Início / Notícias / Computador /

MacBooks poderão usar chip ARM da própria Apple em tarefas simples

Por

MacBook

Desde o ano passado, a Apple vem trabalhando no desenvolvimento de um processador com arquitetura ARM para equipar os seus futuros MacBooks, segundo a Bloomberg. A informação ainda não é oficial, mas, se for confirmada, a companhia se tornará um pouco menos dependente da Intel.

O novo processador é chamado internamente de T310, de acordo com as fontes ouvidas pelo veículo, e tem lá suas semelhanças com o T1, chip que controla a Touch Bar e alguns recursos de segurança do MacBook Pro mais recente.

Esse chip, o T1, trabalha em conjunto com o processador Intel do MacBook, portanto. A ideia é fazer o mesmo com o T310, com a diferença de que o chip deverá atuar em mais funções: basicamente, ele deverá responder por determinadas tarefas que exigem pouco consumo de energia.

Para tanto, o novo chip trabalhará com o Power Nap, modo de funcionamento que permite que o computador receba emails, baixe atualizações de software e sincronize a agenda, por exemplo, quando está ocioso e com a tela desligada. É claro que os MacBooks atuais têm funções para economia de energia, mas o T310 poderá ser ainda mais eficiente nesse aspecto.

Touch Bar

Por ter que lidar com mais funções, o T310 terá que ser mais integrado aos recursos do MacBook do que o T1. Será necessário, por exemplo, conectá-lo com os dispositivos de armazenamento e com o módulo de Wi-Fi. O efeito indireto disso é que, desenvolvendo uma integração mais profunda, a Apple poderá fazer hardware e software ficarem ainda mais otimizados.

Esse detalhe nos faz olhar de novo para a Intel. Como já dito, o T310 irá trabalhar em conjunto com os processadores da fabricante, mas, com a entrega de tarefas simples ao novo chip, é de se presumir que a Apple esteja dando os primeiros passos em direção a um processador capaz de suprimir de vez os chips Intel na linha MacBook.

Mas essa é uma especulação para um futuro longínquo. Por ora, o que importa é o T310. As fontes ouvidas pela Bloomberg acreditam o chip estará presente na atualização do MacBook Pro a ser lançada ainda neste ano.