Meio Bit » Hardware » Primeiro ereader com eink colorido é da China

Primeiro ereader com eink colorido é da China

Hanvon apresenta ereader com tela de eink colorido. Seria esse o futuro dos ereaders?

10 anos atrás

Foi apresentado há algumas horas, na FPD International 2010 em Tóquio, o primeiro ereader com tela de eink totalmente colorido do mundo. Se você chutou "Sony" ou "Amazon" como possíveis responsáveis pela façanha, errou. A primeirona foi a Hanvon Technology, da China.

Ereader com eink coloridoA Hanvon parece não fazer feio em seu país de origem. Ela detém 78% do mercado na China e readers, e esse novo modelo, colorido, não faz feio, com tela de 9,68" e conectividade WiFi e 3G. O preço sugerido é de US$ 440, na China, cerca de US$ 150 mais barato que o iPad mais econômico por lá, o modelo WiFi com 16 GB.

Segundo o The New York Times, hoje 90% dos ereaders utilizam o eink convencional, em preto e branco, nas suas telas. É a tecnologia mais agradável aos olhos, pois não emite o brilho característico e cansativo dos LCDs e garante autonomia inimaginável em qualquer gadget que use telas de cristal líquido — meu Kindle, por exemplo, resiste bravamente por semanas antes da bateria pedir água.

Porém (sempre há um), a falta de cores, tal qual os três elefantes, incomoda muita gente. Dá até para entender, embora para a leitura de livros o p&b seja mais que suficiente. Mas não discordo que seria legal poder ler quadrinhos americanos (mangás funcionam numa boa no Kindle tradicional), visualizar ilustrações em livros, ter componentes coloridos ilustrando as páginas de livros mais leves.

Quanto às grandes empresas que vendem seus peixes no ocidente, nenhuma confirmou a troca pelo eink colorido. A Barnes & Noble, do nook, pegou um atalho e na segunda geração do seu ereader aposentou o eink e partiu para o LCD, numa perigosa estratégia na qual ganha-se cor, mas também concorrentes de peso — iPad, Galaxy Tab, tablets chineses com Android...

A Sony, que embora japonesa tem atuação firme no mercado americano, reconhece, pelo presidente da divisão de negócios de leitura digital, Steve Haber, que há muita demanda por telas coloridas, mas que a empresa não quer entregar uma experiência ruim, com cores desbotadas, como parece ser o caso dessa primeira geração de eink colorido.

Apesar das incertezas, parece ser apenas questão de tempo para que os grandes players lancem modelos coloridos também.

Fonte: Mashable.

Leia mais sobre: , , , , .

relacionados


Comentários