressão, com destaque para a habilidade que o protagonista tem de controlar criaturas marinhas para assim conseguir solucionar os quebra-cabeças.

Exceto pelo Far: Changing Tides, que deverá chegar às lojas ainda em 2021, a previsão é de que os demais sejam lançados em algum dia de 2022. No caso do Replaced e do Somerville, a boa notícia é que ambos serão disponibilizados aos assinantes do Xbox Game Pass já no primeiro dia.

E quando todos tiverem sido lançados, teremos então uma nova leva de jogos de plataforma cinematográficos e com um pouco de sorte, com eles abrindo as portas para que o catálogo deste subgênero se torne muito mais forte.

*Lançado em janeiro de 2019 para PC, The Eternal Castle [REMASTERED] foi divulgado como uma nova versão de um jogo que na verdade nunca existiu. Com um visual muito bonito que recria os gráficos da era CGA em 2-bit, ele consegue nos apresentar mundos fantásticos mesmo utilizando apenas quatro cores, com a movimentação realista dos personagens sendo a cereja do bolo.

Leia mais sobre: , .

relacionados


Comentários