Meio Bit » Games » O impacto de uma cachorra no desenvolvimento do Fallout 4

O impacto de uma cachorra no desenvolvimento do Fallout 4

Era uma vez uma pastora alemã que que entrou para a história dos games. Seu nome era River e foi ela quem serviu de inspiração para o Dogmeat, do Fallout 4

17 semanas atrás

Quando se trata do desenvolvimento de um jogo de grande porte, normalmente estamos falando de centenas de profissionais envolvidos, algumas mudanças ao longo do caminho e uma boa dose de crunch. Tudo isso aconteceu com a criação do Fallout 4, mas aquele jogo lançado pela Bethesda em 2015 também contou com a ajuda de uma figura importante na sua criação e o nome dela é River.

Fallout 4

Crédito: Divulgação/Bethesda

Quem já teve a oportunidade de explorar a Boston pós-apocalíptica presente naquele jogo certamente conhece o Dogmeat, um simpático pastor alemão que pode ser encontrado logo depois de sairmos da Vault 111. Sendo um companheiro valioso durante a nossa aventura, é fácil nos apegarmos àquele animal virtual, com ele nos ajudando durante os combates, coletando e carregando itens que encontramos pelos ermos e principalmente, servindo como companhia conforme avançamos pela campanha.

Mesmo assim, nem todos pararam para pensar de onde veio a inspiração para aquele personagem e a sua história só foi melhor contada agora, ao sabermos da morte da cachorra River. Através de uma sequência de publicações em sua conta no Twitter, quem detalhou a maneira como o seu animal de estimação influenciou o projeto foi o Joel Burgess, designer sênior do Fallout 4.

Lamentando a perda, ele revelou que a ideia de utilizar a River como modelo teve início quando a equipe passou a pesquisar cachorros “profissionais” em produtoras de filmes ou com adestramento policial. Foi então que um novo funcionário entrou para a “Equipe Dogmeat” e ao visitar sua mesa, o designer notou uma grande pesquisa colada nas paredes, com diversas fotos de pastores alemães rosnando, com os dentes cerrados e em posição de ataque, comportamentos que ele não notava em casa.

Aquela foi a deixa que Burgess precisava: alguns dias depois ele trouxe River para o estúdio e a levou a incontáveis reuniões. A sua intenção não era fazer com, que a cadela fosse manuseada, filmada ou servisse como referência para o que eles estavam criando, mas sim integrá-la à equipe, fazer com que as pessoas enxergassem o Dogmeat como um amigo e não apenas como “uma arma canina.

Crédito: Reprodução/Joel Burgess

A equipe [responsável pelo] Dogmeat era apenas um punhado de nós no início — conforme a River roubava nossos corações pelo estúdio, contudo, mais e mais pessoas encontraram maneiras de contribuir e ajudar trazendo sua personalidade para o jogo. Ela foi mais do que uma mascote ou uma inspiração — ela foi parte da equipe. Isso afetou tanto como o Dogmeat aparece no jogo final.

De acordo com o designer, dois fatores ajudaram muitos para que a River fosse fielmente retratada no Fallout 4: às suas marcações no pelo, o que facilitou a recriação das poses e das expressões faciais; e o seu temperamento paciente e gentil. Já em relação a maneira como a cachorra reagia num espaço aberto, logo no início ficou claro como ela preferia explorar, indo na frente de Joel Burgess durante as caminhadas, mas sempre parando para ver onde ele estava.

Aquilo teve uma influência muito forte na maneira como o Dogmeat é visto no jogo, fazendo com que o cachorro sempre pareça estar conectado ao nosso personagem e no vídeo abaixo é possível ver um pouco deste processo de estudo de movimentos e como a versão virtual possui um comportamento muito parecido com o da modelo.

Outros detalhes bacanas sobre o processo de criação diz respeito a captura de áudio, quando o designer era obrigado a ficar numa sala adjacente a River, para que assim ela não o visse, mas pudesse sentir seu cheiro — momentos estes que ele sempre achou dolorosos, mas que serviram para que capturassem a alegria da cachorra quando se reencontravam. Já na coleta de itens, a velha mania que ela tinha de trazer grandes pedaços de madeira acabaram contribuindo para tornar tudo mais realista.

Por fim, Burgess ainda chamou a atenção para o fato de que durante um ataque o Dogmeat tende a manter o inimigo num lugar, com os danos diretos e as finalizações sendo um comportamento secundário, algo bem diferente do que vemos em outros companheiros que encontramos durante o jogo e que foi diretamente inspirado na raça da River. Segundo ele, isso reforça a ideia de que o cachorro está ali mais para nos proteger, muitas vezes se colocando na frente do que estiver nos ameaçando para assim termos algum tempo para lidarmos com a situação. Em suas palavras, “se você já teve um pastor alemão, entende.

Em sua derradeira despedida à River, o game designer escreveu:

O Fallout 4 é sobre explorar um mundo com criaturas, lugares, cenários e personagens bizarros […] O estranho sobre o Dogmeat é que não há nada de estranho sobre o Dogmeat.

O Dogmeat é uma corda. Ele te mantém preso ao mundo, sempre estará ao seu lado, guiando-o para a sua família e antecipando suas necessidades. Ele quer estar seguro e feliz. Em outras palavras, ele te ama. E se o legado da River for o amor, eu estou contente.

Descanse em paz, garotona.

Felizmente ele teve a oportunidade de eternizar sua companheira da vida real, inclusive com ela tendo recebido o prêmio de melhor cachorro dado por uma rede de televisão. Mesmo assim, como alguém que possui uma Weimaraner com 14 anos e que portanto já está no fim de sua vida, já me preparo para o dia em que também terei que me despedir dela e sei o quanto doloroso este momento deve estar sendo para o Joel. Acho até que vou lá dar um abraço na minha Dakota. 😢

Leia mais sobre: , , .

relacionados


Comentários