Meio Bit » Games » Fatal Frame e o fim das exclusividades para o Wii U

Fatal Frame e o fim das exclusividades para o Wii U

Koei Tecmo anuncia relançamento do Fatal Frame: Maiden of Black Water para diversas plataformas e assim o Wii U perde um dos seus últimos grandes exclusivos

18 semanas atrás

A cada nova conferência realizada pela Nintendo, mais forte se torna a sensação de que no fim das contas o Wii U não passou de um delírio coletivo, uma grande ilusão no formato de um console que recebeu vários ótimos jogos, mas que tiveram seus potenciais de vendas fortemente prejudicados pela pequena base instalada. Sendo assim, não é de se estranhar que a lista de exclusivos para ele esteja minguando lentamente, com o último a saltar deste barco tendo sido o Fatal Frame: Maiden of Black Water.

Fatal Frame: Maiden of Black Water

Crédito: Divulgação/Koei Tecmo

Lançado no Japão em 2014 e tendo chegado ao ocidente um ano depois, Maiden of Black Water é o quinto capítulo da série Fatal Frame e novamente nos colocava para combater fantasmas utilizando a Camera Obscura. O título tinha como grande diferencial o fato de os jogadores terem que utilizar o GamePad do Wii U como a câmera, recurso que fez com que o produtor Keisuke Kikuchi e o diretor Makoto Shibata se interessassem em criar um jogo para o console.

Nele controlamos três personagens que precisarão tentar sobreviver aos fenômenos sobrenaturais que tem atormentado a fictícia região da Montanha Hikami, onde um dos objetivos seria eliminar uma poderosa força que tem corrompido os espíritos que estão ligados a uma sacerdotisa. Com grande parte da aventura se passando em terceira pessoa, a visão mudará apenas quando utilizarmos a misteriosa câmera e assim teremos que explorar lugares bastante assustadores.

Eis que tanto tempo após a chegada do Fatal Frame: Maiden of Black Water ao Wii U, a Nintendo aproveitou a edição deste ano da E3 para surpreender os fãs e revelar que o jogo sairá para o Switch. O interessante é que por se tratar de um título que lá atrás havia sido publicado pela Casa do Mario, inclusive com a empresa ainda mantendo os direitos sobre o Fatal Frame II: Crimson Butterfly e o Fatal Frame: Mask of the Lunar Eclipse, num primeiro momento imaginou-se que outras plataformas não o receberiam, mas a Koei Tecmo correu para confirmar que ele também será lançado para PlayStation 4, PlayStation 5, Xbox One, Xbox Series S|X e PC.

Crédito: Divulgação/Koei Tecmo

De acordo com a página da nova versão no site da Nintendo, ela “inclui visuais atualizados para corresponder aos últimos avanços de hardware — oferecendo uma experiência ainda mais aterrorizante e imersiva.” Além disso, ela contará com um inédito modo fotografia, onde poderemos ajustar as poses tanto dos protagonistas quanto dos fantasmas e ainda contaremos com uma nova coleção de roupas.

Resta saber como este Fatal Frame se comportará nas novas plataformas, afinal sua jogabilidade se escorava fortemente na utilização da segunda tela proporcionada pelo antigo console. Porém, o jogo ZumbiU foi um que fez esta transição e mesmo não contando com o detalhe que o tornava tão bacana, que era a necessidade de gerenciarmos os itens na mochila sem que a ação fosse interrompida, ele conseguiu entregar alguma diversão.

Com isso, o Wii U perde mais um dos seus exclusivos e para todos que não possuem o console, esta debandada deve estar sendo muito comemorada. Nos últimos anos vimos diversos títulos fazerem este caminho, entre eles o Pikmin 3, Mario Kart 8, New Super Mario Bros U, Hyrule Warriors, Super Mario 3D World e o Donkey Kong Country: Tropical Freeze, e não ficarei surpreso se o mesmo acontecer com os poucos que ainda permanecem disponíveis apenas para aquele videogame.

De acordo com esta página na Wikipédia, ainda existe 35 jogos que continuam sendo exclusivos do Wii U, mas entre eles eu destacaria apenas o Affordable Space Adventures, Kirby and the Rainbow Curse, Paper Mario: Color Splash, Star Fox Zero e o Xenoblade Chronicles X (embora os relançamentos do The Legend of Zelda: The Wind Waker HD e do Twilight Princess HD também seriam bem vindos). Vale notar que exceto pelo primeiro, todos os outros pertencem à Nintendo e fico me perguntando porque não há um maior interesse das empresas em investir nos relançamentos destes títulos.

Se esta perda de exclusividades continuará pelos próximos meses ou até anos, ainda não sabemos, mas se acontecer, acredito que todos poderão se beneficiar disso. As empresas por sua vez terão a oportunidade de alcançar um público muito maior, já os consumidores terão a oportunidade de conhecer títulos que ficaram limitados a uma pequena base instalada, afinal poucos foram tão loucos quanto eu e adquiriram um Wii U — aquisição que, mesmo tendo sido prejudicada pela pequena quantidade de títulos disponíveis, não me arrependo.

Leia mais sobre: , , .

relacionados


Comentários