Início / Notícias / Internet /

WhatsApp e Facebook são bloqueados no Sri Lanka após atentados

Medida temporária foi tomada após atentados ocorridos neste domingo, 21, que tiveram pelo menos 290 mortos

Lucas Lima

Por

Notícia
Achados do TB Achados do TB

As melhores ofertas,
sem rabo preso 💰

O Sri Lanka decidiu bloquear temporariamente algumas redes sociais para evitar disseminação de notícias falsas no país. A medida ocorreu por conta dos atentados ocorridos contra igrejas católicas e hotéis de luxo neste domingo de Páscoa (21). O governo impôs um toque de recolher no país e restringiu o acesso ao Facebook, Facebook Messenger, Instagram, WhatsApp, YouTube e Viber.

Facebook - discurso de ódio

Segundo o assessor presidencial Harindra Dassanayake, a decisão foi unilateral e temporária, e foi feita para “evitar que os ataques desencadeassem ondas adicionais de desinformação generalizada, discursos de ódio e violência”.

O presidente do Sri Lanka, Maithripala Sirisena, pediu calma e disse desejar que a população não seja enganada por rumores. Ao todo, foram oito explosões em quatro hotéis e três igrejas, com pelo menos 290 mortos e cerca de 450 feridos.

Sri Lanka também bloqueou redes sociais ano passado

No ano passado, o Facebook, Viber e o WhatsApp também foram bloqueados no Sri Lanka por publicações originarem atitudes violentas contra muçulmanos, que resultou em duas mortes e deixou oito feridos. As postagens afirmavam que os muçulmanos eram os responsáveis por envenenar alimentos que eram entregues ou vendidos para os budistas.

Com isso, o Facebook chegou a mudar algumas de suas políticas com o objetivo de impedir que notícias falsas, que incitem o ódio, circulem na rede social. A regra leva em conta textos e posts que contam apenas com fotos.

A rede social de Zuckerberg trabalha em conjunto com organizações locais e internacionais para averiguar se o que foi publicado é verdadeiro ou não, com uso de reconhecimento de imagem para detectar textos nas fotos e ilustrações que possam fomentar reações violentas, e que sejam baseadas em notícias falsas.

Com informações: G1, The Verge.