Meio Bit » Mobile » Windows Phone 7 "Mango" e o gostinho de ver a Microsoft de volta

Windows Phone 7 "Mango" e o gostinho de ver a Microsoft de volta

Começam a aparecer as análises do Windows Phone 7 "Mango". E as perspectivas são animadoras!

9 anos atrás

Parte da trama no tecido dos assuntos mais comentados em blogs que falam de mobile pode ser dividida em dois grandes temas: puxar o saco do iOS ou meter o pau nele.

Aqui no Meio Bit, já fizemos um pouco dos dois. Afinal, não se pode ignorar a perfeição com que se integra o hardware dos dispositivos da Apple à sua arquitetura robusta, ambientes e aplicativos. Embora muito se tenha criticado a respeito das ações da empresa, o modelo fechado de negócio, etc etc etc.

Apesar de todos nós já termos entretido a idéia de realmente encontrar um sistema operacional à altura do iOS, quer seja para smartphones ou para tablets (onde o iPad reina absoluto), o potencial realmente poderoso do Android acaba esbarrando em imperfeições de qualidade e aberrações de segurança e desempenho que não vão além de frustrações para os mais críticos.

Além dos dois, hoje, não havia nada muito digno de nota.

No meio de tudo, espancavam-se discussões intermináveis entre o cinismo do webOS, cuja cara de pau de ser um OS realmente bacana mas que nunca dá as caras e desce pro play; e o estupor generalizado e impreciso da mutação ainda em especulação dos Microkias.

Um dos mais escupinchados em todos esses debates era o Winwdows Phone 7. E não era para menos. A Microsoft havia cometido o terrível engano de engolir-se diversas vezes em tentativas über-falhadas de fazer a fantasia do Windows Phone 7 valer qualquer coisa, só para não perder o momentum público do qual desfrutava o iPhone.

Também assustada pela tomada avassaladora do mercado pela Apple, a MS sucedeu uma série de equívocos e amargou uma imagem nada positiva com trombadas homéricas. O resultado foram fracassos como os do Kin para baixo... até bem recentemente. E por que não dizer, com uma certa alegria, até essa semana?

Em uma nova retomada e com o vigor esperado para um titã que pode ser qualquer coisa menos ignorado, a Microsoft empreendeu compras audaciosas com a Nokia e o Skype e re-entrou no jogo do jeito certo: com o peso de uma longa reputação de liderança e quase que totalmente livre do jugo de se fazer parecer com outras marcas, por medinho (irreal) de desaparecer.

Não sei onde Balmer e sua gangue estavam com a cabeça no último ano, mas ainda bem que acabou. Ao menos, parece que acabou. Tomara mesmo que tenha acabado.

O Engadget acabou de publicar um video-review básico (e extremamente moroso e chato) do que parece ser o "incrível" que todos já haviam se cansado de esperar para o WP7: a nova versão, codinome Mango.

Se você tiver 12 minutos e pouco para gastar, economize os primeiros 2min50 do vídeo acima e ao menos imagine o que podem ser as mais de 500 novas features que a Microsoft tem trabalhado nessa versão. Sim, repetindo, são +500 novidades.

Claro, jamais poderiam ser cobertas, nem de longe, em qualquer vídeo-review. Mas não há como negar que os ares se tornam no mínimo revigorantes com quaisquer provas circunstanciais de que o WP7 não será, de fato, uma promessa hypada pelo avesso.

De uma certa maneira, olhando assim o review alheio e os releases de imprensa com as intenções da empresa, pode-se dizer que o WP7 procura traduzir a nítida inclinação da Microsoft de ser a madrinha de um OS para mobile completamente devoto à personalização social nas mãos do usuário.

Sim, o WP7 não tem a miríade de aplicativos que o iOS construiu ao longo destes últimos anos, nem tampouco tem os milhões de desenvolvedores aos seus pés como tem a Apple.

Em contraponto, o WP7 certamente não deve ter os bugs e aberrações de desenvolvimento que o modelo democrático-aberto-amarradinho do Android tem também.

E levando em conta o longo timeline de envolvimento da Microsoft com o mobile, podemos dizer qualquer coisa, menos que a empresa está enchendo linguiça e brincando de casinha diante dos seus consumidores mais informados e sempre muito exigentes.

Seria este o momento de oferecer mais um voto de confiança a uma grande marca, que demonstra claramente ter trabalhado duro para se redimir de seus últimos surtos e peetees, e que se reposiciona de maneira vigorosa entre os grandes players do mobile?

Oxalá que sim. Mas será preciso esperar para ver.

De preferência, sem muito falatório dessa vez...

Leia mais sobre: , , , , .

relacionados


Comentários