Meio Bit » Demais assuntos » Entrevista com a BRPay

Entrevista com a BRPay

14 anos atrás

Aqui vai a entrevista com os responsáveis pela BRPay, pessoal. Qualquer pergunta a mais, entrem na página de contato que eu mando para eles (a não ser coisas esdrúxulas né, senão os caras não me levam a sério 😉 :

Olá Mauro,

Mais uma vez, obrigado pela atenção.

OBS: 1- Contas Pessoais não geram bônus por indicação, o pagamento de 1% é uma fatia da taxa cobrada pela BRpay de 1,9 a 2,9% (que é cobrada somente das contas Vendedor e Empresarial. 2- Em caso de devolução de pagamento, a taxa cobrada pela BRpay também é devolvida (ou seja, a pessoa que lhe pagou recebe o dinheiro integralmente) mesmo para pagamentos de R$ 1,00.

1) Por que a demora em instituir um sistema simples e eficiente de
cobrança no Brasil como o Paypal americano? Quais as principais
dificuldades que vocês enfrentaram para implementar o sistema no
Brasil?

RESPOSTA:
Por mais simples que pareça ao usuário (e assim deve ser), internamente o sistema é bem complexo. Os serviços de pagamentos internacionais são 100% baseados no cartão de crédito o que ainda não é uma realidade para o Brasileiro, sem falar na barreira do cambio e no diferente funcionamento de nosso sistema bancário. Seria necessário criar uma variável exclusiva para o Brasil e acredito serem estes alguns doa motivos de não terem entrado no Brasil ainda.

Nosso cronograma foi quebrado diversas vezes, pois nosso projeto inicial era bem mais modesto. Com o desenrolar do projeto novas idéias foram surgindo e muitas vezes pequenas mudanças disparavam uma seqüência de alterações. A BRpay hoje opera com apenas 75% das ferramentas e funcionalidades inicialmente idealizadas, mas que serão incluídas em breve. 2) Como vocês pretendem concorrer com a facilidade de fazer DOCs e
outros tipos de transferência bancária que são facilmente realizadas
no Brasil?

RESPOSTA:
A BRpay não cobra taxas dos compradores, o que já é uma economia em relação ao preço do DOC. E dos vendedores não é cobrado taxas para transferir fundos para os principais bancos. Para os demais bancos as taxas serão progressivamente reduzidas tornando-se menores que as cobradas pelos próprios bancos, isto graças aos descontos obtidos com o volume de negócios e que o pequeno negociante não tem acesso. Porém, este não é nosso objetivo.
A missão da BRpay é prover um ambiente seguro de negociações onde a preocupação do comprador será somente o preço e as características do produto e não o temor de efetuar um pagamento diretamente na conta de um desconhecido. Fato que tem freado o crescimento do comércio eletrônico no Brasil. Proporcionando um ambiente mais seguro ao comprador estaremos contribuindo diretamente para o aumento do volume de negócios de nossos vendedores. Fazemos isto investindo em nosso melhor time de monitores e ferramentas que detectam e inibem atividades e situações de risco inaceitáveis.

3) Eu, particularmente, tenho uma campanha de doação em meu blog por
estar doente e sem poder trabalhar e recebi uma doação de R$50,00 via
BRPay paga por cartão, da qual foi descontada uma taxa já prevista em
seu web site, algo próximo de R$2,00. Porém, no caso do tipo de conta
mais simples, na qual até onde vi não são cobradas taxas para o
usuário, o que vocês têm a ganhar?

RESPOSTA:
Em se tratando de custo/benefício, o tipo de conta mais simples (Conta Pessoal) é o que atualmente nos dá o melhor retorno de mídia na rede. Elas são usadas principalmente por quem recebe doações e direcionam um enorme tráfego e novos clientes potenciais à BRpay a um custo mínimo. Contas Pessoais (como o nome indica) são para pequenos volumes de negócios e possuem uma série de restrições como limites de saques mensais e número de transações, não fazer integração para pagamentos de mercadorias ou serviços em Website, não podem receber cartão, não geram bônus por indicação, e outras.

4) Por que alguém que quer transferir dinheiro para outra pessoa sem
se cadastrar na BRPay precisa preencher os dados pessoais de qualquer
forma?

RESPOSTA:
Além de ser um requerimento das administradoras e bancos para se preencher os dados do cedente no boleto, fazer a verificação de titularidade de cartão para proteger vendedores contra pagamentos fraudulentos, etc., é também um recibo eletrônico (ou físico no caso de boleto) caso uma transação se torne insatisfatória para os usuários que optaram por não abrir conta.

