Meio Bit » Games » Assassin's Creed Infinity e a aposta em um “jogo como serviço”

Assassin's Creed Infinity e a aposta em um “jogo como serviço”

Após revelar que o Assassin's Creed Infinity funcionará como um jogo como serviço, CEO da Ubisoft garantiu que ele não será distribuído como um free-to-play

29/10/2021 às 10:40

Após alguns rumores circularem pela internet, em julho a Ubisoft confirmou que o próximo capítulo da série Assassin's Creed teria o nome Infinity. Pois a palavra não foi escolhida ao acaso, já que o plano da editora é fazer com que o jogo funcione como uma espécie de plataforma, com novos conteúdos chegando a ele constantemente.

Assassin's Creed Infinity

Crédito: Divulgação/Ubisoft

A ideia de oferecer jogos como serviço não é nova e vem ganhando cada vez mais força. No caso do Assassin's Creed Infinity, o que a Ubisoft pretende fazer é aproveitar o universo da série para nos levar a diferentes períodos da história. Sem sabermos quando o enredo começará, também ainda não está claro como acontecerá esta mudança de épocas, mas gosto da proposta e desde que ela seja bem implementada, acredito que poderá fazer desta a melhor aventura dos assassinos.

Assim como acontece em jogos como Apex Legends ou Fortnite, abastecer este novo capítulo com novidades poderá fazer com que ele sempre nos motive a voltar, com novas missões, personagens ou campanhas transformando o Assassin's Creed Infinity em uma experiência... infinita.

Porém, algo que rapidamente colocou uma pulga atrás da orelha de alguns fãs foi o modelo de negócios a ser adotado pelos franceses. Como a empresa já havia falado em apostar pesado na criação de jogos free-to-play, imaginou-se que este seria o caminho adotado pelo próximo Assassin's Creed, mas não é o que acontecerá.

Crédito: Divulgação/Ubisoft

Ao divulgar o desempenho fiscal da empresa no último trimestre, o CEO Yves Guillemot tratou de tranquilizar os consumidores e ainda aproveitou para dar alguns detalhes da produção:

[O Assassin's Creed Infinity] não será gratuito e este jogo terá muitos elementos de narrativa nele. Será um jogo muito inovador, mas terá o que os jogadores já encontram em todos os Assassin’s Creed, todos os elementos que eles adoram ter desde o início. Será um jogo enorme, mas com muitos elementos que já existem nos jogos que foram publicados no passado.

Até por se tratar de um projeto extremamente ambicioso, que funcionará online e que evoluirá com o passar do tempo, deverá demorar um pouco até termos maiores informações sobre o Assassin's Creed Infinity. O que sabemos por enquanto é que o seu desenvolvimento ainda se encontra em estágio inicial e até que ele seja lançado a Ubisoft deverá continuar explorando o jogo mais recente da franquia.

Segundo a própria editora, o Assassin’s Creed Valhalla se tornou o capítulo da série com as melhores vendas durante a semana de lançamento. Esta é uma façanha e tanto, já que estamos falando de uma marca que já ultrapassou 155 milhões de cópias vendidas.

Além disso, a empresa afirma que este é o seu segundo jogo mais lucrativo de todos os tempos, deixando no ar o mistério sobre aquele que ocupa o topo da lista. De qualquer forma, tamanho sucesso fez com que a Ubisoft se sentisse motivada a investir numa segunda temporada de expansões para o Valhalla, algo inédito para a série.

Com isso, depois do jogo ter recebido os conteúdos adicionais Wrath of the Druids e The Siege of Paris, até março de 2022 ainda deveremos ver o lançamento de pelo menos mais uma expansão. De acordo com arquivos encontrados no jogo, o DLC que deverá se chamar Dawn of Ragnarök nos levará até Svartalfheim, lugar que na mitologia nórdica também é conhecido como o reino dos elfos noturnos.

Embora tivesse jogado outros capítulos anteriormente, eu só fui me tornar um fã da série após jogar o Assassin’s Creed Odyssey e por isso ainda tenho muito conteúdo para aproveitar até que o Assassin's Creed Infinity seja lançado. Atualmente estou encarando o excelente Origins e depois pretendo dar uma nova chance aos capítulos que não utilizavam tantos elementos de RPGs.

Ou seja, mesmo que a Ubisoft erre a mão nesta nova investida, tudo o que foi criado até aqui ainda deverá me manter entretido por muito tempo, provavelmente por anos. Contudo, espero que dessa vez a empresa aproveite essa ideia de múltiplos períodos históricos para finalmente realizar um antigo desejo nosso, que é trazer o seu credo de assassinos para o Brasil imperial.

Fonte: Gamespot

relacionados


Comentários