Início / Notícias / Negócios /

China está tentando acabar com a mineração de bitcoin no país

Felipe Ventura

Por

Notícia
Achados do TB Achados do TB

As melhores ofertas,
sem rabo preso 💰

Minerar bitcoin é uma atividade que exige grande poder de processamento e bastante energia. Devido a seus baixos custos, a China corresponde a dois terços da extração dessa criptomoeda. No entanto, o país está interessado em sair desse ramo.

Um memorando de 2 de janeiro diz que mineradores de bitcoin devem fazer uma “saída ordenada” da China, porque “consumiram grandes quantidades de recursos e promoveram a especulação de moedas virtuais”.

O documento exige que as autoridades locais ajustem os preços de eletricidade, uso de terreno, impostos e proteções ambientais para fazer os mineradores desistirem do negócio. Elas terão que prestar contas mensalmente para o governo central.

Este memorando vem do órgão regulador de finanças online na China, chamado Grupo Líder para Remediação de Riscos Financeiros na Internet. Ele não controla o uso nacional de energia, mas tem forte influência — é comandado por Pan Gongsheng, vice-presidente do Banco Popular da China.

A mineração consiste em liberar novas unidades do bitcoin (ou de qualquer criptomoeda) resolvendo cálculos complexos. Isso requer bastante energia e um grande poder computacional, geralmente envolvendo diversas placas de vídeo trabalhando em conjunto. Essa atividade, claro, é remunerada.

Prevendo essa reação da China, grandes empresas de mineração abriram filiais nos EUA, Canadá, Singapura e Islândia.

A China vem se distanciando aos poucos das criptomoedas. Em setembro, casas de câmbio para bitcoin foram proibidas de atuarem no país. Na mesma época, os ICOs foram proibidos.

A “oferta inicial de moedas” é uma forma de empresas obterem financiamento através da venda de tokens, em vez de ações na bolsa de valores. O Banco Popular da China diz que essa atividade “perturbou seriamente a ordem econômica e financeira”, acusando alguns ICOs de serem golpes financeiros e esquemas de pirâmide.

Com informações: Quartz, TechCrunch.