Meio Bit » Entretenimento » O documentário que promete dissecar o gênero FPS

O documentário que promete dissecar o gênero FPS

Gosta de jogos de tiro em primeira pessoa? Então fique de olho em FPS: First Person Shooter, documentário que busca ser o material definitivo sobre o gênero

05/08/2021 às 11:22

Enquanto os games sofrem para ter adaptações para o cinema que consigam agradar a maior parte dos fãs, quando se trata de documentários produzidos sobre a mídia o cenário é bem diferente. Com materiais muito bons surgindo nos últimos anos, aos poucos temos visto a história dos jogos eletrônicos sendo registrada em diversas produções e uma que deverá agradar os jogadores atende pelo nome FPS: First Person Shooter.

FPS: First Person Shooter

Crédito: Divulgação/CreatorVC

Após passar por uma campanha no Kickstarter e conseguir arrecadar mais de £ 113 mil, o projeto ganhou sinal verde e começou a ser produzido por um braço da CreatorVC, companhia que tem se especializado em criar documentários focados na indústria do entretenimento e que sejam financiados coletivamente. Com a expectativa de entregar mais de três horas de material, de acordo com os criadores o FPS: First Person Shooter estará recheado de depoimentos de profissionais que ajudaram a fazer com que este se tornasse um dos gêneros mais adorados pelos apaixonados por videogames.

Entre os confirmados a aparecerem no documentário estão John Romero e John Carmack (fundadores da id Software e criadores do clássico Doom); Jaime Griesemer (cocriador do Halo e Destiny); Bonnie Ross (responsável pela 343 Industries); Ed Fries (cofundador da divisão Xbox e ex-chefe do Microsoft Game Studios); Cliff Bleszinski (designer que participou da criação do Unreal, Unreal Tournament e Gears of War); Robin Walker (cocriador do Team Fortress e Half-Life 2); Scott Miller (cofundador da Apogee Software e da 3D Realms); Dave Oshry (diretor do Rise of the Triad); Randy Pitchford (cofundador da Gearbox Software) e muitos outros.

Também podemos esperar entrevistas com jogadores que se tornaram conhecidos no meio dos FPS, como Dennis “Thresh” Fong, chinês que é apontado como o primeiro jogador profissional da história e que ajudou a popularizar o sistema de controles WASD; ou Amy “Valkyrie” Brady, jogadora que contribuiu para abrir espaço para as garotas nos eSports com a Frag Dolls, equipe formada apenas por mulheres e que foi criada pela Ubisoft em 2004.

Crédito: Divulgação/id Software

Segundo a página do FPS: First Person Shooter, este “elenco de estrelas levará você a uma jornada desde o início primitivo do gênero nos anos 1970 até os dias atuais, explorando o impacto e o legado de uma ampla gama de clássicos que definiram o gênero — Wolfenstein 3D, Doom, Goldeneye, Half-Life, Halo, Call of Duty e muito mais — revelando segredos da indústria e favoritos pessoais em entrevistas envolventes que forneçam novos detalhes sobre seus jogos favoritos.

Se tudo correr conforme o planejado, este que pretende ser o documentário definitivo sobre os jogos de tiro em primeira pessoa deverá ser lançado no final de 2022, com o material abordando desde a tecnologia empregada na criação dos FPS, até a evolução da jogabilidade no geral, com o gênero adotando recursos como regeneração de saúde ou a utilização de duas armas ao mesmo tempo. Eles também pretendem falar sobre como tais jogos se tornaram tão comuns em cyber cafés, nas repúblicas estudantis e impulsionaram as lan parties, dando origem assim à cena de eSports.

Como alguém que já foi completamente apaixonado pelos jogos do estilo e que passou bons momentos em um pequeno clã dedicado a Day of Defeat, estou muito curioso para ver o conteúdo que será apresentado no FPS: First Person Shooter. Será interessante conhecer melhor como o gênero evoluiu ao longo dos anos e apesar do primeiro trailer não nos dar muitas pistas sobre o que receberemos, ao menos a edição feita pela equipe ficou sensacional.

Os documentários salvando a memória dos games

Caso consiga entregar um material de qualidade, FPS: First Person Shooter se juntará a outros documentários que fizeram um excelente papel em relação a incentivar as pessoas a conhecerem mais sobre a indústria. Dentre eles, um que pode ser considerado imperdível é o Video Games: The Movie. Mesmo tendo algumas falhas, como a superficialidade com que trata o tema ou um possível medo de tecer críticas ou abordar assuntos mais polêmicos, trata-se de uma boa obra e que pode ser assistida gratuitamente através do vídeo abaixo (com legendas em português).

Outro igualmente interessante é o God of War - Raising Kratos. Com quase duas horas de duração, este documentário aborda todo o processo de criação do mais recente jogo do Fantasma de Esparta. Produzido pela própria Sony, o filme chama a atenção até por não ser muito comum estúdios revelarem como títulos de grande porte foram desenvolvidos e se você se interessa pelo assunto (mesmo não gostando da franquia), vale muito a pena dar uma chance a este aqui (também com legendas em português).

Já quando se trata do mercado brasileiro, eu gostaria de recomendar duas excelentes produções. A primeira delas é o 1983 – O Ano dos Videogames no Brasil, documentário dirigido por Artur Palma e Marcus Chiado Garrett, e que faz um detalhado registro de como os jogos eletrônicos chegaram por aqui e as dificuldades que a indústria enfrentou para se consolidar no nosso país. Outro que pode ser assistido na integra (e gratuitamente) pelo vídeo abaixo.

Por fim, mas não menos importante, quem gosta de fliperamas e máquinas de pinball provavelmente ficará fascinado pelo espetacular trabalho realizado pelo colecionador Luiz Francisco Culik em Documentário TAITO do Brasil. Contando com entrevistas de ex-funcionários da divisão brasileira da empresa, é muito interessante ver como esses equipamentos foram trazidos para cá nas décadas de 70 e 80, num material cheios de informações valiosíssimas.

Só aí temos mais de oito horas de conteúdo que poderá incrementar bastante o seu conhecimento, sendo ótimas pedidas para todos que quiserem passar um tempo no mundo dos games, mas sem se preocupar em ter que estar no controle das ações.

Leia mais sobre: , , .

relacionados


Comentários