Meio Bit » Engenharia » NASA testando robô Spot para procurar vida em Marte

NASA testando robô Spot para procurar vida em Marte

Apesar de Marte ser excelente para robôs com rodas, eles não funcionam em cavernas, mas a NASA quer resolver isso com o Spot!

12 semanas atrás

Spot é aquele cachorro-robô da Boston Dynamics, simpático e inofensivo, exceto pro pessoal de New York que acha que ele é basicamente um T-1000 disfarçado. Já a NASA acha que ele pode ser um excelente recurso para explorar cavernas marcianas.

Calma, o Spot é do bem. (Crédito: Boston Dynamics)

Uma vez eu estava conversando com um blogueiro cientista, não lembro se o Átila ou o Hotta, e comentei achar estranho a Evolução nunca ter inventado a roda, exceto no caso daquelas plantas que habitam faroestes. Coisas bem mais complexas foram inventadas pela Natureza, como a hélice, no caso dos flagelos de alguns organismos unicelulares, e há até uma espécie de insetos que usam ENGRENAGENS para saltar.

A resposta caiu como uma tonelada de tijolos com a cara do Carl Sagan. “Antes de evoluir a roda, a Natureza precisaria evoluir estradas”. E é verdade. Existem pouquíssimos ambientes naturais na Terra onde rodas são úteis. O melhor 4x4 gasta uma quantidade considerável de energia para atravessar terrenos que qualquer quadrúpede passa sem nenhum esforço.

Esse é um motivo para os andadores imperiais em Guerra nas Estrelas serem uma idéia idiota (pergunte aos Ewoks) e máquinas especializadas que usam pernas são raras, não costumam passar da fase de protótipo e quando passam, ninguém compra.

Ironicamente Marte é o planeta ideal para... rodas. A geologia do planeta criou imensas planícies, crateras com bordas suaves e terrenos que podem ser explorados por séculos por nada mais que um Land Rover pressurizado. E esse é um dos motivos dos robôs que mandamos para lá usarem rodas, ao invés de pernas ou esteiras.

Só que nem todo terreno, mesmo em Marte é ideal para rodas. Robôs pequenos são especialmente vulneráveis, e as futuras explorações de cavernas no fundo de crateras não poderão ser feitas com robôs de rodízios.

Isso é angustiante, pois nos tubos de lava, protegidos da radiação e do clima da superfície é aonde esperamos achar os últimos remanescentes da vida marciana. Que tipo de robô seria capaz de andar nesse terreno irregular, com autonomia para lidar com o terreno em tempo real, capaz de se erguer se perder o equilíbrio, e versátil o bastante para executar pesquisas científicas?

Cratera em Marte com afloramento de um possível tubo de lava (Crédito: NASA/HIRISE)

A NASA acha que é o Spot, da Boston Dynamics, ou ao menos um de seus descendentes.

Ele está sendo usado em um projeto piloto usando a tecnologia NeBula, do Jaboratório de Propulsão a Jato da Califórnia. É um conjunto de softwares de inteligência artificial que pretende dotar sondas e robôs de total autonomia, acabando com o microgerenciamento das missões atuais, onde cada passo é ensaiado e controlado de Terra.

O projeto está instalando um monte de sensores extras no Spot, que por sua vez foi entregue para o Projeto BRAILE (Biologic and Resource Analog investigations in Low Light Environments), um projeto que pesquisa cavernas e tubos de lava na Terra, atrás de sinais de vida, para aprender como fazer o mesmo em Marte e outros lugares.

Eles originalmente usavam um robô convencional, com rodas, mas o Spot assumiu o centro dos holofotes.

Com o NeBula o Spot passa a operar em grupo, vários robôs explorando o ambiente, criando mapas tridimensionais e compartilhando entre si as informações. Eles são capazes de identificar áreas perigosas, como regiões com água, e traçar rotas contornando esses obstáculos. Caso o sinal esteja começando a degradar, um robô pode comandar outro para posicionar naquele ponto um repetidor.

Como o Spot não é blindado contra radiação nem projetado para trabalhar em temperaturas extremas no quase vácuo de Marte, ele terá que ser reprojetado totalmente, mas mesmo que fique 10 vezes mais caro, US$750 mil, não chega nem perto dos US$2,5 bilhões da Curiosity ou dos US$80 milhões do mini-drone Ingenuity.

Será a NASA a salvação da Boston Dynamics? Eu consigo facilmente ver dezenas de Spots alegremente saltitando pela superfície de Marte, da Lua, Europa e outros satélites, como um V’Ger de quatro patas aprendendo tudo que for possível aprender e levando a informação para o Criador.

Leia mais sobre: , , , , , .

relacionados


Comentários