Nintendo reforça: Switch OLED não é mais poderoso que o original

Nintendo Switch OLED Model não tem processador mais poderoso do que o original e deve ser considerado apenas modelo aprimorado

Felipe Vinha
Por

Para sanar qualquer dúvida, a Nintendo resolveu reforçar e mandou avisar: o Switch OLED Model não tem qualquer poder gráfico superior em relação ao modelo original e também ao Lite. O visual pode parecer melhor apenas por conta da tela de melhor qualidade, mas todos os modelos do console compartilham o mesmo processador.

Switch OLED tem o mesmo processador do orignal (Imagem: Divulgação/Nintendo)

Switch OLED tem o mesmo processador do orignal (Imagem: Divulgação/Nintendo)

O reforço de informação foi divulgado na mídia japonesa, em especial a revista Famitsu, após a revelação do OLED Model, nesta semana. A dúvida que pairou foi por conta dos rumores de que um novo Switch seria capaz de rodar jogos com gráficos em resolução 4K.

Desta vez isso não é verdade. O Nintendo Switch continua o mesmo em qualquer modelo disponível no mercado. Aliás, é bom também reforçar que o modelo original continua sendo vendido normalmente – o OLED não veio para substituí-lo.

Além disso, a dock, ou base, que acompanha o OLED Model também pode ser usada pelo modelo original do Switch – mas não pelo Lite, claro, pois este não é compatível com qualquer outra base da Nintendo.

Switch OLED Model

O aparelho será lançado em 8 de outubro e nos EUA e apenas em 2022 no Brasil. Lá fora ele vai custar US$ 350, enquanto o preço para cá ainda não foi revelado. Além da tela, ele tem outras pequenas melhorias e adições que podem agradar os jogadores.

Uma das grandes mudanças é a inclusão de entrada para cabo de rede. Até então o Switch era capaz de se conectar com a Internet apenas via Wi-Fi, como também era costume em aparelhos mais antigos da Nintendo, aliás. Com o cabo de rede, é possível ter melhor estabilidade em partidas online.

O aparelho será vendido nas cores branca e preta, de acordo com o que o consumidor preferir, e terá 64GB de memória interna para salvar jogos, imagens, saves, entre outros conteúdos. Há ainda pequenas mudanças de visual, como na saída de cabos atrás da base (dock).

Com informações: Siliconera.

Felipe Vinha

Ex-autor

Felipe Vinha é jornalista com formação técnica em Informática. Já cobriu grandes eventos relacionados a jogos, como a E3, BlizzCon e finais mundiais de League of Legends. Em 2021, ganhou o Prêmio Microinfluenciadores Digitais na categoria entretenimento. Foi autor no Tecnoblog entre 2020 e 2022, escrevendo principalmente sobre games e entretenimento. Passou pelos principais veículos do ramo, e também é apresentador especializado em cultura pop.

Relacionados

Relacionados