Navio elétrico de carga vai cruzar os mares de forma autônoma

Felipe Ventura
Por

Nós falamos no Tecnoblog sobre carros sem motorista e caminhões que dirigem sozinhos, mas há outra categoria de transporte que também está se preparando para um futuro autônomo: navios.

As norueguesas Yara International e Kongsberg Maritime estão unindo forças para criar o primeiro navio de contêineres autônomo e totalmente elétrico do mundo. Ele promete substituir, por ano, 40 mil viagens feitas por caminhões a diesel, reduzindo as emissões de NOx e CO2.

O navio Yara Birkeland terá capacidade de 100 a 150 TEUs (unidades equivalentes a vinte pés), medida usada para calcular o volume de um contêiner. Ele será movido a propulsão elétrica, terá uma bateria de 3,5 a 4 MWh, e vai operar a velocidades de 11 km/h (atingindo máximas de 18 km/h).

E, para navegar de forma autônoma, ele será equipado com câmeras, radares, LIDAR (para medir distâncias usando lasers), sensores infravermelho (para ver sob condições de pouca luz) e AIS (sistema usado para identificar e localizar embarcações próximas).

YouTube video

O navio vai operar dentro de 22 km de distância da costa, entre três portos no sul da Noruega. E, para garantir a segurança, haverá três centros operacionais para monitorar o navio, ajudá-lo a tomar decisões e lidar com situações de emergência.

O Yara Birkeland está previsto para ser entregue no segundo semestre de 2018; ele será operado inicialmente com um capitão e uma tripulação pequena. No ano seguinte, será a vez de realizar testes de controle remoto. E, em 2020, o navio será totalmente autônomo.

A Kongsberg ficará responsável pelo desenvolvimento e fornecimento dos sensores e dos sistemas de controle. No ano passado, ela fez parceria com a britânica Automated Ships para construir o primeiro navio autônomo do mundo para operações offshore. Ele será usado nas operações de reabastecimento em plataformas petrolíferas do Mar do Norte, e está previsto para 2018.

Felipe Ventura

Felipe Ventura fez graduação em Economia pela FEA-USP, e trabalha com jornalismo desde 2009. Começou no TB em 2017 como editor de notícias, ajudando a cobrir os principais fatos de tecnologia, e hoje coordena um time de editores-assistentes e a rotina das editorias. Sua paixão pela comunicação começou em um estágio na editora Axel Springer na Alemanha. Foi repórter e editor-assistente no Gizmodo Brasil.

Relacionados

Relacionados