Meio Bit » Games » Indústria » Sid Meier e o avanço dos gráficos nos games

Sid Meier e o avanço dos gráficos nos games

8 anos e meio atrás

dori_civV_31.01.12

No mundo dos games, poucas pessoas possuem tamanha experiência e capacidade para falar sobre a evolução da indústria como Sid Meier, game design imortalizado pela série Civilization. Com o jogo de combates aéreos Spitfire Ace, de 1982 sendo aquele onde foi creditado pela primeira vez, o canadense transformou-se em uma lenda e ao falar sobre o que mudou nas últimas décadas mostrou um ponto de vista bastante interessante sobre como os gráficos mais realistas mudaram, para melhor e para pior, os games.

Podemos trazer jogos à vida de uma maneira muito mais rica do que podíamos anteriormente, mas isso é uma espécie de faca de dois gumes. Eu adorava desafiar a imaginação do jogador, mostrando-lhes alguns poucos pixels em 16 cores e tentando convencê-los de que estavam controlando um império que resistiria a passagem do tempo. Mas eu penso que hoje os jogadores não são capazes de fazer aquele investimento.

Acho que isso trouxe novos jogadores, porque francamente, para jogar títulos de 10 ou 15 anos, você precisa fazer algo como  interromper a sua descrença e estar disposto a entrar naquele mundo. Hoje tornamos isso mais fácil com os gráficos e os visuais que oferecemos a vocês.

De muitas maneiras, isso foi o que realmente mudou em relação aos jogos eletrônicos. O game design não mudou tanto quanto pode parecer desde os bons velhos dias, porque muitas das coisas que era verdade naquela época, que tornavam os jogos divertidos, continuam sendo utilizadas atualmente.

Pensar que antigamente os jogos tinham o poder de incentivar o raciocínio e a criatividade das pessoas é algo em que sempre acreditei e que provavelmente nos ajuda a manter aquela ideia de que a época de ouro se foi e que infelizmente a busca por imagens cada vez mais realista acabou a sacrificando.

Todos nós gostamos de ver cenários imensos, texturas em altíssima resolução e animações fidedignas, mas como discordar de Meier e dizer que o mundo que criávamos dentro de nossas cabeças era menos fantástico do que aqueles que recebemos hoje de forma “mastigada”?

[via GameInformer]

Leia mais sobre: .

relacionados


Comentários