Notícias Finanças

Uso de criptomoedas em crimes cai para US$ 10 bilhões

Chainalysis aponta redução no volume transacionado em criptomoedas por entidades criminosas em 2020

Bruno Ignacio
Por

As melhores ofertas,
sem rabo preso

Criminosos utilizaram menos criptomoedas em 2020 comparado ao ano anterior. Cerca de US$ 10 bilhões provenientes de atividades ilícitas foram transacionados através de moedas digitais, enquanto em 2019 esse volume foi de US$ 21,4 bilhões. Os dados são de um novo relatório da Chainalysis, empresa de análise de dados em blockchain.

  • Especialistas alertam para riscos após vazamento que expôs 220 milhões de brasileiros
  • O que é um ransomware?
Hacker de criptomoedas (imagem: BeatingBetting/Flickr)

Hacker de criptomoedas (imagem: BeatingBetting/Flickr)

De acordo com o documento, apenas 0,34% de todo o volume de transações em criptomoedas vieram de atividades criminosas no ano passado. O novo percentual representa uma grande redução em comparação a 2,1% em 2019. “Crimes relacionados a criptoativos estão caindo e ainda são uma pequena parte da economia geral do mercado de moedas digitais”, afirma o relatório.

Volume movimentado em criptomoedas por entidades criminosas (imagem: Reprodução/Chainalysis)

Volume movimentado em criptomoedas por entidades criminosas (imagem: Reprodução/Chainalysis)

Ransomware apresenta crescimento de atividade

Em entrevista à CNBC, Kim Grauer, chefe de pesquisa da Chainalysis, detalhou um pouco mais as descobertas da empresa. “Vimos uma diminuição significativa na participação de atividades associadas a entidades ilícitas”, concluiu. Contudo, mesmo diante de uma redução geral, uma categoria específica de crimes envolvendo criptomoedas disparou em 2020. “Ransomware foi de longe a maior em termos de crescimento de atividade e o que estamos vendo agora é um recorde histórico”, afirmou Grauer.

Trata-se de um software malicioso que infecta computadores e toma o sistema como uma espécie de refém virtual. O vírus então exibe mensagens diversas exigindo pagamentos para que a vítima retome o controle de sua máquina. As transações envolvendo o golpe geralmente ocorrem através de bitcoin (BTC) e outras criptomoedas.

A instalação do malware ocorre mais frequentemente através de links infectados que podem ser disseminados através de e-mails falsos e janelas pop-up em sites diversos. Segundo o chefe de pesquisa da Chainalysis, a pandemia foi um catalisador para que esse tipo de crime disparasse. Com a vasta adoção do sistema de trabalho home office, as pessoas começaram a utilizar computadores pessoais com mais frequência e por mais tempo.

A categoria não gerou o maior volume de transações apontado pelo relatório, apenas 7% de todos os fundos recebidos por criminosos em criptomoedas vieram de ransomware. Porém, a atividade apresentou um aumento de 311% de um ano para o outro, tornando-se o tipo de crime que mais cresceu ao longo de 2020.

Esquemas movimentaram mais criptomoedas

Volume recebido por entidades criminosas por tipo de crime (imagem: Reprodução/Chainalysis)

Volume recebido em criptomoedas por entidades criminosas por tipo de crime (imagem: Reprodução/Chainalysis)

Quanto a fundos recebidos por entidades criminosas em criptomoedas, esquemas online lideram nas estatísticas. A Chainalysis explica que é importante analisar volumes adquiridos por contas vinculadas a atividades ilícitas para identificar efetivamente a arrecadação. Em contrapartida, moedas digitais enviadas por esses endereços geralmente apontam para a lavagem de dinheiro.

Assim como em 2019, os esquemas foram a maior fonte de renda em criptomoedas utilizada por criminosos, representando 54% de todo volume movimentado sob o valor bruto de US$ 2,6 bilhões. A Chainalysis destaca que por mais que o montante pareça impressionante, o ano anterior se destacou por grandes golpes como do PlusToken, que arrecadou mais de US$ 2 bilhões e vitimou milhões de pessoas em todo o mundo.

Com informações: CNBC

Bruno Ignacio

Ex-autor

Bruno Ignacio é jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero. Cobre tecnologia desde 2018 e se especializou na cobertura de criptomoedas e blockchain, após fazer um curso no MIT sobre o assunto. Passou pelo jornal japonês The Asahi Shimbun, onde cobriu política, economia e grandes eventos na América Latina. Já escreveu para o Portal do Bitcoin e nas horas vagas está maratonando Star Wars ou jogando Genshin Impact.

Mais Populares

Responde

Relacionados

Em destaque