Início / Notícias / Aplicativos e Software /

Facebook reduz alcance de vários posts em Mianmar após golpe de estado

Páginas e contas ligadas às forças armadas de Mianmar são penalizadas pelo Facebook por espalhar desinformação

Victor Hugo Silva

Por

Notícia
Achados do TB Achados do TB

As melhores ofertas,
sem rabo preso 💰

O Facebook decidiu reduzir significativamente o alcance de várias páginas e perfis ligados à Tatmadaw, como são conhecidas as forças armadas de Mianmar. A rede social identificou que elas foram usadas para espalhar desinformação sobre o golpe militar que retirou a líder Aung San Suu Kyi do poder no início de fevereiro.

Site do Facebook no celular (Imagem: Solen Feyissa/Unsplash)

Site do Facebook no celular (Imagem: Solen Feyissa/Unsplash)

A decisão afeta posts de órgãos e líderes militares que violam repetidamente as políticas do Facebook contra desinformação. A plataforma penalizou, entre outras, a página Tatmadaw Information Team e a conta do porta-voz das forças armadas de Mianmar, Zaw Min Tun. Além de perderem alcance, elas deixarão de ser recomendadas para usuários.

Ainda entre as medidas adotadas após o golpe, está a suspensão por tempo indeterminado de pedidos de retirada de conteúdos pelo governo de Mianmar. A plataforma oferece canais para governos reivindicarem a derrubada de posts que consideram inadequados, mas deve mantê-los indisponíveis no país até a situação se normalizar.

Facebook protege posts sobre situação em Mianmar

O Facebook promete manter no ar posts que tratam da situação em Mianmar após o golpe. A empresa afirma que um de seus objetivos é ajudar a proteger a liberdade de expressão dos cidadãos e aponta que esses conteúdos, incluindo discursos políticos, ajudam seus usuários a se expressarem e mostrarem ao restante do mundo o que acontece no país.

Ao mesmo tempo, a rede social pretende remover usuários e grupos que violam as regras ao incitar a violência, propagar discurso de ódio ou espalhar mentiras que podem levar a danos físicos. Os posts com alegações de fraude na eleição realizada em Mianmar ou convocações para pegar em armas também serão removidos.

Depois da tomada do poder pelos militares, a internet em Mianmar sofreu instabilidades por ordem do novo governo. A interrupção dos serviços começou em 1º de fevereiro, quando afetou apps como Telegram e Signal. Em seguida, foi a vez do bloqueio ordenado a WhatsApp e Facebook. No sábado (6), o nível de conectividade no país chegou a 16%, segundo a NetBlocks.