Início / Notícias / Computador /

Plex Cloud envia sua biblioteca de mídia para a nuvem

Paulo Higa

Por

Notícia
Achados do TB Achados do TB

As melhores ofertas,
sem rabo preso 💰

Depois de seis meses de testes (e alguns problemas no meio do caminho), o Plex liberou nesta quinta-feira (9) o Plex Cloud, recurso que sincroniza sua biblioteca de mídia com serviços de armazenamento na nuvem. A novidade permite que você acesse suas fotos, vídeos, músicas e outros arquivos a qualquer momento, sem manter um computador ligado na rede.

O Plex é um velho conhecido dos leitores do Tecnoblog: ele é um servidor de mídia que permite acesso aos seus arquivos em vários dispositivos — incluindo smartphones, tablets, set-top-boxes, TVs e consoles. A grande sacada é que, por ter integração com sites de metadados, ele transforma suas pastas bagunçadas em uma biblioteca de filmes e séries com imagem de capa, sinopse, elenco e até legendas.

O problema é que o Plex exige manter uma máquina ligada para servir o conteúdo (e para transcodificar um vídeo em outras resoluções se você estiver acessando a mídia por uma conexão móvel, por exemplo). Isso não era muito viável se você não possui um NAS ou uma máquina que não consuma tanta energia. Com o Plex Cloud, a biblioteca fica sincronizada na sua conta do Dropbox, Google Drive ou OneDrive.

O Plex Cloud está disponível para assinantes do Plex Pass (US$ 4,99 por mês) e foi liberado como beta privado em setembro. O Amazon Drive era o primeiro serviço de nuvem suportado. Ele parecia uma boa opção, já que custa US$ 59,99 por ano e oferece espaço ilimitado. Mas o Plex afirmou ter “problemas técnicos” durante os testes, sem comentar detalhes, e tirou o suporte ao serviço — acredita-se que a Amazon limitou os uploads devido à enorme quantidade de dados, mas nada foi confirmado.

Com suporte apenas ao Dropbox, Google Drive e OneDrive (Personal), o Plex Cloud ficou menos interessante — especialmente para quem tem uma biblioteca muito grande, com mais de 1 TB de arquivos, já que a assinatura mensal no Google Drive (único a oferecer capacidades maiores de armazenamento) se torna bem cara, por R$ 69,99 (2 TB) e R$ 349,99 (10 TB).

Mas pode ser uma boa opção para quem já assina um desses serviços de nuvem e não quer se preocupar com HDs falhando e fazendo barulho no seu ouvido.