Início / Notícias / Negócios /

Dogecoin, criptomoeda inspirada em meme, ultrapassa US$ 2 bilhões em valor

Felipe Ventura

Por

Notícia
Achados do TB Achados do TB

As melhores ofertas,
sem rabo preso 💰

2013 era uma época mais inocente. O bitcoin cruzava o limite de US$ 1.000 pela primeira vez; e com uma mistura de crítica e brincadeira, programadores criavam moedas alternativas como o dogecoin e o Coinye.

O dogecoin é inspirado em um meme: um Shiba Inu com legendas coloridas em Comic Sans, como “very currency”, “many coin” e “wow”. Claro que, em 2018, essa criptomoeda ultrapassou US$ 2 bilhões em valor de mercado.

O recorde foi atingido neste domingo (7), segundo o CoinMarketCap. Desde então, o dogecoin caiu e seu valor está atualmente em cerca de US$ 1,7 bilhão. Desde o Natal, ele esteve acima de US$ 1 bilhão.

Como lembra o Mashable, o dogecoin não oferece vantagens tecnológicas significativas em relação ao bitcoin, e não recebe nenhuma atualização há anos — ele foi puxado por outras criptomoedas. Por isso, nem mesmo seu cocriador vê essa alta com bons olhos.

Jackson Palmer, hoje gerente de produto da Adobe, diz ao CoinDesk: “eu acho que diz muito sobre o estado das criptomoedas em geral que uma moeda com um cão nela, que não lança uma atualização de software em mais de dois anos, tenha um valor de mercado superior a US$ 1 bilhão”.

Palmer vendeu a maior parte de seus dogecoins em 2015 e não está mais envolvido no projeto. Ele considera que estamos em uma bolha das criptomoedas, e que vê-las como uma oportunidade de investimento — em vez de moedas de troca — “retira atenção de sua tecnologia subjacente e de seus objetivos”.

Ele espera que, quando a bolha estourar “e as pessoas perderem grandes somas de dinheiro, a negatividade no mercado não sufoque a inovação tecnológica nem o interesse em moedas digitais”.

Outras criptomoedas também vêm quebrando recordes. O ether ultrapassou US$ 1.000 pela primeira vez, e o ripple — token para transações globais de dinheiro — valorizou cerca de 33.000% no último ano.

Com informações: CoinDesk, CNBC, Mashable.