Início / Notícias / Negócios /

Zona Franca de Manaus critica possível benefício fiscal para videogames

A região teme perder incentivos exclusivos para empresas caso propostas de redução de impostos sejam aprovadas

Victor Hugo Silva

Por

Notícia
Achados do TB Achados do TB

As melhores ofertas,
sem rabo preso 💰

A discussão sobre a redução de impostos para jogos eletrônicos e consoles produzidos no Brasil não foi bem recebida por todos os setores. Para representantes da indústria amazonense, as medidas levarão à perda de empregos e prejudicarão a produção na Zona Franca de Manaus.

Foto por InspiredImages/Pixabay

Caso passem no Congresso ou por decreto nacional, as propostas acabariam com 500 empregos diretos e indiretos na região, que deixaria de produzir 70 mil consoles por ano. A projeção é do consultor Saleh Hamdeh, da Federação das Indústrias do Estado do Amazonas (Fieam) e do Centro da Indústria do Estado do Amazonas (Cieam).

De acordo com o TeleSíntese, Hamdeh teme que a Zona Franca perca incentivos exclusivos e não seja capaz de manter empresas como a Sony, que fabrica o PlayStation, e a Flextronics, que produz o Xbox para a Microsoft.

“Caso essas medidas avancem, restará mais um segmento desindustrializado e consequente fechamento de postos de trabalhos conseguidos a duras penas”, disse o consultor ao site. Ele destacou ainda o fato de algumas medidas acabarem com a prática de tratar jogos e consoles como bens supérfluos.

A referência parece ser, principalmente, à Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 51/2017, aprovada na Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) do Senado. O texto proíbe impostos para jogos e consoles produzidos no Brasil e inclui o segmento em uma lista de “imunidade tributária”, que inclui livros, jornais, CDs e DVDs e templos religiosos.

O governo também estuda a redução de IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados) para jogos eletrônicos e consoles. A alíquota para consoles, por exemplo, cairia de 50% para 40% por uma proposta inicial do Ministério da Economia.

A medida seria adotada por meio de um decreto presidencial e os números ainda podem ser revisados. O governo, no entanto, avalia que a atual proposta de redução de impostos o faria deixar de ganhar R$ 50 milhões até 2021.