Início / Notícias / Jogos /

Revendedores não-oficiais do PS5 reclamam de críticas

Revendedores do PS5, os chamados scalpers, continuam sua prática pelo mundo todo, mas não estão felizes com as críticas

Felipe Vinha

Por

Notícia
Achados do TB Achados do TB

As melhores ofertas,
sem rabo preso 💰

O PS5 continuam com problema de falta de estoque no mundo todo, mas revendedores não-oficiais seguem obtendo unidades, assim que chegam às lojas, e revendendo por preços mais elevados. E, ao que tudo indica, estes “scalpers”, como são chamados, não estão felizes com as críticas do público.

Como jogar games do PS4 no PlayStation 5 via USB

Revendedores do PS5 não estão felizes (Imagem: André Leonardo / Tecnoblog)

A Forbes preparou uma reportagem para contar um pouco desta realidade e explicar como funciona. Para isso, o jornalista Janhoi McGregor conversou com alguns scalpers, entre eles “Jordan”, co-fundador de um grupo que ensina a outras pessoas em como revender os consoles comprados.

“Tá tendo MUITA mídia negativa sobre esta indústria incrivelmente valiosa e eu não acho que isso seja justo. Tudo que fazemos é ser um tipo de intermediário para itens que estão em baixíssima quantidade”, comentou Jordan, à reportagem.

“Na realidade, todo negócio revende produtos. A Tesco, por exemplo, compra leite dos fabricantes por 26 centavos ao litro e revende por 70 centavos ao litro. Ninguém parece reclamar do que eles estão fazendo”, complementou. O revendedor conta ainda que chegou a receber ameaças de morte, que chegou a denunciar na polícia.

Ainda de acordo com o repórter, Jordan conseguiu comprar 25 unidades do PS5 em janeiro, na Europa, e revendeu cada um por £700 – o console custa £450 por lá, na versão com leitor de disco Blu-ray.

Como eles compram?

A Forbes exemplifica como o negócio é feito. A empresa The Lab, de Jordan, usa um bot chamado Velox, que é capaz de entrar nas lojas online, passa pelo captcha que evitaria robôs, e realiza a compra das unidades antes de qualquer pessoa real – tudo em cerca de 2,3 segundos. O bot passa também pela “proteção 3D” que transações com cartões de crédito possuem na Europa, por lei.

Por ora, este é um problema que deve continuar acontecendo, até que a Sony regularize o estoque do PS5 no mundo todo. Mesmo no Brasil não há unidades oferecidas em grandes lojas, enquanto o aparelho é encontrado em sites de revenda e leilões por preços que começam em R$ 7 mil.

Com informações: Forbes.