5) Quais as garantias da BRPay? Os usuários estão desconfiados por não
saberem como verificar a autenticidade do site - afinal, para o
usuário comum, o anúncio que a BRpay é conveniada ao Banco do Brasil
sob o convênio de n° 300217 não significa nada, já que a maioria não
saberá como verificar algo do tipo. Os internautas mais 'técnicos' se
preocupam com a segurança do site devido à tecnologia do sites (ASP),
na qual muitos não confiam enquanto outros dizem que tudo depende
apenas da eficiência do programador. O que você tem a dizer para os
usuários internautas, tanto os casuais quanto os mais técnicos, sobre
a confiabilidade e a segurança da BRPay?

RESPOSTA:
Para verificar a legitimidade de nossos convênios basta conversar com o gerente de seu banco (BB) ou ligar para o 0800 do Banco do Brasil. A intenção ao citar alguns convênios foi apenas mostrar que para se conseguir todos estes convênios os bancos e instituições fazem um completo raio-x do histórico financeiro da empresa e seus integrantes.
A confiança é algo que não pode ser argumentada ou imposta, ela deve ser conquistada e esta conquista demanda tempo. Como na vida real, existe um tempo para namorar, noivar e casar, este é o tempo necessário para se conhecer quem será seu parceiro, este é o tempo que a Brpay está disposta a investir para se consolidar no mercado.
Nosso conselho aos mais desconfiados é que comece aos poucos, pegue na mão, dê tempo ao tempo, nós vamos estar aqui.
Quanto a segurança, seria irresponsável se não nos preocupássemos com ela 24 horas por dia desde o primeiro dia do projeto, pois nosso objetivo principal é exatamente criar um ambiente seguro de negociações. Por outro lado, seria também irresponsável de nossa parte expor aqui as medidas adotadas.
Porém, alguns procedimentos podem ser citados:
1- A BRpay não tem acesso nem arquiva dados financeiros dos clientes como números de cartões, senhas de bancos, etc. (as transações são finalizadas diretamente nos sites dos bancos e administradoras).
2- Back-ups de todas as atividades são realizados em tempo real em servidores que não tem acesso a internet e manualmente transferidas a uma segunda máquina fora do ambiente do servidor.
3- Dados sensitivos de nossos clientes como senhas, são criptografados (one-way) e não há como reverter a criptografia (e não podem ser recuperados nem mesmo pelos funcionários da BRpay). Embora, mesmo que alguém tenha acesso à sua conta só poderia efetuar saques para sua própria conta bancária.
A linguagem usada é a ASP.NET que é bem mais segura que ASP (simples), porém como você mesmo mencionou, tudo depende de como o código é elaborado e segurança tem sido a primeira palavra incluída em cada linha de nosso código. Mesmo com 90% dos processos automatizados, conferências e totalizações manuais são realizadas diariamente (como num caixa bancário) e o processo só termina com o devido fechamento.

6) Quais os planos futuros da BRPay em termos de alcance (uso para
lojas, sites de leilão, etc) e novos recursos para o usuário?

RESPOSTA:
O foco principal da BRpay é a integração dos meios de pagamentos para pequenos e médios websites, e uma de nossas metas é oferecer uma integração mais rápida e simples (o que já é uma realidade) do que as oferecidas pelas próprias instituições e com toda a segurança oferecidas por elas somadas à nossa. A BRpay pretende também oferecer taxas de serviços mais baratas do que as próprias instituições oferecem (por descontos em volumes de negociações). Chegando ao ponto de não ser viável uma outra integração senão pela BRpay.
Atualmente a BRpay não pretende se envolver diretamente com leilões, mas já estão disponíveis algumas ferramentas neste sentido e outras serão desenvolvidas.
Os próximos lançamentos da BRpay serão as cobranças recorrentes para pagamentos de assinaturas e serviços como mensalidades (totalmente configurável como freqüência, opção de entrada, duração e cancelamento) e em seguida os pagamentos em massa onde o cliente fará um UpLoad de uma lista de beneficiários (informando apenas os e-mails e o valores a serem pagos, etc.) e a BRpay efetuará o pagamento.

Perguntas de outros usuários:

Tupi:

1) Vocês intermediam pagtos internacionais, em outras moedas? Existem
planos sobre isso?

RESPOSTA:
A BRpay ainda não efetua transações internacionais. Tínhamos como primeiro item em nosso cronograma a intenção de disponibilizar os pagamentos e transferências entre contas BRpay e Paypal. Mas, para que isto acontecesse de uma forma segura, deveria existir uma parceria real com o Paypal e não apenas abrir uma conta com eles e fazer a integração. E existe ainda o problema do câmbio com o qual a Brpay não pretende se envolver.

