TIM diz que “5G do marketing” chega antes de leilão da Anatel

Pietro Labriola, CEO da TIM, afirma que "5G de verdade" só chegará após o leilão da Anatel; TIM se prepara para lançar 5G DSS em outubro

Lucas Braga
Por

O CEO da TIM, Pietro Labriola, afirmou que o “5G de verdade” só existirá após o leilão de frequências da Anatel, que ocorrerá apenas no primeiro trimestre de 2021, e que o “5G do marketing” chega o quanto antes. A operadora se prepara para lançar a quinta geração com compartilhamento dinâmico de espectro (DSS) no mês de outubro.

Site da TIM sobre 5G. Imagem: Divulgação/Site TIM

Site da TIM sobre 5G. Imagem: Divulgação/Site TIM

A resposta foi dada após Labriola ser questionado sobre a data de lançamento da tecnologia no Brasil: “Se falamos do 5G de verdade, depois do leilão, mas se falamos do 5G do marketing, chega muito cedo”. O executivo também afirma que pretende melhorar a qualidade do serviço com a lógica da transparência, e, para isso, a TIM deverá ser mais assertiva ao explicar as verdadeiras vantagens da oferta.

TIM deve lançar 5G DSS neste mês

Mesmo tendo falado sobre “5G do marketing”, a TIM se prepara para lançar o 5G DSS já no mês de outubro em Bento Gonçalves (RS), Itajubá (MG) e Três Lagoas (MS). Ao contrário da estratégia de Claro, Oi e Vivo, a TIM irá utilizar a tecnologia para banda larga residencial, no modelo FWA. Em nota ao Tecnoblog, a empresa afirmou que a ativação da rede foi concluída em setembro e que os testes de performance devem se iniciar nesta semana.

A TIM já vende acesso de banda larga residencial utilizando 4G. O TIM Live Internet é comercializado nos municípios cobertos pela frequência de 700 MHz e tem velocidade prometida de 5 Mb/s, mas com franquia de dados de até 80 GB. Os planos para o 5G DSS ainda não foram divulgados pela companhia.

TIM lançará 63 novas lojas em SP até 2021

A TIM divulgou a nova estratégia comercial para São Paulo. Ela irá inaugurar 42 novas lojas no estado até o final do ano e outras 21 unidades em 2021 em parceria com o grupo Jufap. Ao todo, a companhia terá 197 estabelecimentos no próximo ano. A operadora aposta na recuperação da economia brasileira: “Acreditamos que esta é a hora certa para investir no país”, afirmou o executivo. Cerca de 300 pessoas serão contratadas para a empreitada.

Labriola também revelou que a compra da Oi e a incorporação dos clientes irá permitir a abertura de novas lojas, mesmo que fora de São Paulo. O executivo explica que é necessário ter uma demanda de usuários existentes e potencial de novas assinaturas para que o investimento faça sentido.

Relacionados

Relacionados