Meio Bit » Engenharia » Jeff Bezos tem protesto contra Starship rejeitado por governo dos EUA

Jeff Bezos tem protesto contra Starship rejeitado por governo dos EUA

Protesto de Jeff Bezos contra escolha da Starship pela NASA como único módulo lunar é rejeitado por Departamento de Contabilidade dos EUA

02/08/2021 às 9:47

Jeff Bezos não se deu bem desta vez. Depois de perder para a SpaceX a chance de construir um módulo lunar para o Programa Artemis, a Blue Origin entrou com um protesto no Departamento de Contabilidade do Governo dos EUA (US Government Accountability Office, ou GAO), na esperança de forçar a agência a fechar com mais de uma empresa.

No entanto, o departamento decidiu que as reclamações da Blue Origin e da Dynetics, que também entrou com um protesto, não procedem, e que a NASA tem autonomia para decidir, principalmente por não ter tanto dinheiro disponível para arcar com outro projeto além da Starship. E não, a Blue Origin ainda não desistiu.

Jeff Bezos em foto da edição 2017 da Allen & Company Sun Valley Conference (Crédito: Drew Angerer/Getty Images)

Jeff Bezos em foto da edição 2017 da Allen & Company Sun Valley Conference (Crédito: Drew Angerer/Getty Images)

Quando a NASA fechou o contrato de construção do módulo lunar com a SpaceX, que apresentou a Starship, um projeto muito além dos da Blue Origin e Dynetics, ambas concorrentes subiram nas tamancas. O argumento era de que a agência espacial estava favorecendo Elon Musk, e que o programa que visa o retorno dos EUA à Lua deveria contar com mais de um módulo, como "redundância".

O argumento em si não faz sentido, pois mesmo no programa Apollo, apenas uma empresa construía uma parte do foguete Saturn V, não haviam duas ou três companhias construindo o primeiro estágio, que era da Boeing, o terceiro, da McDonnell Douglas, ou os motores F-1 e J-2, da Rocketdyne.

O que Blue Origin e Dynetics estavam tentando era basicamente garantir uma boquinha na Lua, forçando a NASA e o governo a gastarem mais do que o orçamento permitia, e basicamente encher os bolsos com dinheiro dos contribuintes desperdiçado.

A NASA já vai ser obrigada a justificar o SLS de qualquer jeito, visto que o Congresso não está muito contente com o modelo geral de parceria público-privada fechada com SpaceX, e ainda prefere o padrão antigo, em que o governo controla tudo e determina quem constrói o que e onde.

Durante uma audiência no Congresso dos EUA, o diretor da NASA Bill Nelson deixou claro como cristal que a agência fechou com apenas com a SpaceX porque é o que ela pode pagar. A Starship possui uma capacidade de carga ordens de magnitude maior que o Dynetics HLS e o ILV da Blue Origin combinados, além de prover mais conforto para os astronautas.

Starship, Dynetics HLS e ILV da Blue Origin em escala, com humano para referência (Crédito: John MacNeill)

Starship, Dynetics HLS e ILV da Blue Origin em escala, com humano para referência (Crédito: John MacNeill)

O projeto original visa usar o foguete como uma nave de passageiros, mas como isso vai demorar, a Starship pode muito bem ser empregada hoje como um caminhão, atochado de experimentos e equipamentos. A nave como um todo é o módulo de pouso, no melhor estilo foguete de desenho animado, e pior, funciona direitinho.

Este é um dos maiores argumentos a favor da proposta da SpaceX, a Starship já é um modelo funcional e está voando, enquanto os concorrentes ainda não saíram do papel, além de serem mais tradicionais e bem mais caros. Mesmo assim, tanto a Dynetics quanto a Blue Origin entraram com protestos no GAO, na esperança de reverter a decisão, alegando que a agência seria obrigada a "cumprir com a palavra" de escolher pelo menos duas empresas, conforme anunciado.

Jeff Bezos inclusive fez lobby para garantir um aporte de mais US$ 10 bilhões, que não garantem a escolha de sua empresa, e até ofereceu trabalhar de graça pelos primeiros US$ 2 bilhões de custo, o que é um péssimo negócio para a NASA, que teria que bancar todo o resto sozinha.

O GAO tinha até esta segunda-feira (2) para responder aos protestos de ambas companhias, mas a decisão saiu na última sexta-feira (30). Para tristeza de Bezos e sda Dynetics, o departamento ratificou a decisão da NASA em fechar apenas com a SpaceX, e explicou o por quê.

Primeiro, o custo. O Dynetics HLS foi orçado custando o dobro da Starship, enquanto que a Blue Origin fechou um valor 4 vezes maior para o ILV, em comparação à proposta da companhia da Elon Musk. Dado o orçamento limitado, a agência se viu preferindo o que melhor se adequaria ao que ela poderia pagar, e a conclusão do GAO é de que simplesmente não há dinheiro para contratar outra empresa.

Detalhe do Integrated Lander Vehicle da Blue Origin (Crédito: Divulgação/Blue Origin)

Detalhe do Integrated Lander Vehicle da Blue Origin (Crédito: Divulgação/Blue Origin)

Segundo, o GAO explicou que a NASA tem total autonomia para decidir quem ela deveria contratar, e o anteriormente anunciado, de pelo menos duas companhias para o projeto do módulo lunar, não é uma regra talhada na pedra. Assim, a agência tem o direito garantido de fechar apenas com uma empresa, com duas, com todas as três, ou dispensar todas.

Terceiro, a acusação de que a NASA seria obrigada a submeter sua decisão aos demais concorrentes para discussão e avaliação, baseado no fato de não ter fundos para mais de uma empresa, não se sustenta, novamente porque a agência é soberana (é um órgão do governo, afinal) e não tem que dar satisfações.

Dessa forma, o departamento dispensou as reclamações da Dynetics e da Blue Origin. Ainda que ele tenha concordado com uma "possível discrepância" sobre o anúncio original da NASA e o resultado final, nenhuma das partes conseguiu provar que foi prejudicada ao serem preteridas.

Jeff Bezos, obviamente, não gostou. Em nota enviada ao canal CNBC, o porta-voz da Blue Origin disse que o GAO "não foi capaz de resolver os problemas fundamentais" referentes à decisão da NASA, "por conta de sua jurisdição limitada", e que vão continuar brigando para que a agência seja forçada a aprovar mais um módulo lunar.

Já a NASA disse que a decisão do departamento dá sinal verde para o retorno de um astronauta americano à Lua, com a missão Artemis II previamente agendada para 2023.

Fonte: Ars Technica

Leia mais sobre: , , , .

relacionados


Comentários