Início / Notícias / Ciência /

Elon Musk diz que Neuralink fará streaming de música no seu cérebro

Interface cérebro-computador pode fornecer “habilidades aprimoradas” aos humanos e tratar doenças neurológicas, como Parkinson

Paulo Higa

Por

Notícia
Achados do TB Achados do TB

As melhores ofertas,
sem rabo preso 💰

Elon Musk não estava satisfeito em montar carros elétricos na Tesla e lançar uns foguetes da SpaceX, então decidiu criar a Neuralink, uma empresa que está desenvolvendo uma interface cérebro-computador implantável. Ainda não há muitos detalhes, mas Musk diz que a tecnologia permitirá fazer streaming de música para o seu cérebro e oferecer “habilidades aprimoradas” aos humanos.

Neuralink / chip N1

O objetivo da Neuralink é inicialmente tratar doenças cerebrais e, no futuro, melhorar as capacidades humanas. A empresa tem sido discreta quanto às possibilidades da tecnologia, mas Musk já adiantou certos detalhes. Um deles é “ouvir música diretamente do chip”. O outro é “ajudar a controlar os níveis hormonais e usá-los a nosso favor”, melhorando o raciocínio e aliviando a ansiedade, por exemplo.

Um artigo da Neuralink mostra que a interface cérebro-computador consistirá de milhares de eletrodos empacotados em um pequeno dispositivo implantável com 23×18,5×2 mm3, com uma porta USB-C para transmissão de dados. A implantação ficaria a cargo de um robô neurocirurgião capaz de inserir 192 eletrodos por minuto em um humano.

Neuralink / cirurgia

Até o momento, a Neuralink realizou um único evento para divulgar sua tecnologia, que poderá ser utilizada para ajudar pessoas com a doença de Parkinson que se submeterem a uma cirurgia semelhante à Lasik, aquela para curar miopia, hipermetropia ou astigmatismo. No Twitter, Musk afirmou que o chip poderia “retreinar” partes do cérebro e assim curar depressões ou vícios.

Neuralink / chip N1

Saberemos mais detalhes da tecnologia da Neuralink em um evento marcado para 28 de agosto. O sistema foi testado em animais e, ainda neste ano, deverá ter seus primeiros experimentos em humanos.

Com informações: The Independent.