Detran-SP adota biometria de “dedo vivo” para evitar fraudes

Emerson Alecrim
Por

Se você observar qualquer via movimentada no Brasil, provavelmente testemunhará alguma barbeiragem no trânsito logo nos primeiros minutos. Tem muita gente despreparada por aí. Muitas pessoas só tiraram a Carteira Nacional de Habilitação (CNH) trapaceando. Para combater irregularidades na emissão do documento, o Detran-SP adotou, nesta semana, um sistema biométrico de “dedo vivo”.

Dedo vivo (Imagem por G1)

A biometria é utilizada há alguns anos nas autoescolas para coibir faltas nas aulas teóricas e práticas, assim como para evitar fraudes nos exames de avaliação. Mas logo deram um jeitinho: fraudadores descobriram que é possível usar dedos de silicone para burlar o sistema de identificação.

Essa prática se tornou tão disseminada que, no dia 18, o Detran de São Paulo tornou obrigatório o uso de um novo aparelho de identificação biométrica. Além de ler digitais, o dispositivo pode verificar a temperatura do corpo, os batimentos cardíacos e a textura da pele. Graças a esses parâmetros, os dedos de silicone deixaram de funcionar.

Com a obrigatoriedade do novo equipamento, os dispositivos biométricos comuns não serão mais aceitos. Os instrutores, médicos e psicólogos credenciados ao Detran também devem utilizar o leitor de “dedo vivo”.

Carro de autoescola (Imagem por Wikipedia)

Mas, historicamente, essa é uma “briga de gato e rato”. As autoridades descobrem um tipo de fraude, os órgãos de fiscalização implementam medidas para combatê-lo e, depois de algum tempo, alguém descobre um jeito de burlá-las.

O uso de biometria começou a ser exigido porque muitos candidatos não compareciam às aulas teóricas e práticas. Depois da obrigatoriedade, muita gente passou a ir à autoescola, fazer o reconhecimento biométrico e ir embora logo em seguida. Por conta disso, a leitura de digitais passou a ser exigida também no final das aulas. É aí que os dedos de silicone ganharam popularidade.

Nos testes, os novos leitores tiveram resultados satisfatórios. Dedos falsos não passaram na leitura. Os dois primeiros dias oficiais de operação, porém, foram conturbados. O novo sistema falhou e dificultou os serviços referentes à emissão e renovação da CNH. De acordo com o Detran-SP, o sistema já voltou a funcionar.

Com informações: G1

Relacionados

Relacionados