O retorno do Vine foi adiado indefinidamente

Felipe Ventura
Por

Eu adorava o Vine. Era uma fonte de vídeos engraçados e curtos — no máximo 6,5 segundos — que tocavam repetidamente. Se você gostasse de um, era fácil assisti-lo diversas vezes; se não gostasse, perdia só alguns segundos e seguia em frente.

Fãs do Vine ficaram tristes quando ele foi encerrado pelo Twitter em 2017; e esperançosos quando seu cofundador Dom Hofmann prometeu criar um sucessor. A nova rede social, chamada temporariamente de “v2”, teria vídeos verticais em tela cheia, de 2 a 6,5 ​​segundos, que tocam em loop.

Infelizmente, esse projeto foi adiado “por um período indefinido de tempo”. Hoffman explica no v2.co, um fórum com usuários aguardando pelo app, que enfrentou obstáculos financeiros e jurídicos.

Para Hoffman, este seria um projeto pessoal sem o investimento de terceiros. No entanto, ele diz que subestimou o entusiasmo das pessoas por um novo Vine, e que “os custos estimados apenas nos primeiros meses seriam muito altos, muito além do que pode ser financiado pessoalmente”.

Além disso, os honorários jurídicos “vêm sendo esmagadores”; o conceito da rede social ainda pertence ao Twitter. Por isso, o v2 exigiria investidores externos e, aparentemente, ninguém está interessado.

O jeito será relembrar os melhores Vines vendo os compilados no YouTube. Só tome cuidado — eles podem ser bem viciantes.

Com informações: Engadget.

Relacionados

Relacionados