Huawei já consegue produzir antenas de 5G sem peças americanas

Estações rádio base da Huawei não dependem mais dos Estados Unidos para serem fabricadas

Paulo Higa
Por

Se a Huawei sofre os efeitos das sanções dos Estados Unidos em seus celulares, que não podem vir com os aplicativos do Google, pelo menos o braço de equipamentos de telecomunicações está mais aliviado. O fundador Ren Zhengfei informou que, a partir de outubro, começará a fabricar estações rádio base (ERBs) de 5G sem depender de nenhum componente americano.

TIM 5G / Huawei Mate X (Foto: Paulo Higa)

Zhengfei diz que a Huawei testou a fabricação de estações rádio base de 5G sem peças dos Estados Unidos em agosto e setembro. A produção em massa se inicia em outubro com uma estimativa de 5.000 antenas por mês. O presidente de estratégia corporativa, Will Zhang, afirma à Reuters que os novos equipamentos não possuem desempenho inferior e que a companhia teve “surpresas positivas” nos testes.

Em 2020, a expectativa é chegar a uma produção anual de 1,5 milhão de estações rádio base, mais que o dobro das 600 mil previstas para este ano — considerando também as que já foram produzidas nos últimos meses com componentes americanos.

Desde maio, a Huawei está em uma lista negra de empresas que podem ameaçar a segurança dos Estados Unidos. O governo americano acusa a Huawei de violar embargos comerciais, negociando com países como o Irã, o que resultou na prisão da diretora financeira da empresa; e suspeita que o governo chinês estaria usando a empresa para atividades de espionagem, algo que a companhia nega.

Para tentar contornar as sanções, a Huawei chegou a anunciar que estaria disposta a licenciar sua tecnologia de 5G, como patentes, códigos-fonte e expertise na fabricação, para uma empresa ocidental — o trio das gigantes de telecomunicações é formado também por Ericsson e Nokia. Estima-se que a Huawei detenha cerca de 20% das patentes relacionadas ao 5G no mundo, mais que todos os registros de empresas americanas somados.

A Huawei tem forte presença entre operadoras brasileiras, tendo fabricado 70 mil das 86 mil antenas de rádio em operação no país, de acordo com estimativas da Anatel. A empresa também é responsável por cerca de dois terços das redes 5G implantadas fora da China.

Relacionados

Relacionados