Meio Bit » Hardware » Reino Unido cita Segurança Nacional para barrar compra da ARM pela Nvidia

Reino Unido cita Segurança Nacional para barrar compra da ARM pela Nvidia

Governo do Reino Unido estuda impedir aquisição da ARM pela Nvidia, por considerar a negociação uma ameaça à Segurança Nacional

06/08/2021 às 9:13

A compra da ARM pela Nvidia, negócio anunciado em setembro de 2020 e fechado em US$ 40 bilhões, não agradou todo mundo. Entidades reguladoras da China, Reino Unido e União Europeia expressaram considerável preocupação que a aquisição poria em risco o livre mercado e a competição, com a fabricante de GPUs passando a controlar a empresa responsável pelo design de chips usados em celulares, desktops, equipamentos de infraestrutura e mais.

Para os britânicos, o caso é bem mais sensível dado o fato de que a ARM é uma companhia local, e há o temor de que o governo dos Estados Unidos a nacionalize, tornando-a um setor estratégico e limitando seu acesso por outros países. Dessa forma, o governo estaria disposto a de fato barrar a compra.

Conceito de núcleo Cortex de arquitetura ARM (Crédito: Divulgação/ARM)

Conceito de núcleo Cortex de arquitetura ARM (Crédito: Divulgação/ARM)

Quando o Grupo SoftBank comprou a ARM em 2016 por US$ 32 bilhões, o conglomerado japonês tomou uma série de medidas de modo a não desagradar a Comissão Europeia e o governo britânico, garantindo que a empresa continuasse em seu lugar e atendendo todos os seus clientes, não importando de onde fossem, mesmo os chineses, com quem o Japão tem uma rixa secular.

Quando a Nvidia comprou a divisão, após o SoftBank usar a ARM como boia de salvação, a companhia de Santa Clara repetiu as mesmas promessas: a empresa britânica continuaria a ser o que é, operando da mesma forma em Cambridge, e garantiu inclusive investir em um aumento de vagas. No entanto, o fato de na época o presidente dos EUA ser Donald Trump, muita gente não botou fé nas afirmações, e isso nem foi por culpa da Nvidia.

Como a ARM estaria sendo adquirida por uma empresa norte-americana, no entendimento geral a designer de semicondutores mudaria de nacionalidade, e havia a preocupação legítima de que a Casa Branca pudesse considerar a divisão como um recurso estratégico. Ao fazer isso, o governo passaria por cima das promessas da Nvidia e poderia limitar para quem a companhia poderia vender seus projetos.

Nesse cenário, as companhias tech da China seriam obviamente as primeiras a serem impedidas de usar os designs da ARM em seus SoCs, o que afetaria o mercado mobile e de infraestrutura, onde a Huawei, para citar um exemplo, ainda é bem forte.

Em uma possibilidade mais remota, mas não improvável, o governo dos EUA poderia impedir até mesmo empresas europeias, britânicas ou de qualquer outro país a desenvolverem chips ARM e privilegiar apenas as locais, como Intel, AMD, Qualcomm, Broadcom e Texas Instruments, entre outras, além da própria Nvidia.

Por essas preocupações, o governo chinês estaria extremamente propenso a bloquear a compra da ARM pela Nvidia, processo este que deve ser autorizado pelas comissões antitruste do país, EUA, Reino Unido e União Europeia, de forma unânime.

Sede da Nvidia em Santa Clara, Califórnia (Crédito: JHVEPhoto/Getty Images)

Sede da Nvidia em Santa Clara, Califórnia (Crédito: JHVEPhoto/Getty Images)

Em janeiro de 2021, a CMA (Competition and Markets Authority, ou Autoridade de Concorrências e Mercados) do Reino Unido, autarquia responsável por analisar casos do tipo, e em fevereiro, a Comissão Europeia anunciou que faria o mesmo. Ambas entidades alegaram que submeteriam a aquisição a um "escrutínio detalhado", visando o fato de que a ARM é uma companhia estratégica para a manutenção do livre mercado e concorrência.

No geral, ninguém está vendo a compra com bons olhos, e a eleição de Joe Biden como presidente, mesmo com seu discurso mais apaziguador, não diminuiu as preocupações dos órgãos antitruste externos. Tanto é que o parlamento britânico, segundo relatos, estaria assumindo uma posição para de fato melar a compra.

De acordo com fontes apuradas pelo site Bloomberg, correm rumores acerca de um relatório compilado a pedido de Oliver Dowden, secretário de Meios Digitais, Cultura, Mídia e Esporte do Reino Unido. O parlamentar teria alertado para um "risco de Segurança Nacional", mas não há informações sobre quais seriam. Há a possibilidade de que o relatório aponte brechas concretas, ou seja uma preocupação baseada em temores.

As informações preliminares organizadas pelo CMA apontam que o acordo de aquisição é um ato que fere a competitividade do mercado, e conteria análises realizadas por avaliadores externos, que teriam apontado inúmeras brechas de segurança, não esclarecidas até o momento.

Essa inclinação para um possível bloqueio da compra da ARM pode não dar em nada, entretanto. O parlamento, que recebeu o relatório no fim de junho, irá realizar um novo e detalhado escrutínio das informações, e pode inclusive aprovar a aquisição pela Nvidia, colocando novas restrições e regulamentos que a companhia americana terá que seguir. Um deles, por exemplo, seria manter a divisão como uma empresa e centro de pesquisas britânico.

Sede da ARM em Cambridge, Reino Unido (Crédito: Scott Brownrigg/Hundven Clements Photography)

Sede da ARM em Cambridge, Reino Unido (Crédito: Scott Brownrigg/Hundven Clements Photography)

Em nota, um porta-voz da Nvidia disse que a companhia "continuará a trabalhar sob os regulamentos do governo britânico", e mesmo considerando que os EUA, assim como outros países, estão investindo na produção local de chips, a atual administração estaria menos inclinada a iniciar uma guerra comercial, logo, a possibilidade de "americanização" da ARM hoje é menor.

Se mesmo assim a compra for rejeitada, seja pelo Reino Unido, União Europeia ou China, o Grupo Softbank poderá ser obrigado a abrir o IPO da ARM, a fim de que a divisão possa dar lucro e venha ajudar nas contas do conglomerado do magnata investidor Masayoshi Son, que não anda bem das pernas.

Fonte: Bloomberg, ExtremeTech

Leia mais sobre: , , .

relacionados


Comentários