Notícias Celular

iPhone 11 começa a ser vendido no Brasil em 18 de outubro

Apple iPhone 11, iPhone 11 Pro e iPhone 11 Pro Max já estão homologados na Anatel para venda no Brasil

Lucas Braga
Por

As melhores ofertas,
sem rabo preso

Os últimos lançamentos de smartphones da Apple já têm data para chegar. A empresa iniciará as vendas do iPhone 11, iPhone 11 Pro e iPhone 11 Pro Max no Brasil em 18 de outubro. Os preços ainda não foram divulgados.

iPhone 11 Pro Max

Os aparelhos começaram a ser vendidos em 20 de setembro em alguns países, como os Estados Unidos. Este é um dos menores “atrasos” de lançamento da Apple no mercado brasileiro: em 2018, o iPhone XR e XS tiveram as vendas iniciadas no dia 21 de setembro nos primeiros mercados e só chegaram ao Brasil no dia 9 de novembro daquele ano.

Em nota, a Apple afirma que os aparelhos estarão disponíveis nas lojas físicas e virtual da empresa, além de parceiros varejistas e operadoras selecionadas. Não deve deve demorar muito para que surjam os primeiros cadastros de pré-venda.

iPhone 11 já está homologado na Anatel

Todos os modelos do iPhone 11 e suas respectivas baterias já estão homologados na Anatel. Serão vendidas no mercado nacional as variantes A2221 (iPhone 11), A2215 (iPhone 11 Pro) e A2218 (iPhone 11 Pro Max), que são os mesmos modelos da Europa, Ásia e Oceania.

Quem comprar um iPhone 11 na América do Norte poderá ter problemas para usar o 4G no Brasil. Os Estados Unidos e o Canadá contam com um modelo próprio que não possui suporte a LTE na banda 28, que corresponde a frequência de 700 MHz no Brasil.

Isso significa que o iPhone americano continuará funcionando com o 4G brasileiro, mas não necessariamente terá a mesma qualidade de sinal de outros smartphones. Nas principais cidades, as operadoras Claro, TIM e Vivo atuam tanto com 700 MHz como em outras frequências. Clientes da Oi não precisam se preocupar, uma vez que a operadora não arrematou o espectro de 700 MHz durante o leilão da Anatel.

A banda 28 é importante por ter maior penetração de sinal, o que beneficia a cobertura em locais fechados e permite que as operadoras cubram mais áreas com menos antenas. É bem provável que as operadoras optem pela frequência de 700 MHz em cidades com menor densidade populacional ou em estradas.

Lucas Braga

Autor especializado em telecom

Lucas Braga é analista de sistemas que flerta seriamente com o jornalismo de tecnologia. Com mais de 10 anos de experiência na cobertura de telecomunicações, lida com assuntos que envolvem as principais operadoras do Brasil e entidades regulatórias. Seu gosto por viagens o tornou especialista em acumular milhas aéreas.

Mais Populares

Responde

Relacionados

Em destaque