“Vocês amam odiar o IE”, diz Microsoft. Mas Chrome vem aí

João Brunelli Moreno
Por

Poucas empresas na história tiveram seus produtos tão criticados quanto a Microsoft. E certamente menos empresas ainda sobreviveram para poder fazer comerciais debochando das reclamações que os consumidores faziam de seus produtos, mas foi isso que a MS fez. Na quinta-feira a gigante dos softwares anunciou uma nova campanha publicitária para navegador Internet Explorer 9, batizada de “Retornos acontecem em diversas formas e tamanhos”.

A estrela dos novos anúncios é um comercial que conta a história de um rapaz que está se tratando com uma psicóloga por ter a mania de desinstalar o IE de todos os computadores que via na frente, mas que no fim das contas não bate muito bem da bola. Confira:

YouTube video

(Vídeo do YouTube)

Além disso também foi criado um Tumbrl chamado “O browser que você ama(va) odiar” (“The browser you love(d) to hate, no original em inglês“), em que mostra exemplos de modas que voltaram recentemente, como, por exemplo, comunicação feita com uso de pássaros:

Sacou? Sacou?

“Uma das tendências mais interessantes da atualidade é o número de entusiastas do Chrome e Firefox que vêm ‘adicionando’ o IE9 ao seu mix de navegadores”, começa Roger Capriotti, diretor de marketing do Internet Explorer, sem detalhar de onde tirou este dado.

Pelo menos os números mostram que a Microsoft tem mesmo que se mexer. Segundo os números da StatCounter, desde Novembro o IE tem passando por uma vertiginosa queda em seu número de usuários ao redor do mundo. No período, caiu de 40.6% de participação para 35.7%, enquanto o Chrome saltou de 25.7% para 29.9%. Se essa tendência de manter, o navegador do Google deverá tomar a coroa de browser mais usado do Internet Explorer, feito inédito desde a derrocada do Netscape, nos anos 90.

No mundo: Chrome chegando

Nos EUA, mercado para que a campanha foi desenvolvida, o IE perdeu 5 pontos percentuais de participação apenas em fevereiro, caindo de 46,6% para 41.3%. Mas lá o programa é seguido de longe pelo Chrome e Firefox, empatados em 21,9%.