Intel diz que Apple M1 é mais lento que Core i7, mas não convence

A Intel realizou diversos testes de benchmark por conta própria para tentar provar que seus chips são superiores ao Apple Silicon

Ana Marques
Por

Há praticamente três meses a Apple apresentou o chip M1 para substituir os processadores Intel em Macs. O anúncio trouxe números promissores em relação ao desempenho e à eficiência energética – algo que foi se confirmando semana após semana, com a publicação de análises e testes de benchmark. Mas apesar de tudo isso, parece que a Intel ainda não se deu por vencida e decidiu mostrar à mídia os seus próprios testes.

Apple Silicon (ARM). Imagem: Divulgação/Apple

Apple Silicon (ARM). Imagem: Divulgação/Apple

Segundo informações do PC World, a Intel compartilhou uma apresentação com diversos benchmarks que poderiam provar que os Core i7 de 11ª geração para notebooks são muito mais velozes do que o Apple M1.

Os slides mostram resultados superiores para os chips Intel em testes de navegação com o Google Chrome, execução de tarefas com o Office 365, uso de apps de criação da Adobe e uso de softwares baseados em inteligência artificial.

Apple M1 e Core i7

Apresentação exibida pela Intel mostra Apple M1 vs Core i7 de 11ª geração (Imagem: Reprodução/MacRumors)

Em jogos, a apresentação mostrou resultados mistos, com vitórias nos dois lados, mas a Intel fez questão de enfatizar que os Macs não são ideais para games por não ter suporte a “incontáveis” títulos.

Apple M1 vs Intel Core i7

Apresentação exibida pela Intel mostra performance em jogos (Imagem: Reprodução/MacRumors)

Utilizando um MacBook Air com M1, a Intel afirmou ainda que o chip da Apple tem eficiência inferior à anunciada (e semelhante à marca atingida por notebooks com Core i7-1165G7). E é claro que existem muitos “poréns” nessa história toda.

MacBook Air com M1 enfrenta notebook com Core i7

Apresentação exibida pela Intel mostra testes de bateria (Imagem: Reprodução/MacRumors)

Metodologia é questionável

Os apontamentos da Intel não são muito convincentes, especialmente por conta da metodologia. Não que a empresa tenha falsificado testes, ou feito algo potencialmente ilegal a este ponto. Ao que parece, a Intel teria sido tendenciosa na escolha de hardware e software, optando pelos que iriam favorecer os seus próprios chips em diversos cenários.

Um exemplo é a escolha do MacBook Air para teste de bateria, e outro o uso de um software de inteligência artificial fornecido pela Topaz Labs, que é projetado para trabalhar com a aceleração de hardware dentro dos processadores da própria Intel.

Assim como acontece na mídia internacional, os testes do Tecnoblog, indicam ótima performance e autonomia do MacBook Pro com M1 – e, segundo Paulo Higa, não precisa nem olhar pra trás.

Com informações: PCWorld, MacRumors e Engadget

Relacionados

Relacionados