A BRpay buscou alternativas mais rápidas e seguras e está em fase final de negociação com uma empresa Americana que tem a solução que permitirá nossos clientes receberem fundos do Paypal, Google Adsense, Stormpay, Moneybookers, etc. permitindo ainda transferências E-gold e recebimentos via SwiftPay Cash Western Union. Gostaria muito de poder me aprofundar nos detalhes desta solução, mas o contrário é a garantia do pioneirismo.

2) Vc conhece as experiências do F2B e do Mercado Pago? Considera concorrentes?

RESPOSTA:
Embora ambas atuem no mesmo segmento, os serviços oferecidos são bem distintos.
A F2b, uma idônea, séria e já consolidada no mercado, oferece aos seus clientes uma série excelente de serviços que a BRpay não oferece e não pretende oferecer, como carteiras de cobranças simples e com registro por correio ou on-line totalmente personalizáveis, e muitos outros serviços de utilidade ao comerciante on-line ou com loja física.

O serviço prestado pelo Mercado Pago (conhecido internacionalmente como Escrow) é um arranjo legal onde o recurso financeiro é mantido em custódia até que o bem seja entregue à parte contratante que então faz a liberação dos fundos.
Já a BRpay oferece um serviço de integração de pagamentos on-line e em tempo real para websites. No inicio é de se esperar uma pequena migração de clientes em ambas as direções, mas que tende a se acomodar com o passar do tempo, pois não existe uma concorrência real, e sim um novo serviço que vem preencher uma lacuna.

3) Existe algum plano de integrar com celulares, usando wap ou sms?

RESPOSTA:
Ainda não existe propriamente um plano, mas como uma tendência mundial, eventualmente a Brpay acabará por incluir esta integração, não antes do término de nosso cronograma.

4) Existem planos de novos servicos financeiros. Seguro, crédito, capitalização, etc?

RESPOSTA:
Existe a intenção de oferecer serviços como financiamento próprio com aprovação on-line, seguro de garantia de recebimento de mercadoria, capitalização e outros. Porém, para que isto ocorra de forma legal será necessário uma parceria com uma instituição financeira, o que eventualmente acabará por acontecer.

5) Existem planos de parcerias com sites de comercio eletrônico, provedores, etc?

RESPOSTA:
A BRpay já recebeu algumas propostas. Inclusive de um grupo com intenção de fazer investimento pesado em mídia. Porém, não é a vontade da Brpay um crescimento muito rápido que acabe por se tornar desordenado (o popular estouro da boiada), onde ocorreriam contratações rápidas sem tempo para o devido treinamento, consequentemente queda na qualidade e falta de tempo de se adaptar às verdadeiras necessidades de nossos clientes. O crescimento tem sido acentuado e consistente, mas a um nível administrável e tem nos dado condições de prestar o serviço inicialmente idealizado.

Marcelus:

1) Em termos de regulação econômica o Brasil definitivamente não é os EUA ou a Europa Ocidental -- os regulamentos e burocracia são imensos, os impostos altíssimos e aqui e ali sempre aparece alguém do poder em busca de um novo regulamento ou taxa. Serviços como o PayPal deram certo em grande parte por causa da dinâmica das economias abertas, coisa que a do Brasil ainda não é. A pergunta é: como você pretende fazer o BRPay sobreviver aos 'custos do Brasil'? Você teme que algum dia alguma entidade queira 'cortar as asas' da facilidade do seu serviço?

RESPOSTA:
A BRpay é uma prestadora de serviços e como tal deve recolher e recolhe aos cofres públicos o ISS (Imposto Sobre Serviços) que relativamente não é um imposto pesado. O valor é de 6% do faturamento que significa em média algo em torno de 0,12% de cada transação, que se compara aos impostos cobrados nos países de primeiro mundo. Mesmo sabendo que alguns de nossos governantes não são lá exemplos de honestidade, a BRpay entende que para se edificar uma obra (um país) deve-se começar pela base, que somos nós. Notas fiscais de nossos serviços podem ser obtidas diretamente em nossa sede sem custos adicionais ou solicitadas em nosso Atendimento a serem entregues por correio por uma pequena taxa de manuseio e postagem.

A Brpay não é banco e nem financeira e não se envolve com atividades específicas destes ramos, a BRpay é uma empresa de serviços de cobranças on-line. As leis mudam o tempo todo, mas empresas de cobranças sempre existiram e continuarão existindo.

relacionados


Comentários