Sugestões automáticas de busca são responsabilidade do Google?

Corte da Itália decide que Google deve responder pelo recurso do buscador.

Thássius Veloso
Por

Quem nunca passou por essa situação? Entra no Google, começa a digitar aquilo que quer pesquisa e, depois de algumas letras, clica na sugestão de busca que é exatamente aquilo que você procura. Não sei qual é a taxa de uso do recurso, mas imagino que seja alta. E aí vem a dúvida: se o Google é legalmente responsável pelos termos que aparecem nas sugestões.

O autocompletar virou motivo de disputa judicial na Itália. Na corte de Milão, a segunda cidade mais importante da península, um advogado reclama que seu cliente — uma pessoa pública — foi prejudicado a partir do momento que, ao digitar nome e sobrenome desse sujeito, o Google automaticamente completava com “fraude” (ou truffa, no termo em italiano).

Os reclamantes alegam que o Google deve ser responsabilizado por essas imputações que denigrem a honra do sujeito. Embora o Google não gere seus termos sugeridos manualmente, o algoritmo que faz isso é controlado pela empresa e pode sofrer modificações para evitar tais situações.

Por sua vez, o Google se defendeu dizendo que não pode ser responsabilizado por isso. Também disse que o recurso de autocompletar das buscas é baseado em buscas anteriores, eu são registradas. Com o tempo, o algoritmo fica mais inteligente e começa a sugerir aquilo que já é buscado em grande quantidade por outros usuários.

Na semana passada saiu o resultado da disputa, que só foi conhecido hoje. O Google perdeu o processo, sendo, portanto, considerado o responsável legal pelos termos sugeridos automaticamente. A empresa se disse “desapontada” pelo resultado, enquanto os reclamantes fizeram questão de dizer que não apoiam a censura.

Esse caso é interessante porque fica difícil de dizer até que ponto a opinião pública detém a verdade, e também até que ponto os algoritmos do Google devem refletir isso. Não é porque todo mundo associa determinado nome a um crime que a pessoa é verdadeiramente culpada. Pelo menos não até que a justiça diga que é.

Pirataria? (imagem: reprodução)

No ano passado, o Google anunciou que não iria mais exibir sugestões de busca quando o termo procurado fosse “torrent”. Dessa forma, a empresa evita problemas com as associações de cinema, de música etc. Será que chegou o momento de parar de associar nomes a crimes, por meio de filtros previamente determinados que cumpra essa tarefa?

Com informações: ZDnet.

Relacionados

Relacionados