Início / Notícias / Telecomunicações /

TIM e Vivo confirmam interesse em comprar divisão móvel da Oi

Vivo e TIM têm interesse nas frequências da Oi, mas dependem do leilão de espectro que deve acontecer em 2020

Lucas Braga

Por

Notícia
Achados do TB Achados do TB

As melhores ofertas,
sem rabo preso 💰

Durante a feira Futurecom 2019, executivos da TIM e Vivo confirmaram interesse em adquirir a divisão móvel da Oi. As operadoras inicialmente negaram especulações, mas agora discutem o tema abertamente: elas podem ampliar seu espectro de frequências para concorrer com a Claro, que terá capacidade maior após a incorporação da Nextel.

O CEO da Vivo, Christian Gebara, afirmou que a Vivo sempre irá analisar os ativos disponíveis no mercado, e que a operadora teria interesse em adquirir as frequências da Oi caso estejam à venda. O CEO da TIM, Pietro Labriola, disse algo semelhante: a empresa avaliará uma possível compra caso isso gere valor para os acionistas.

No entanto, ambos os executivos indicam que a aquisição estaria condicionada ao leilão 5G da Anatel que deve ocorrer no ano que vem. Gebara diz que o arremate disponibilizará licenças que também podem ser usadas com 4G, que é o caso das frequências de 700 MHz e 2,3 GHz.

A Vivo não mira na rede de telefonia fixa da Oi, enquanto a TIM considera adquirir o backhaul da operadora caso isso gere valor. Durante a divulgação de resultados financeiros, a Claro também demonstrou interesse em comprar a Oi, dependendo dos detalhes do negócio e barreiras da legislação brasileira.

Frequências da Oi seriam bem-vindas para TIM e Vivo

A aquisição do espectro da Oi seria de grande valia para qualquer uma das operadoras, que ficaram com uma disparidade de capacidade muito grande em relação à Claro por conta da compra da Nextel.

No entanto, é importante lembrar que, nas frequências entre 1 GHz e 3 GHz, a Anatel estabelece limite máximo de 172,5 MHz de capacidade por prestadora por município – podendo ser estendido para 181,12 MHz mediante autorização da agência.

Veja abaixo o espectro de cada operadora em cada região, seguido da soma das frequências. As células em amarelo representam regiões onde o limite pode ser estendido pela Anatel; e em vermelho, onde o limite é ultrapassado. Neste último caso, a operadora teria que devolver o excedente à União.

RegiãoEspectro da TIMEspectro da VivoEspectro da OiEspectro de TIM + OiEspectro de Vivo + Oi
SP (Capital)90 MHz90 MHz80 MHz170 MHz170 MHz
SP (Interior)90 MHz95 MHz90 MHz180 MHz185 MHz
RJ/ES80 MHz90 MHz95 MHz175 MHz185 MHz
MG70 MHz90 MHz80 MHz150 MHz170 MHz
PR/SC70 MHz90 MHz90 MHz160 MHz180 MHz
RS85 MHz90 MHz95 MHz180 MHz185 MHz
Centro Oeste, RO/AC/TO85 MHz90 MHz90 MHz180 MHz185 MHz
Norte, MA80 MHz95 MHz80 MHz160 MHz175 MHz
BA/SE60 MHz90 MHz90 MHz155 MHz185 MHz
Nordeste60 MHz120 MHz80 MHz140 MHz200 MHz

Recentemente, a TIM pediu ao Cade que restrinja o espectro da Claro, ainda que temporariamente, por conta da compra da Nextel. A aquisição não fere o limite de capacidade nas frequências entre 1 GHz e 3 GHz, mas Labriola afirma que o órgão antitruste foi acionado pois o tema não é regulatório, e sim de competição.

Com informações: TeleSíntese, Teletime.