Início / Notícias / Finanças /

Venezuela anuncia reconversão monetária para bolívar digital em outubro

Novo bolívar digital chega para facilitar o uso do dinheiro; Venezuela vai realizar nova reconversão monetária e corta seis zeros da moeda

Por

O Banco Central da Venezuela anunciou nesta sexta-feira (06) que lançará uma moeda digital do banco central (CBDC) ainda em 2021, juntamente com uma reconversão monetária que cortará seis zeros da moeda devido à hiperinflação no país. O chamado “bolívar digital” começará a circular na economia venezuelana a partir de 1º de outubro.

Venezuela lança CBDC e nova reconversão monetária (Imagem: Reprodução/ Agência Brasil)

Venezuela lança CBDC e nova reconversão monetária (Imagem: Reprodução/ Agência Brasil)

A CBDC será acompanhada por um sistema de troca baseado em SMS para facilitar os pagamentos e transferências entre seus usuários. O banco central da Venezuela alegou que a chegada da moeda digital e o processo de reconversão não afetarão o valor real do bolívar e que trata-se de uma iniciativa para simplificar o uso da moeda.

CBDC não afetará sistema financeiro tradicional

“O bolívar não vai valer mais nem menos. Para facilitar seu uso, está sendo levado para uma escala monetária mais simples”, disse o banco central. O presidente venezuelano Nicolás Maduro já havia indicado que o governo estaria trabalhando em uma CBDC ainda em fevereiro, como uma das ações para modernizar e reestruturar a economia venezuelana.

Segundo o governo da Venezuela, a moeda digital não substituirá o bolívar físico e nem afetará o sistema bancário tradicional. Também entrarão em circulação uma nova moeda de 1 bolívar e novas cédulas de 5 a 100 bolívares.

Ainda em 2018, a Venezuela já havia emitido uma espécie de moeda digital chamada Petro, atrelada ao petróleo, como uma forma de driblar sanções impostas pelos Estados Unidos sobre o país.

Reconversão monetária é medida paliativa

Trata-se também da segunda vez em três anos que a Venezuela realiza um reajuste no bolívar. Em 2018, Maduro cortou cinco zeros da moeda, quando a inflação atingiu seu pico no país.

Contudo, do ponto de vista do economista venezuelano Luis Vicente León, presidente da empresa Datanalisis, a medida não resolverá o verdadeiro problema. “Retirar esses zeros não resolve, de forma alguma, a origem do problema”, disse em entrevista à Bloomberg. Para ele, os zeros retirados podem voltar em questão de meses se nada for feito para controlar de vez a inflação venezuelana.

Com informações: Bloomberg