Meio Bit » Internet » LulzSec: operação #AntiSec com os Anonymous e derrubada de sites do governo brasileiro

LulzSec: operação #AntiSec com os Anonymous e derrubada de sites do governo brasileiro

Filial brasileira do Lulz Security consegue derrubar sites do governo federal. Lá fora, grupo se une ao Anonymous e declara guerra a governos e grandes empresas no que chamam de operação #AntiSec.

9 anos atrás

O perfil @LulzSecBrazil, auto-proclamado versão brasileira do @LulzSec, grupo anônimo internacional que vem causando dores de cabeça a vários governos e multinacionais, prometeu, na época do seu surgimento (sábado passado, para ser mais exato), derrubar o site do governo brasileiro, o Brasil.gov.br.

A princípio a ideia era fazê-lo no domingo, mas não deu certo. Depois daquele dia, por conta de declarações como essa, chegou-se a pensar em blefe. Mas, nessa madrugada, enfim a vítima caiu e, junto dela, também o site da presidência. Ambos ficaram fora do ar por cerca de uma hora, pouco tempo para causar estragos (sem contar que os próprios sites em si não são exatamente críticos para a soberania nacional), mas foi o suficiente para a variação brasileira chamar a atenção do LulzSec original (!).

Anúncio da queda dos sites.

Lá fora, aliás, a situação começa a ganhar contornos mais sérios. Um vídeo publicado no YouTube (abaixo) convida as pessoas a ingressarem na operação #AntiSec, uma espécie de "joint venture" entre o Lulz Security e o Anonymous, grupo anônimo (d'oh!) responsável pelas invasões à PSN, rede offline online do PlayStation 3, dentre outros feitos do gênero.

http://www.youtube.com/watch?v=lHApqy3n3Fs

Cada vez mais a desculpa da diversão perde força ante os ares revolucionários. Há, de fato, muita coisa errada com os alvos da LulzSec e dos Anonymous; governos corruptos existem aos montes, empresas inescrupulosas, idem. Se essa estratégia, de expôr todo mundo e tocar o terror com invasões e roubos de informação é a mais acertada? Deixo a discussão para vocês, caros leitores.

Com informações do Info Wester e Estadão.

Leia mais sobre: , , , .

relacionados


Comentários