Início / Notícias / Aplicativos e Software /

WhatsApp e Facebook terão que responder a estas perguntas da Senacon

Órgão ligado ao Ministério da Justiça quer saber, entre outros, se usuários do WhatsApp terão prazo para migrar para outro app

Felipe Ventura

Por

Notícia
Achados do TB Achados do TB

As melhores ofertas,
sem rabo preso 💰

A Senacon (Secretaria Nacional do Consumidor), ligada ao Ministério da Justiça e Segurança Pública, notificou o WhatsApp e o Facebook em janeiro para explicarem toda aquela polêmica sobre a nova política de privacidade. O órgão quer saber quais regras realmente mudaram, e se os usuários poderão ter uma extensão de prazo para migrar para outro mensageiro.

WhatsApp (Imagem: Torsten Dettlaff / Pexels)

WhatsApp (Imagem: Torsten Dettlaff / Pexels)

O Ministério da Justiça enviou ao Tecnoblog a lista completa de questionamentos feitos pelo DPDC (Departamento de Proteção e Defesa do Consumidor), da Senacon. Como as perguntas são longas, fizemos um resumo no final do post.

No geral, o caso mostra como o WhatsApp se comunicou mal sobre a nova política de privacidade: de fato, você precisaria aceitar a troca de dados com o Facebook ou apagar a conta, mas isso já ocorre desde 2016. A novidade maior estava nos detalhes sobre contas de empresas: elas terão mais liberdade para armazenar e repassar suas mensagens.

O órgão quer saber, por exemplo, se o usuário terá a opção de não aceitar o compartilhamento – algo que só foi oferecido durante um curto período em 2016. A Senacon também pergunta: se o usuário não aceitar isso e não puder deixar o WhatsApp, haverá como estender o prazo para apagar a conta? De novo, o Facebook já tem acesso aos dados há anos.

“Ah, mas eu não tenho conta no Facebook, então tudo bem!” Não estamos falando aqui da rede social, e sim do conglomerado que é dono do Instagram, Oculus e outros serviços. Isso não inclui suas mensagens – que são protegidas por criptografia de ponta a ponta – e sim detalhes como nome e número de celular.

A confusão foi tão grande que milhões de pessoas simplesmente desistiram de entender e foram para a concorrência. O Telegram ultrapassou 500 milhões de usuários em todo o mundo e liderou os downloads de aplicativos em janeiro; TikTok e Signal ficaram logo atrás. Em meio à polêmica, o WhatsApp resolveu adiar a nova política de privacidade para maio de 2021.

O Senacon também tem algumas dúvidas envolvendo a União Europeia. Em 2019, a Alemanha decidiu que os serviços do Facebook – como WhatsApp e Instagram – só poderão trocar dados “mediante o consentimento voluntário dos usuários”. Caso contrário, as informações devem permanecer em seus respectivos apps. O órgão quer entender melhor por que essa decisão foi tomada.

As perguntas que WhatsApp e Facebook deverão responder

WhatsApp tenta explicar mudança na política de privacidade (Imagem: Reprodução)

WhatsApp tenta explicar mudança na política de privacidade (Imagem: Reprodução)

Fizemos abaixo um resumo do questionário que o Facebook recebeu; você confere a versão na íntegra neste link.

  • O usuário do WhatsApp pode controlar que dados pessoais serão acessados por empresas do conglomerado Facebook?
  • Como será a política de transparência e como o usuário do WhatsApp será informado das operações que serão realizadas com os seus dados?
  • O usuário terá a opção de não aceitar o compartilhamento? Caso não aceite, poderá continuar a usar o aplicativo?
  • Se o usuário não quiser compartilhar dados com o Facebook e não puder deixar o WhatsApp neste momento, será possível estender o prazo para fazer a migração para outro app?
  • O que exatamente mudou na nova política de privacidade? Favor, expor analiticamente, de preferência em quadros comparativos.
  • Quais dados o WhatsApp coletava nas versões anteriores da política de privacidade? Favor expor analiticamente.
  • O WhatsApp recebe dados de outros usuários sobre você, incluindo seu número de celular, nome e contatos da agenda. A política menciona que cada um desses usuários precisa ter “autorização legal para coletar, usar e compartilhar seus dados antes de fornecê-los para nós”. Como o WhatsApp sabe que esse terceiro obteve tal autorização? No caso de grupos, quais são as condições para que um terceiro possa legalmente enviar mensagens?
  • As empresas com as quais o usuário interage no WhatsApp “podem fornecer dados sobre as interações delas com você”, diz a política de privacidade. O conteúdo pode ser visualizado por diversas pessoas naquela empresa, e pode ser analisado por terceirizados (como o próprio Facebook). Como é possível conferir se tais empresas obtiveram essa autorização de coleta e tratamento? Como é essa verificação frente ao Código de Defesa do Consumidor, Lei Geral de Proteção de Dados, Marco Civil da Internet e outras?
  • Por que Facebook e WhatsApp deram a entender que não trocariam dados na União Europeia, mas passaram a adotar essa prática? Por que a Alemanha decidiu que usuários não podem ser excluídos nem suspensos caso não autorizem o compartilhamento?