Huawei Mate 30 é feito sem qualquer peça produzida nos EUA

A fabricante chinesa tem encontrado alternativas ao bloqueio imposto em maio pelo governo americano

Victor Hugo Silva
Por

O governo dos Estados Unidos proibiu em maio que empresas americanas realizassem negócios com a Huawei. A medida afetou a produção de equipamentos com componentes produzidos nos EUA, mas a fabricante chinesa parece já ter encontrado uma saída.

Huawei Mate 30

Segundo o Wall Street Journal, a empresa conseguiu produzir o Huawei Mate 30, seu principal celular, sem peças americana. A análise foi feita pela empresa de serviços financeiros UBS e pelo laboratório de tecnologia Fomalhaut Techno Solution.

Nas unidades mais novas do smartphone, a fabricante priorizou empresas como a holandesa NXP, que fornece amplificadores de áudio, e a taiwanesa MediaTek, responsável por chips de gerenciamento de energia. A HiSilicon, divisão de semicondutores da Huawei, também ganhou espaço.

Apesar de produzir o Mate 30 sem peças americanas, a Huawei ainda usa componentes produzidos nos EUA em outros aparelhos. Ciente da pressão que já recebia do governo americano, a empresa decidiu estocar diversos itens antes das sanções.

A empresa afirma que investiu US$ 11 bilhões em tecnologia americana em 2018, ainda que nem todo o valor tenha sido voltado para produtos envolvidos no banimento. Alguns celulares da empresa, como a versão com 5G do Mate 30 Pro, usam componentes da Intel.

A Huawei afirmou ao WSJ que gostaria de seguir comprando componentes de empresas americanas, mas lamentou o bloqueio. “Se isso for impossível por causa das decisões do governo dos EUA, não teremos escolha a não ser encontrar suprimentos alternativos de fontes não-americanas”.

Huawei tem antenas de 5G sem componentes dos EUA

A fabricante também consegue produzir antenas de 5G sem peças americanas. Ainda de acordo com o WSJ, o principal executivo de segurança cibernética da Huawei, John Suffolk, destacou o fato de as estações rádio base (ERBs) da empresa estarem “livres dos EUA”.

A produção, no entanto, ainda é limitada e a companhia é capaz de produzir 5 mil estações por mês. Em 2020, pretende aumentar esse número para 125 mil. “Gostaríamos de continuar usando componentes americanos”, afirmou. “É bom para a indústria americana. É bom para a Huawei. Isso foi tirado das nossas mãos”.

Com informações: The Verge.

Relacionados

Relacionados