Início / Notícias / Aplicativos e Software /

TikTok vai abrir centro de transparência nos EUA após acusações

Centro de transparência do TikTok será aberto em maio

Bruno Gall De Blasi

Por

Notícia
Achados do TB Achados do TB

As melhores ofertas,
sem rabo preso 💰

O TikTok irá abrir um centro de transparência nos Estados Unidos. A medida é uma resposta às alegações do governo norte-americano, que acusa a rede social de ser uma ameaça à segurança nacional.

TikTok / Musical.ly

O TikTok é um aplicativo mundialmente conhecida pelos vídeos curtos de 15 segundos. Mas a popularidade da rede social vem incomodando autoridades dos Estados Unidos nos últimos meses.

Em resposta a essas acusações, a rede social da empresa chinesa ByteDance está estruturando um centro de transparência nos Estados Unidos. A medida, segundo o TikTok, é mais um esforço para “aprofundar o nosso engajamento e ganhar a confiança de nossa comunidade, formuladores de políticas e do público em geral”.

“Essa nova instalação em nosso escritório de Los Angeles oferecerá a especialistas externos a oportunidade de acompanhar diretamente como nossas equipes da TikTok lidam com o trabalho diário e desafiador, mas criticamente importante, de moderar o conteúdo da plataforma”, explica a rede social.

O centro de transparência está previsto para ser aberto em maio, primeiramente com foco na moderação de conteúdo. Depois, o escritório também irá tratar de assuntos como privacidade e segurança de dados.

TikTok enfrenta crise com governo dos Estados Unidos

A ByteDance, criador do TikTok, é mais uma empresa chinesa que enfrenta momentos de crise com autoridades dos Estados Unidos. Em situação parecida com a Huawei, o TikTok entrou na lista de companhias consideradas como “risco à segurança nacional”, cujo app já foi banido de dispositivos do governo.

Nesta quinta-feira, um projeto de lei foi apresentado nos Estados Unidos para proibir o uso do aplicativo de vídeos curtos por servidores públicos federais. A pauta está em análise no Senado.

Com informações: CNET, Engadget, TikTok e Reuters